Arquivo de ATP Halle - Fair Play

medvedev.png?fit=643%2C399&ssl=1
André Dias PereiraJunho 23, 20222min0

Mais difícil do que chegar ao topo é manter-se por lá. Esta é uma daquelas verdades intemporais. Que o diga Daniil Medvedev. O russo é, sem sombra de dúvidas, um dos mais talentosos da sua geração. É consistente, tem um bom jogo de serviço, é forte no fundo do court, mas também na chegada à rede, e tem uma invejável força mental. Desde 2018 já venceu 13 títulos, entre eles o US Open (2021) e o Masters Final (2020).

Mas desde o título alcançado em Nova Iorque não mais voltou a erguer troféus. No domingo, Medvedev perdeu a final de Halle para Hubert Hurkackz (6-1, 6-4). Foi a quinta final perdida desde o último US Open. As outras foram Paris-Bercy, Masters Finals, Australian Open e Den Bosch.

O russo segue, ainda assim, como número 1 do mundo. Medvedev soma 8160 pontos e Zverev, segundo classificado, tem 7030. Djokovic fecha o pódio com 6770.

Não é de hoje que o russo diz sentir pressão acrescida por ser número 1. Mas, por mais que uma ocasião, diz que isso o tem feito crescer e trabalhar mais. Certo é que essa intermitência não era tão previsível assim, já que era conhecido pela sua regularidade. Desde 10 de Maio de 2021 que é top-2 e em 28 de Fevereiro deste ano chegou ao topo da hierarquia. Desde então, já caiu e já regressou à liderança, onde se mantém desde 13 de junho.

No mais, Medvedev será uma ausência garantida em Wimbledon, já que os jogadores russos e bielorrussos não poderão jogar.

Hurkacz vence quinto título em cinco finais

Na final de Halle, Medevedev caiu para Hubert Hurkacz. O polaco conquistou o quinto título em cinco finais jogadas na carreira. Esta foi a primeira na relva. As outras aconteceram todas em piso rápido. Aos 25 anos, Hurkacz volta ao top-10 mundial e volta a mostrar que é sempre um rival a ter em conta.

O polaco deixou para trás adversários como Maxime Cressy, Ugo Humbert, Felix Aliassime e Nick Kyrgios. O australiano foi, aliás, uma das grandes figuras do torneio, eliminando Stefanos Tsitsipas (7-6, 1-6, 6-3). Ainda assim, a grande sensação foi o alemão Oscar Otte. O número 37 do mundo foi semi-finalista, sendo eliminado por Medvedev (7-6 e 6-3). O alemão, 28 anos, nunca venceu qualquer troféu ATP, mas conseguiu em Halle um excelente registo após vencer Kecmanovic, Basilashvili e Khachanov.

coric.jpg?fit=770%2C433&ssl=1
André Dias PereiraJunho 25, 20182min0

Borna Coric conquistou, este domingo, o torneio de Halle. O triunfo do croata colocou um ponto final na sequência de vinte vitórias consecutivas de Roger Federer. O suíço cede, a partir desta segunda-feira, a liderança mundial para Rafa Nadal.

Aos 21 anos de idade, o croata conquista o seu segundo torneio ATP. O outro foi em 2017, em Marraquexe. Foram precisas mais de duas horas de jogo para Coric, 21º do ranking, vencer pelos parciais de 7-6 (8-6), 3-6 e 6-2.

Federer procurava a 99ª vitória em torneios na sua carreira, continua em busca do recorde de Jimmy Connors (109). Mas mais do que isso, só a vitória de Federer lhe interessava para manter a liderança mundial. O helvético vai chegar a Wimbledon como número 2 do mundo.

Coric, é, também, um dos mais proeminentes jogadores do circuito mundial. Em Portugal, foi dado a conhecer no Estoril Open. Esta foi, contudo, a sua primeira vitória sobre Federer. Antes, tinha ganho a Rafael Nadal e Andy Murray,

Para chegar à final, Coric deixou para trás jogadores como Alexanrer Zverev, Nikolov Basilashvili, Andrea Seppi e Roberto Bautista Agut.

Coric, campeão juvenil em 2013

Coric chegou ao profissionalismo em 2014, depois de ter vencido o US Open, como juvenil, em 2013. O adversário foi Thanasi Kokkinakis. O ano de 2018 está a ser, para já, o melhor da sua carreira. Para além do título de Halle, foi pela primeira vez semi-finalista num torneio ATP 1000. Foi em Indian Wells, sendo eliminado precisamente por Federer. Também ajudou a Croácia avançar na Davis Cup, derrotando Vasek Popisil e Denis Shapovalov.

O seu estilo de jogo defensivo, na linha ou junto da rede, bem como a forma como se move em campo, aliado a um jogo de serviço consistente, tornam-no em um jogador interessante de acompanhar. Um nome a reter em Wimbledon, que arranca a 2 de Julho.

 

Foi assim que Borna Coric venceu Roger Federer


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS