Arquivo de John McEnroe - Fair Play

img_770x4332018_05_13_19_38_14_1397617.jpg?fit=770%2C433&ssl=1
André Dias PereiraMaio 14, 20183min0

Alexander Zverev conquistou este domingo, em Madrid, o seu terceiro Masters 1000 e o nono troféu ATP na carreira. Aos 21 anos de idade, o alemão é já o número três mundial e tem um talento comparado aos melhores. Mas pode Zverev atingir o patamar de superestrelas como Djokovic, Nadal ou Federer?

Contra Dominic Thiem levou 1h19 para vencer a final dos Masters 1000 por duplo 6-4. Não se trata exatamente de uma surpresa. O triunfo mostra o bom momento do alemão que, na semana passada, venceu também em Munique.

A grande surpresa do torneio acabou por ser a eliminação de Rafael Nadal. O maiorquino perdeu não apenas o seu primeiro jogo na terra batida este ano (7-5 e 6-3), mas também o seu primeiro set. Foi contra Dominic Thiem, que acabaria por ser finalista vencido.  O austíaco conseguiu a sua segunda vitória sobre o espanhol – a outra foi em 2016, no ATP Buenos Aires – e atira Nadal também para fora da liderança mundial. Mesmo sem jogar, Roger Federer será novamente o número um do ranking ATP.

Rafael Nadal foi eliminado um dia depois de ter batido novo recorde. Alcançou 50º set consecutivo sem perder, destronando Jonh McEnroe.

“Em termos de resultado e de qualidade de jogo ele é o melhor jogador do mundo depois do Big Four. Aliás, neste momento, é melhor atrás de Roger Federer e Rafael Nadal“, disse Dominic Thiem, rendido ao talento do alemão.

Grand Slam e a pedra no sapato

Nadal caiu nos quartos de final mas estabeleceu record vitorioso de 50 sets consecutivos. Foto: Sky Sport

Este foi o segundo título do alemão em duas semanas. Antes, em Munique, venceu Philipp Kohlschreiber por duplo 6-3 na final.

Depois de um arranque de época de altos e baixos, o alemão parece estar novamente a ganhar confiança. O ano passado, foram cinco títulos conquistados: Montepellier, Munique, Washington, Roma e Canadá.

Com um serviço muito forte e um estilo agressivo, sobretudo a partir da linha, a Zverev parece faltar regularidade ao longo da temporada. É capaz de vencer os maiores, mas também ser eliminado precocemente, como aconteceu em Roterdão, este ano. Andrea Seppi, semi-finalista, eliminou o alemão logo na segunda ronda.

Por enquanto continua a faltar resultados em Grand Slam. O seu melhor registo foi alcançar as meias-finais em Roland Garros, em 2016 e 2017. Poderá ir mais longe este ano, ou surpreender o super-favorito Rafael Nadal? Poderá ainda ser cedo para prever uma situação como essa, mas aos 21 anos de idade Zverev é, provavelmente, o mais promissor jogador da nova geração.

“Nos Grand Slams ainda não teve os resultados esperados. Penso, contudo, que será difícil pará-lo assim que começar a avançar nos torneios”, disse ainda Thiem sobre o alemão.

Este foi, aliás, o terceiro Masters 1000. Os outros foram conquistados em Roma e no Canadá. Agora, as baterias estão apontadas para Roland Garros. Até onde poderá ir o alemão?

 

Alexander Zverev venceu assim o ATP 1000 Madrid


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS