Um dérbi de líderes no andebol: antevisão ao Sporting CP vs SL Benfica

Fair PlayNovembro 12, 20216min0

Um dérbi de líderes no andebol: antevisão ao Sporting CP vs SL Benfica

Fair PlayNovembro 12, 20216min0
Primeiro dérbi do Campeonato Nacional de andebol entre Sporting CP e SL Benfica, com análise conjunta sobre quem tem vantagem para este encontro

O Sport Lisboa e Benfica chega a este encontro líder do Campeonato Placard Andebol 1, juntamente com o Futebol Clube do Porto e o Sporting Clube de Portugal. Donos de 24 pontos em 8 jogos, tal e qual como os seus rivais diretos. Sábado, seja ele qual for o cenário, a liderança (dificilmente) será partilhada a três, nesta análise de Bernardo Galante e Tiago Botelho.

Águias com um arranque de época fulgurante

A turma orientada por Chema Rodríguez vem numa série de 11 vitórias consecutivas, destacando-se alguns adversários europeus, tais como: Chekhovskiye Medvedi, TBV Lemgo ou Rhein-Neckar Lowen.

Na EHF European League de andebol, o Benfica lidera o Grupo B com liderança partilhada com os dinamarqueses do GOG, fruto de 2 vitórias em outros tantos jogos. O grupo é ainda composto pelo HBC Nantes (FRA), TBV Lemgo (ALE), Riihimaen Cocks (FIN) e o Chekhovskiye Medvedi (RUS).

Com 503 golos marcados e 390 sofridos, as águias apresentam com um saldo bastante positivo, abrangendo todas as competições (tanto nacionais como europeias). As águias somam apenas uma derrota e um ponto com os leões: ambas foram derrotadas pelo FC Porto, na FinalFour da Supertaça Portuguesa de andebol.

A nível interno, os encarnados possuem 287 golos marcados e 196 golos sofridos. A nível ofensivo, os golos são repartidos por um vasto leque de jogadores: Petar Djordjic (32), Ole Rahmel (29), Jonas Kallman (26), Francisco Pereira (24), Demis Grigoras e Arnau Garcia (23) e Alexis Borges (22). Os restantes membros do plantel possuem 20 ou menos golos da sua autoria, exceto o guarda redes português, Gustavo Capdeville.

SL Benfica no minimalista (quadro tático) 40×20

Depois desta paragem para compromissos com as seleções nacionais, o SL Benfica apresentar-se-á praticamente na máxima força, somente, faltando a presença de Mahamadou Keita – o atleta sofreu uma rotura tendinosa do músculo reto anterior da coxa direita e é baixa de 14 a 16 semanas, devido à necessidade de ser submetido a uma intervenção cirúrgica de correção.

Ofensivamente, Chema Rodríguez deverá apresentar Jonas Kallman na ponta-esquerda, Ole Rahmel na ponta-direita, seguindo-se de Petar Djordjic (Lateral-esquerdo), Lazar Kukic (Central) e Demis Grigoras (Lateral-direito) compondo a primeira-linha. Alexis Borges deverá ser o titular na posição de pivot.

Defensivamente, deverá dar-se a saída de Lazar Kukic ou de Petar Djordjic, dando lugar a Rogério Moraes, de modo a fazer dupla no bloco central com Alexis Borges. A nível defensivo, os comandados de Chema, certamente se irão apresentar num 6:0 profundo e agressivo com um bloco central bastante robusto formado por dois jogadores de nível mundial – Alexis Borges e Rogério Moraes. Demis Grigoras deverá ficar a defender na sua lateral, tal como Ole Rahmel deverá tentar explorar o contra-ataque encarnado a partir da sua ponta, enquanto Jonas Kallman deverá saltar para a lateral-esquerda. Kukic ou Djordjic deverão fazer a posição do ponta sueco.

O que esperar dos leões na Luz?

Em 14 jogos oficiais nesta época de andebol, o Sporting ganhou 13 e perdeu apenas 1 – a final da Supertaça frente ao FC Porto. Nas competições europeias, o Sporting lidera o grupo D, em igualdade pontual com o AEK de Atenas, após duas vitórias em dois jogos, frente aos suíços do Kadetten Schaffhausen e aos húngaros do Grundfos Tatabanya. Com 66 golos marcados e 51 sofridos, o Sporting apresenta o melhor ataque e a 2ª melhor defesa do grupo.

No Campeonato Placard Andebol 1, o Sporting encontra-se em 3º lugar, mas em igualdade pontual com o 2º e 1º classificado, Porto e Benfica, respetivamente. 295 golos marcados (melhor ataque da prova) e 208 golos sofridos (apenas a 9ª melhor defesa), em 8 jogos, mostram bem a força do ataque da turma verde e branca. E aqui, reside a sua grande força, a meu ver.

O Sporting de Ricardo Costa é muito diferente do Sporting de Rui Silva. Mais rápido e dinâmico, com muitas saídas para o contra-ataque e rápidas transições defesa-ataque, o Sporting procura sempre que possível surpreender, imprimindo velocidade no jogo, tentando também aproveitar a habitual desorganização defensiva adversária, na transição defesa-ataque.

A entrada de Natán Suarez na equipa verde e branca veio transformar o jogo ofensivo dos leões. Com capacidade de coordenar, desequilibrar no 1×1 e de finalizar aos 6 metros, o espanhol é um jogador fundamental na manobra ofensiva. É o típico caso do jogador que torna aqueles à sua volta melhores.

O alemão Jens Schongarth parece mais integrado e assertivo no ataque, Francisco Tavares está a afirmar-se cada vez mais e Salvador Salvador está a transformar-se numa referência na lateral esquerda (estes dois últimos foram chamados recentemente aos trabalhos da selecção nacional). Há ainda Kiko Costa que, tem ganho minutos e transformado a lateral direita do Sporting, a experiência de Carlos Ruesga, os passes de André José, o regressado de lesão, Martim Costa, os tiros de Edmilson Araújo, os contra ataques dos pontas Gassama e Folqués, a técnica e boa leitura de jogo de Tidemand e ainda, Erekle Arsenashvili que, tem crescido a olhos vistos, não só fisicamente, como também taticamente.

O ataque dos leões parece bem oleado, com várias soluções à disposição de Ricardo Costa.

Onde pode estar a chave do jogo frente ao Benfica?

O Benfica tem-se mostrado muito sólido defensivamente e ofensivamente, têm tido soluções para quase tudo o que lhes têm surgido à frente. A chave para o Sporting ganhar este jogo, estará, a meu ver, na sua defesa!

No plano teórico o Benfica não tem muitos pontos fracos. Defensivamente Alexis Borges e Rogério Moraes fecham a zona central, com a ajuda de Kallman e por vezes Arnau Garcia e ofensivamente, não só o ataque ganhou mais um atirador de primeira linha muito competente (Grigoras), como também viu crescer a importância de Ole Rahmel, sobretudo nos jogos grandes, onde tem sido quase sempre um dos melhores marcadores.

Defender bem a 1ª linha, saindo dos 6 metros, impactando e obrigando a recomeçar os movimentos ofensivos, tentar cortar a ligação ao pivô e ao ponta direito alemão, parece-me uma boa estratégia para conseguir parar o momento atacante dos encarnados e tentar facturar alguns golos em contra-ataque. Fundamental será também as prestações dos guarda-redes sportinguistas, Manuel Gaspar, Matevz Skok e Yassine Belkaid. Este dérbie será um jogo muito desgastante para os pivôs Tidemand e Erekle, por isso pede-se muita entreajuda, atitude e concentração durante os 60 minutos.

Ofensivamente, o Sporting deve tentar sempre que possível o contra-ataque e explorar as rápidas transições defesa-ataque, atacar os piores defensores do Benfica, nomeadamente Grigoras, Djordjic e sobretudo, Paulo Moreno, sem nunca esquecer as pontas, no ataque em meio-campo. Furar pelo meio do bloco central, ou conseguir remates de 1ª linha na zona central, parece-me difícil, mas não impossível…

O SL Benfica vs Sporting CP, acontecerá no próximo sábado (13/11) pelas 16h00, no Pavilhão Nº2 da Luz, a contar para a 9ª Jornada do Campeonato Placard Andebol 1. Independentemente de todos os dados, derby é e, será sempre, um derby. E estes encontros não têm favoritos.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter