Top 7 mitos do rugby que precisam ser desfeitos

Fair PlayMaio 14, 20204min0

Top 7 mitos do rugby que precisam ser desfeitos

Fair PlayMaio 14, 20204min0
Foi Web Ellis o criador do rugby ou não? Este é um dos mitos que são analisados e esclarecidos neste artigo de Victor Ramalho!

Vamos quebrar alguns mitos do esporte? Algumas ideias que circulam “por aí” mas que não são corretas sobre o rugby.

7 – O rugby era jogado com bola redonda?

Mais ou menos.

Até 1892, não havia um formato de bola definido nas Leis do Rugby. Uma bola redonda poderia ser utilizada, mas também eram usadas bolas ovaladas.

6 – Rugby tinha goleiro/guarda-redes?

Mais ou menos.

Nas primeiras formas do rugby, alguns jogadores se posicionavam na linha de meta (na linha do in-goal) para impedirem tries ou tentarem bloquear chutes. Porém, nunca houve nas regras escritas do rugby uma posição de goleiro diferenciada e não havia “cobrança de pênalti” semelhante à do futebol com um goleiro posicionado.

Nas regras de 1862, já havia a necessidade da bola passar acima de uma trave e o impedimento de que um atleta se posicionasse como goleiro.

5 – As Seleções Brasileiras são profissionais?

Mais ou menos.

Não é possível realmente chamar o rugby brasileiro de profissional, pois é preciso equipes que tenham contratos de trabalho em período integral com seus atletas para que possa se falar em profissionalismo. Bolsas não caracterizam profissionalismo. O mais correto seria falar em semi-profissionalismo no Brasil: atletas recebem dinheiro e alguns têm na atividade de jogadores a única renda, mas alguns exercem outras atividades e o sistema e os contratos não são profissionais ao pé da letra.

4 – O rugby é o 2º maior esporte do mundo?

NÃO

Abaixo do futebol, vários esportes dizem serem o “2º maior”. Esportes individuais, como atletismo, natação, ciclismo, tênis e lutas reclamam o título – e com razão, porque correr, nadar ou andar de bicicleta certamente é mais comum que jogar rugby.

Entre os esportes coletivos, em equipe, há também vários outros esportes, como basquete ou críquete, que têm mais praticantes e ligas com muito mais dinheiro e espectadores.

A lenda de que o rugby é o segundo maior vem do fato da Copa do Mundo de Rugby ser muito grande. Mas ter um Mundial grande e ser o segundo maior de todos os esportes são coisas bem distintas…

3 – Rugby nasceu do futebol?

NÃO

O rugby é anterior ao futebol. Na Inglaterra do início do século XIX havia muitas formas diferentes de se jogar football, nome genérico para certos jogos com bola. Cada escola e universidade tinha regras diferentes. A escola de Rugby foi a primeira a escrever suas regras, em 1845. Por isso, o rugby é conhecido como Rugby Football.

O Association Football, o futebol da bola redonda, nasceu em 1863, como uma tentativa de se unificar todas as regras, mas o rugby não aderiu ao movimento.

2 – Webb Ellis criou o rugby?

NÃO

A lenda de William Webb Ellis fala em um garoto que teria pego uma bola em um jogo de football em 1823 e quebrado as regras. Em 1823, NÃO existia ainda o futebol. E as regras usadas nos jogos eram orais, isto é, não eram escritas e podiam mudar com a vontade dos praticantes. A lenda de Webb Ellis foi inventada muitas décadas depois e ele próprio morreu sem saber que viraria um mito fundador do esporte.

A data verdadeira de criação do rugby é 1845, com as primeiras regras escritas.

1 – Charles Miller trouxe o rugby para o Brasil?

NÃO

Charles Miller não foi o primeiro a jogar rugby no Brasil. O primeiro clube fundado no país, que há documentação, foi o Clube Brasileiro de Futebol Rugby, fundado no Rio de Janeiro em 1891 (antes de Miller voltar da Inglaterra e chegar a São Paulo).

Em terras paulistas, Miller organizou as primeiras partidas no SPAC ainda nos últimos anos do século XIX, mas o rugby não teve continuidade na cidade. Somente a partir dos anos 20 que o rugby vai se tornar um esporte regularmente praticado.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter