SR AU 10ª Jor: Rebels nas meias-finas contra uns Super Reds!

Francisco IsaacSetembro 5, 20206min0

SR AU 10ª Jor: Rebels nas meias-finas contra uns Super Reds!

Francisco IsaacSetembro 5, 20206min0
E está decidido contra quem os Reds vão jogar a meia-final do Super Rugby AU 2020: Rebels! A formação de Melbourne resgatou a vitória e apuramento perto do apito final e chegam assim pela 1ª vez a uma fase final

Queriam emoção, espectáculo e imprevisibilidade? Então esta 10ª e última jornada da fase regular do Super Rugby AU teve todos esses elementos e muito mais, oferecendo dois jogos de grande categoria com os Rebels a conquistarem a sua primeira ida a uma meia-final de uma competição e os Reds a lançarem um sério aviso aos seus adversários!

Os destaques de mais uma ronda da competição australiana das franquias do Super Rugby

UP’S: A LIÇÃO NO BREAKDOWN DOS REDS E A FORÇA DE NÃO DESISTIR DOS FORCE

Fraser McReight merece vénias e uma ovação de pé pelo jogo extraordinário que realizou em redor dos rucks, no breakdown, no ataque aos mauls ou entradas curtas dos Brumbies e muito mais! O asa dos Queensland Reds foi um autêntico estafermo para os Brumbies, arrancando quatro turnovers que lançaram jogadas de contra-ataque da sua equipa ou pararam por completo acções ofensivas dos seus adversários quando estes se aproximavam perigosamente da linha de ensaio, compondo uma terceira-linha monstruosa com Liam Wright (o melhor placador da jornada, com 14 encaixes efectivos no adversário, três dos quais de forma dominante) e Harry Wilson (um líder a comandar a formação-ordenada e um bulldozer com a bola em seu poder).

Os Reds podem ter acabado com menos 100 metros de posse de bola, com uma percentagem de placagens eficazes inferior (83% contra 87% dos Brumbies) mas para quem viu o jogo não consegue dizer que não mereceram a vitória, tanto pelo virtuosismo quando saem a jogar, dando-se ao luxo de meter um formação à ponta sem a equipa perder qualquer pitada de qualidade, ou pelo aspecto defensivo, pondo fim a diversas situações de perigo de ensaio iminente quer pela força de uma placagem bem armada ou por se lançarem à bola no chão no momento exacto. A continuar nesta forma física, com foco e concentração igual e sem entrarem em pânico quando o adversário consegue passar a linha de defesa, vão ser um claro candidato ao título do Super Rugby AU e a derrota imposta aos Brumbies atesta exactamente esse pormenor.

Sem piada seca de propositada, a força com que a Western Force tentou estragar a festa dos Melbourne Rebels terá de ser relembrada quando for altura de perceber ou não se a franquia de Perth pode continuar a jogar nesta competição regional das franquias australianas do Super Rugby. Fizeram 3 pontos na tabela geral, rapidamente foram eliminados de chegar sequer à meia-final, mas em abono da verdade quem esperava que os Rebels só conseguiriam festejar a vitória a meros segundos para o apito final do encontro?

Podem não ser espectaculares ou consistentes nas manobras de jogo, mostrando alguma inexperiência no controlo da oval ou sem a categoria física para aguentar um jogo inteiro na mesma intensidade (ou, pelo menos similar), mas a verdade é que se agigantaram neste último encontro, forçando erros sucessivos da defesa dos Rebels, arriscando mudanças repentinas de sentido de jogo para tentar um gap e encaixando com toda a força no embate físico, nunca ficando atrás de um adversário que tem um investimento e experiência superior. Dêem uma franca oportunidade à Western Force, porque mesmo com os falsos-lirismos do seu CEO, a verdade é que tem um ADN essencial para o rugby australiano e, porque não, o Mundo da bola oval!

Um dos grandes ensaios da vitória dos Reds (00:29)

DOWN’S: PERDER OCASIÕES NA LINHA DE ENSAIO, UM PROBLEMA DOS BRUMBIES

Preocupante a maneira como os Brumbies perderam repetidamente o controlo da oval quando assaltavam os últimos metros dos Reds, com pelo menos quatro situações de ensaio a “desaparecerem” quer devido a um franco mau handling ou à falta de segurança oferecida ao portador da bola, deixando o exposto às mãos de Fraser McReight, Angus Blyth ou Harry Wilson, os três principais predadores do lado da formação dos Reds neste encontro.

O elenco de Canberra montou boas fases à mão, atingindo uma média de 10 fases na 2ª parte, avançando com lucidez no terreno para depois chegar aos últimos metros e cair no erro de enveredar para um estilo mais atabalhoado e que só serviu para dar oxigénio à defesa contrária, que pacientemente esperou pelo melhor momento para atacar o portador da bola e forçar um erro (por três ocasiões a bola saiu disparada das mãos de um dos jogadores dos Brumbies) ou arrancar a oval do chão.

Para aquela que é a melhor equipa da fase regular, o tratamento dado à oval quando importava foi frágil, inconsistente e perdulário, lançando alguma pressão para a equipa que jogará a final no seu próprio estádio daqui a 15 dias, sendo essencial que os Brumbies regressem ao seu melhor no jogo mais importante da temporada.

OS ASES DA JORNADA: DANE HAYLETT-PETTY, JONO LANCE, FILIPO DAUGUNU E TOM BANKS

Haylett-Petty foi um dos abre-latas dos Rebels na vitória difícil ante a Western Force, completando 90 metros de conquista, 3 defesas batidos, 1 quebra-de-linha e 1 ensaio, tentando organizar a defesa dos Rebels como podia, especialmente na disposição dos pontas.

O abertura da Western Force foi um dos elementos mais irascíveis da sua equipa, pegando não só na batuta de construir o ataque, mas também dele próprio procurar ferir os seus adversários sempre que podia com duas quebras-de-linha e quatro defesas batidos, em apenas 20 metros com a bola em seu poder.

Aquele offload de Daugunu terá de ficar para a história do encontro ante os Brumbies, já que depois de ter conseguido sprintar e fugido aos seus adversários, invocou um passe extraordinário que deixou tudo e todos de boca aberta. É um elemento que procura sempre criar o maior dano possível na equipa contrária, seja pelas contínuas quebras-de-linha ou tackle busts, sem esquecer a “fome” que tem ao fugir das pontas para o centro do terreno.

O defesa dos Brumbies, Tom Banks, voltou a ultrapassar os 100 metros com a bola em seu poder, iniciando algumas das melhores jogadas da sua equipa, impondo sempre aquele atletismo próprio dos velocistas australianos, sem esquecer a inteligência como faz uso do seu jogo ao pé.

OS NÚMEROS DA JORNADA

Mais pontos marcados: Matt To’omua (Rebels) – 14 pontos
Mais ensaios marcados: Andrew Ready (Force) – 2
Mais quebras-de-linha: Tom Wright (Brumbies) – 3
Mais placagens: Liam Wright (Reds) – 14 (14 efectivas)
Mais turnovers: Fraser McReight (Reds) – 4
Mais defesas batidos: Tom Banks (Brumbies) – 8
Melhor da Jornada: Fraser McReight (Reds)

O ensaio que selou a passagem dos Rebels (05:19)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter