Arquivo de Fórmula 1 - Página 2 de 12 - Fair Play

destque.jpg?fit=1200%2C1502&ssl=1
Luís PereiraDezembro 13, 20214min0

Max Verstappen tornou-se no Campeão do Mundo de Fórmula 1 depois de ultrapassar Lewis Hamilton na última volta, numa corrida que, como não podia deixar de ser, teve muita polémica.

O Grande Prémio de Abu Dhabi começou a ter emoção logo ao início com o arranque de Hamilton a ser melhor do que o homem na pole, Verstappen. Isto dava mais emoção a um eletrizante final de temporada, já que os pilotos tinham pneus diferentes e estratégias diferentes para a corrida.

Ainda na primeira curva, Verstappen tentou ultrapassar Hamilton na curva 7, numa manobra no limite, que não fosse Hamilton evitar o contacto certamente teria havido choque entre os pilotos. Para evitar esse contacto Hamilton teve de sair de pista, mas isso fez com que o britânico saísse na frente. A Red Bull protestou que o piloto da Mercedes deveria devolver o lugar a Verstappen, mas a direção de corrida não concordou.

A partir daí Hamilton começou a ganhar vantagem ao rival para o título, chegando a ter mais de 4 segundos de vantagem. Uma vez que Verstappen tinha os pneus mais macios foi o primeiro da frente a parar. Apesar de ter pneus ainda com algum andamento, a Mercedes decidiu parar também, para cobrir o neerlandês.

Só que ao parar Hamilton surgiu atrás de Sérgio Perez, que deu uma aula de como bem defender e de trabalho de equipa, atrasando Hamilton, permitindo o colega de equipa reduzir uma desvantagem de 8.5 segundos para apenas 1.
Só que depois de ultrapassado Perez, Hamilton voltou a ganhar tempo e espaço livre a Verstappen. Hamilton e o Mercedes simplesmente estavam mais rápidos.

Enquanto isso, a última corrida da carreira de Kimi Raikkonen na F1 terminava, com o seu Alfa Romeo a ter problemas de travões. Numa corrida de azares para a Alfa Romeo, a seguir foi a vez de Antonio Giovinazzi ter problemas e teve de parar na pista. Isso deu origem a um Virtual Safety car.

Com o VSC em vigor a Red Bull decidiu parar ambos os carros para pneus frescos, já a Mercedes não quis perder a posição em pista, arriscando.

Apesar de pneus bem mais frescos, Verstappen não conseguia queimar distancia suficiente para Hamilton, a estar a 10 voltas do fim a menos de 11 segundos. A não ser que os pneus de Hamilton dessem a melhor de si (algo que já se viu inúmeras vezes), parecia que a corrida ia mesmo cair para o britânico.

Só que apenas a seis voltas do fim Nicholas Latifi bateu e o Safety car teve de entrar em pista. A Mercedes, sem margem, manteve Hamilton em pista, enquanto a Red Bull manda parar novamente Verstappen.

Enquanto a pista era limpa começava a ficar a dúvida de se a corrida iria retomar ou se iria mesmo acabar em período de safety car. A direção de corrida queria acabar em situação de bandeira verde então não permitiu que os carros retardatários pudessem ultrapassar o SC. A Red Bull protestou e pressionou para isso não acontecer e então a direção de corrida tomou a decisão muito controversa de permitir que apenas os carros entre Hamilton e Verstappen se desdobrassem.

(foto: formula1.com)

Essa decisão deixou a Mercedes em fúria porque basicamente entregava a chave de ouro, e o título, a Verstappen. No recomeço, e com apenas uma volta por disputar, Verstappen facilmente ultrapassou Hamilton e acabou a corrida em primeiro, tornando-se assim Campeão do Mundo de Fórmula 1.

Um final muito polémico, como não podia deixar de ser, que levou a Mercedes a protestar o resultado final, protesto esse que não foi aceite pelos comissários. A Mercedes ainda assim deixou o aviso que vai recorrer da decisão.

Um final de temporada que tinha tudo, mas que acaba em muita polémica, que tal como aconteceu durante o ano, com decisões no mínimo, questionáveis por parte da direção de corrida. Haveria outra forma de gerir o final da corrida, sem polémica, sem influência direta no resultado final do campeonato.

Max Verstappen é um merecido campeão, tal como seria Lewis Hamilton, mas nenhum merecia que acontecesse o que aconteceu nas últimas voltas da corrida. Um desporto deve ser regulado para ser justo, para ser desporto, e não para ter volta final “emocionante”, ou para dar que falar na próxima temporada da série da Netflix.

GRANDE PRÉMIO DE ADU DHABI

CLASSIFICAÇÃO FINAL DO CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

destaque.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1
Luís PereiraDezembro 6, 20215min0

Lewis Hamilton venceu o inaugural GP da Arábia Saudita e vai para a última corrida da temporada em igualdade pontual com Max Verstappen. Se a época de 2021 estava a ter muitas polémicas e corridas a fazer correr muita tinta, então o GP da Arábia Saudita é a cereja no top do bolo. A corrida foi caótica, com drama, bandeiras vermelhas, toques entre os candidatos ao título e muita falta de maturidade.
Depois de uma qualificação marcada pelo erro na última curva de Max Verstappen, foi Lewis Hamilton que arrancou da pole, num arranque limpo sem qualquer incidente de registar.

Na frente ia a dupla da Mercedes, seguidos pelo Red Bull de Verstappen, com o Ferrari de Leclerc a ser perseguido pelo outro Red Bull. Tudo estava relativamente sossegado, com pouca ação, até que na volta dez Mick Schumacher bateu forte, o que motivou a entrada do Safety Car.

Isso levou alguns pilotos a aproveitar e parar para fazer a troca de pneus, como a dupla da Mercedes e Lando Norris. Verstappen achou que tinha sido muito atrasado por Bottas, então decidiu ficar em pista, assumindo a liderança.

Só que os danos na barreira eram demasiados e levou a uma bandeira vermelha. A vantagem estava agora do lado do neerlandês. O recomeço foi caótico. Hamilton arrancou melhor, mas Verstappen, para não ceder a posição, cortou a curva, o que levou o britânico a ações evasivas, o que o faria perder uma posição para Ocon. Atrás, um ligeiro toque de Leclerc em Perez levou o Red Bull às barreiras e Mazepin foi contra a traseira de Russell. Mais uma bandeira vermelha.

Max estava na frente, mas uma vez que tinha cortado a curva, teria de ceder posição. Então a direção de corrida sugeriu que o neerlandês arrancasse atrás de Hamilton. No terceiro arranque da noite o ainda campeão do Mundo arrancou bem, tentou segurar a posição a Ocon, mas deixou-se passar por Verstappen. Hamilton caiu para trás de Ocon, mas passou-o na volta seguinte.

Agora era luta em pista pelos pretendentes ao título. Era também uma luta de estratégias, com o Red Bull a ter pneus médios, enquanto o Mercedes tinha os duros. Enquanto isso muitos destroços na pista iam fazendo surgir alguns Virtual Safety Car, o que poderia ajudar os pneus menos duradouros montados no Red Bull. Mas quando a corrida recomeçou o Mercedes parecia mais eficaz.

Foi então o momento que Hamilton aproveitou para tentar ultrapassar Verstappen, com o neerlandês a defender-se de uma forma muito agressiva, cortando, outra vez, a curva, obrigando os dois a sair de pista.

A equipa deu ordem a Verstappen para deixar passar Hamilton, mas para fazer isso sem perder o britânico de pista, decidiu fazê-lo na reta, numa manobra duvidosa. Hamilton, que não sabia o que se estava a passar, e não queria ir para aquela fase da pista e dar DRS ao rival, também travou. Com esta confusão Hamilton bateu na traseira do Red Bull, mas felizmente sem males maiores para nenhum dos dois.

A confusão estava instalada e uma vez que não houve devolução da posição, Max foi penalizado em cinco segundos por ter cortado a curva.

Foi aí que o piloto da Red Bull tentou novamente ceder a posição, num bom local, porque voltou a passar o adversário quase imediatamente, mas isso já não faria ele perder a penalização. A luta em pista continuava, mas o andamento do Red Bull ia perdendo eficácia, e na volta 44, o britânico da Mercedes fez uma ultrapassagem musculada, para apimentar ainda mais o clima.

A partir daí não houve mais incidentes, com Hamilton a ir, sem problemas, rumo à sua 103ª vitória na F1. Verstappen ficou em segundo, e levou mais 10 segundos de penalização pelo incidente onde travou para ceder o lugar a Hamilton.

A manobra foi considerada perigosa pelos comissários e apesar de tudo o piloto da Red Bull devia sentir-se felizardo por ter escapado apenas com essa penalização. Com isto vamos ter a última corrida do ano a ser disputada com igualdade pontual no topo da classificação, algo que não acontecia desde 1974, quando Emerson Fittipaldi venceu o título de Campeão para a McLaren.

Espera-se um final de temporada com bastante emoção, mas que tenha pouca polémica e que seja uma luta justa e limpa em pista pelo campeão do Mundo de F1 de 2021.

GRANDE PRÉMIO DA ARÁBIA SAUDITA

CAMPEONATO DO MUNDO DE PILOTOS

CAMPEONATO DO MUNDO DE CONSTRUTORES

destaque-scaled.jpg?fit=1200%2C781&ssl=1
Luís PereiraNovembro 22, 20213min0

Lewis Hamilton dominou o GP do Qatar e conseguiu aproximar-se de Max Verstappen na luta pelo título, naquela que foi a penúltima corrida desta temporada formidável de Fórmula 1. O piloto britânico continuou a demonstrar o fabuloso andamento que já tinha apresentado no Brasil, e dominou a corrida de forma clara, que começou a mostrar o seu domínio logo no início, arrancando da pole sem oposição, realizando uma soberba qualificação em que deixou todos os seus adversários a cair por terrra. Gasly e Alonso arrancaram atrás de Hamilton, mas cedo se viram a ter de lutar para defender as posições de Verstappen.

O piloto holandês ainda esperava conseguir mais do que um lugar no pódio, mas o andamento de Hamilton estava a ser simplesmente demasiado alto e nada que o piloto da Red Bull tentasse era suficiente para ameaçar o piloto britânico, tendo até estado longe do 1º lugar em termos de tempos.  Apesar de não se ter conseguido aproximar-se de Hamilton, Verstappen conseguiu minimizar estragos, não só por ficar em segundo lugar, mas também por ainda ter conseguido fazer a volta mais rápida, ganhando um ponto extra.

Em terceiro lugar ficou Fernando Alonso. O espanhol está de volta aos pódios na F1, coisa que não acontecia desde 2014, na altura ainda piloto da Ferrari, realizando no Qatar uma grande corrida, gerindo de forma fantástica o ritmo e os pneus, parando apenas uma vez, com toda aquela atitude normal e própria de um dos campeões do Mundo ainda em pista na F1.

Para ficar no pódio o espanhol ainda aguentou um ataque de Sérgio Pérez, sem que o mexicano tivesse tido hipótese de lutar pelo 3º lugar, já porque no final houve algum drama, motivado por falhas nos pneus de alguns pilotos, o que provocou um Virtual Safety Car no final da corrida. Lembrar ainda que Valteri Bottas seguiu em 3º lugar até à 33ª volta, altura em que o seu pneu esquerdo da frente arrebentou, forçando-o a perder vários lugares e a energia necessária para continuar a lutar por um lugar mais alto na classificação.

Em relação aos top-5, Ocon ficou em quinto lugar, a completar aquilo que foi um ótimo resultado para a Alpine.

Lewis Hamilton é que ficou contente por ter conseguido não só a vitória, mas também pela nova competitividade da Mercedes, que parece ser o carro mais rápido atualmente. Com este resultado a luta pelo título deve ir mesmo até à última corrida, esperando-se agora uma resposta da Red Bull nas duas corridas que restam.

GRANDE PRÉMIO DO QATAR

CAMPEONATO DO MUNDO DE PILOTOS

CAMPEONATO DO MUNDO DE CONSTRUTORES

destaque.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1
Luís PereiraOutubro 10, 20213min0

Valteri Bottas venceu o GP da Turquia, mas quem ficou a sorrir foi Max Verstappen, já que a a classificação final proporcionou o retorno à liderança do Campeonato Mundial de pilotos ao neerlandês, com apenas alguns pontos de vantagem… mas o que se passou mesmo durante este fim-de-semana de prova? Bem, Bottas largou do primeiro lugar da grelha, depois do seu companheiro, Lewis Hamilton, ter cumprido penalização por troca de componentes do motor, já que foi o britânico a terminar em 1º na qualificação.

A corrida ocorreu em condições de pista molhada, mas sem muitos incidentes, uma vez que a chuva não foi muito forte, nem teve períodos de cadência alta. Uma vez que as condições se mantinham constantemente em piso molhado, sem piorar, os pilotos mantinham-se em pista com pneus intermédios e a tentar descobrir qual seria o melhor momento para parar.

Para o finlandês foi uma corrida simples, em que de uma forma madura e calma, foi gerindo as emoções e voltas, sem dar hipótese a ninguém, naquilo que foi uma vitória justa para o experiente piloto, que fez tudo o que precisava para chegar à primeira vitória do ano.

Mas pode-se dizer que o outro grande vencedor do dia foi Max Verstappen. O piloto da Red Bull ficou no segundo lugar e voltou à liderança do campeonato, como já referimos. Numa pista onde a Mercedes tinha mostrado andamento superior, o neerlandês tinha de garantir que iria ganhar pontos ao sete vezes campeão Mundial. E foi exatamente isso que fez.

Para a Red Bull foi um ótimo resultado, com Perez a fechar o pódio, tendo assim ambos os pilotos chegado ao pódio. Leclerc ainda tentou lutar pelos lugares cimeiros, mas teve de se contentar com o quarto posto, numa corrida onde a Ferrari mostrou ótimo andamento.

Lewis Hamilton ficou em quinto, nada satisfeito com a estratégia da equipa. Depois de ter arrancado na 11ª posição da grelha, o britânico lutava para tentar chegar ao pódio, no qual chegou a estar muito perto de chegar. A ideia do piloto britânico passava por não parar para trocar de pneus, mas a Mercedes decidiu que era melhor ir às boxes para uma troca. O resultado dessa decisão, significou que Hamilton ficaria apenas no top 5 e fora do pódio, perdendo a liderança do campeonato, estando agora atrás de Max Verstappen, com Valterri Bottas a aproximar-se.

Em sexto ficou Pierre Gasly (que curiosamente manteve os mesmos pneus do princípio ao fim da prova), na frente de Norris, num fim de semana pouco competitivo da McLaren. Quem teve um fim de semana de alta qualidade foi Sainz, que não ficou mais à frente na classificação por uma má paragem da Ferrari.

O campeonato continua ao rubro e ainda não se consegue prever quem terminará por cima.

GRANDE PRÉMIO DA TURQUIA

CAMPEONATO DO MUNDO DE PILOTOS

CAMPEONATO DO MUNDO DE CONSTRUTORES

destaque-scaled.jpg?fit=1200%2C768&ssl=1
Luís PereiraSetembro 6, 20213min0

Max Verstappen dominou o Grande Prémio dos Países Baixos, vencendo pela primeira vez em “casa”. Foi uma enorme festa para os muitos neerlandeses presentes nas bancadas do circuito de Zandvoort, ainda para mais, na primeira vitória de um em solo caseiro. O piloto da Red Bull, que arrancou da pole, conseguiu ter resposta para todas as estratégias que a Mercedes tinha.

A Mercedes arrancava com ambos os pilotos atrás de Verstappen, então pensou em dividir estratégias para tentar chegar à vitória. Hamilton seria o principal perseguidor, com Bottas a ir mais longo e tentar aguentar Verstappen atrás. Em teoria seria uma estratégia que até poderia funcionar, se bem executada, mas o problema era a velocidade do Red Bull e do piloto da casa.

Lewis Hamilton bem tentava manter-se perto, mas sem sucesso, então tentaram parar mais cedo, para ganhar posição em pista, já que é notoriamente difícil ultrapassar. Só que a paragem da Mercedes foi muito lenta e a da Red Bull muito rápida. Ficava a esperança depositada na capacidade de Bottas aguentar, com pneus mais gastos, enquanto Max Verstappen já circulava com pneus novos.

O holandês queria mesmo vencer em casa e a resistência do piloto finlandês da Mercedes pouco durou, com o neerlandês a passar facilmente por ele e a garantir assim o 1º lugar.

Com isto a expectativa da Mercedes ficava reservada numa nova tentativa em parar mais cedo do que a Red Bull, só que, mais uma vez, não funcionou, pois o ainda campeão do Mundo ficou atrás de Verstappen e teve até de parar novamente para pneus frescos, de modo a conseguir ganhar o ponto extra da volta mais rápida.

Com esta vitória, Max Verstappen volta à liderança do Campeonato do Mundo de pilotos e dá um grande golpe na moral da Mercedes. Hamilton sentiu que não tinha mais nada para dar e que ele e a Mercedes têm de ser mais rápidos na box e em pista se querem ser campeões.

Valteri Bottas ficou em terceiro, completando o pódio e fez o jogo de equipa que lhe foi pedido até que o finlandês fez a volta mais rápida a duas voltas do final, apesar dos pedidos para não o fazer, o que obrigou Hamilton à tal última paragem.

Em quarto ficou Pierre Gasly, numa corrida solitária e bem sólida. Charles Leclerc ficou em quinto, numa boa corrida para a Ferrari, à frente de Alonso, que foi dos poucos a conseguir ganhar lugares em pista. Sainz ficou em sétimo, na frente de Perez, que, apesar de arrancar da pit lane, conseguiu chegar aos pontos. A fechar os pontos ficaram Ocon e Norris.

A próxima corrida é já esta semana, em Monza, onde se espera mais um duelo entre Verstappen e Hamilton.

GRANDE PRÉMIO DOS PAÍSES BAIXOS

CAMPEONATO DO MUNDO DE PILOTOS

CAMPEONATO DO MUNDO DE CONSTRUTORES


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS