E ninguém para Mark Williams

Xavier OliveiraAgosto 15, 20182min0

E ninguém para Mark Williams

Xavier OliveiraAgosto 15, 20182min0
Foi em Yushan, na China, que se jogou o World Open, com uma final a ser disputada entre o surpreendente David Gilbert e Mark WIlliams. O campeão do mundo em título venceu e convenceu, vencendo assim o seu primeiro título da temporada, que não poderia começar da melhor maneira.

Foi em Yushan, na China, que se jogou o World Open, com uma final a ser disputada entre o surpreendente David Gilbert e Mark WIlliams. O campeão do mundo em título venceu e convenceu, vencendo assim o seu primeiro título da temporada, que não poderia começar da melhor maneira.

A hecatombe dos favoritos

Com uma primeira ronda onde os favoritos acabaram por passar todos sem grande sobressalto, foi na segunda e na terceira ronda que alguns destes acabaram por vacilar. Começou logo pelo homem da casa, Ding Junhui, que caiu aos pés de Robert Milkins por 5-4. Também Neil Robertson não fez melhor frente a Ricky Walden, perdendo por 5-3. Seguiram-se Luca Brecel, Judd Trump, Yan Bingtao e Mark Allen, para terminar a hecatombe dos melhores à corrida do título. Sendo que na terceira ronda , foi Selby a cair aos pés do tailandês Noppon Saengkham por 5-4.

O aviso de Williams aos adversários

Chegado os quartos-de-final, o alinhamento foi o seguinte: Mark Williams vs Jack Lisowski; Marco Fu vs David Gilbert; Noppon Saengkham vs Xiao Guodong e Barry Hawkins vs Gary Wilson. No último destes encontros, Hawkins saiu por cima por 5-3 frente ao seu compatriota. David Gilbert deixou pelo caminho de forma surpreendente o asiático Marco Fu por 5-3.

No encontro digno de cartaz, o que opôs Jack Lisowski e Mark Williams, o campeão do mundo em título venceu o finalista do Riga Open desta temporada por 5-3. Já o tailandês Noppon Saengkham venceu o último resitente chinês em prova, Xiao Guodong, por 5-1.

“O homem de quem se fala”, Mark Williams

Nas meias-finais David Gilbert continuou a sua caminhada imperial, deixando pelo caminho mais um favorito ao titulo, desta feita bateu Hawkins por 6-4. Já na outra meia-final, tendo estado praticamente fora de cena, eis que o veterano galês ressurgiu em grande para deixar pelo caminho Noppon Saengkham por 6-5.

Numa final onde o favorito parecia claro à partida, foi com alguma surpresa que Gilbert chegou ao intervalo a vencer por 5-4. Surpresa essa que se iria acentuar, com o inglês a colocar-se na frente do marcador por 9-5. E quando tudo fazia crer que o inglês iria vencer o seu primeiro major, foi aí que mais uma vez a experiência de Williams veio ao de cima para vencer a final por 10-9, resgatando aquele que poderá ser o primeiro de muitos títulos da época.

David Gilbert durante a final do World Open (Fonte: Facebook World Snooker)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter