O “sidestep” do CN1: Jaguares surpreendem candidato em jogo louco

Francisco IsaacJaneiro 14, 20206min0

O “sidestep” do CN1: Jaguares surpreendem candidato em jogo louco

Francisco IsaacJaneiro 14, 20206min0
Houve surpresa em Monsanto, com a equipa de Pedro Vital a manter o 4º lugar sob controlo apesar da aproximação do MRC Bairrada! Toda a análise da 11ª jornada do CN1

Se a luta do 1º lugar continua a ferro e fogo, então o que dizer do que se passa no 4ºlugar onde os Jaguares, MRC Bairrada, RC Santarém e Guimarães RUFC tentam garantir o acesso ao playoff de apuramento de campeão. A 11ª jornada analisada no Fair Play

BAIRRADA INTRANSPONÍVEL EM GUIMARÃES

Luís Supico tinha prometido um Bairrada defensivamente astuto e ágil em 2020 e a exibição rubricada na Pista Gémeos Castro confirmou essa afirmação do timoneiro do emblema de Anadia. O MRC Bairrada conquistou 5 pontos na visita ao Guimarães RUFC, mostrando um sistema defensivo pautado por alta intensidade e de grande pressão, forçando erros constantes na continuidade de jogo dos Bravos de Jeremias Soares. Mesmo com o melhor XV dentro de campo, a equipa da casa esteve longe do seu melhor tanto a nível de controlo de físico do adversário (nunca conseguiu fazer frente aos avançados da equipa adversária, cedendo inesperadamente no maul ou no trabalho junto ao ruck) ou de como contornar a estratégia defensiva do Bairrada, consentindo território e posse de bola.

Contudo, a vitória da Bairrada é justa e merecida, tanto pela exibição no que toca à placagem ou pressão na linha-ofensiva do Guimarães como pelo aproveitamento de oportunidades e conquista efectiva de metros no contacto (Diogo Rodrigues, Miguel Heleno e David Tribuna bastante bem neste aspecto). A vitória por 19-09 e os 4 pontos conquistados aproximam o emblema do Centro do 4º lugar, estando a apenas a 3 dos Jaguares.

BULLDOGS DEMOLEM GLADIADORES EM BRAGA

Jogo de pouca história em terras bracarenses, já que o CR São Miguel derrotou o Braga Rugby por esclarecedores 82-03, continuando na liderança do Campeonato Nacional 1 à passagem desta 11ª jornada. Gonçalo Miguel foi um dos atletas em melhor forma no encontro, não só pelos ensaios marcados mas pelos apontamentos técnicos polvilhados. Devan Brough, uma das novas aquisições dos bulldogs, estreou-se em grande no CN1 com dois ensaios, mostrando que as linhas atrasadas da formação lisboeta têm de ser encaradas como uma constante ameaça nesta divisão. O

Braga Rugby ressentiu-se das várias ausências neste jogo, caso de Tomás Fontes ou Maxence Peysson, e a situação começa a ser preocupante quando faltam apenas 7 jornadas para o fim da fase regular. A qualidade defensiva do Braga Rugby existe efectivamente, como se puderam ver pelas vitórias frente ao RV Moita ou RC Elvas na 1ª volta, mas o ataque continua a ter sérios problemas em conseguir encontrar formas de criar perigo no jogo aberto.

ELVAS EM RITMO DE MANUTENÇÃO

Foi impróprio para cardíacos os últimos 10 minutos de jogo do RC Elvas-RC Santarém, com a equipa da casa a arrancar os 4 pontos da vitória através de uma penalidade do formação João Bandeiras, depois de terem estado a perder por 11 pontos de diferença, isto na primeira parte. Ambas as formações tiveram bons momentos tanto a atacar como a defender, caso dos ensaios do Santarém onde Manuel Dentinho e Rafael Morales foram dois maestros nas linhas-de-corrida e criação de lances de ataque ou na postura incansável dos exímios placadores elvenses Francisco Pessoa ou Miguel Charréu que fecharam com excelência boas situações ofensivas dos cavaleiros.

O Elvas pareceu estar melhor no departamento físico, aguentando consistentemente até ao apito final, apesar do equilibrio que se sentiu durante a maior parte da 2ª parte. Matheus Daniel ainda tentou dar uma força-extra ao Santarém na posição de formação (uma estreia absoluta para o asa internacional pelo Brasil), sendo insuficiente para dar a volta ao resultado final. O 16-14 a favor da equipa alentejana afasta-os do penúltimo e último lugar desta divisão, e há todo um mérito na forma como os atletas do Elvas têm combatido jogo após jogo para garantir uma manutenção neste CN1.

André Churra, pilar do RC Elvas, respondeu a duas questões no pós-jogo,

Foi um jogo impróprio para quem estava na bancada, não foi? O que é que vocês sentiram dentro das quatro linhas durante todo o encontro?

Foi um jogo que poderia ter pendido para qualquer um dos lados, acabámos por não saber gerir bem a vantagem, acabando por sofrer sem necessidade.

Achas possível garantir a manutenção nesta temporada?

Não só acho possível como acho mesmo que a vamos conseguir. Estamos a crescer de jogo para jogo e creio que o nosso final de época pode ser uma boa surpresa!

ÉVORA MANTÉM A PERSEGUIÇÃO AO 1º LUGAR E “PELICANOS” APANHADOS EM VOO BAIXO PELOS JAGUARES

Como esperado, os eborenses de Miguel Avó receberam e derrotaram o RV Moita por 33-07, num jogo bem disputado mas dominado geralmente pelo elenco do CR Évora. Duarte Leal da Costa foi um bulldozer no ataque, desgastando a defesa contrária com entradas fisicamente intensas que iam forçando uma atitude defensiva mais fechada dos moitenses, bem aproveitada pela equipa da casa. Não podemos deixar de mencionar o calibre da capacidade técnica e física de António Fonseca, o nº8 que se aproxima do topo dos melhores marcadores deste campeonato, muito graças à forma como ganha metros nos piques ou saídas curtas.

O encontro mais animado e disputado deste 11ª jornada ficou para Domingo, com os Jaguares e Caldas Rugby Clube a oferecem excelentes momentos ao público que se deslocou ao campo nº2 do Complexo Desportivo do GD Direito. Guilherme Sampaio (dois ensaios e duas quebras-de-linha estonteantes), Oscar D’Amato (é quase impossível parar o centro na primeira tentativa de placagem, impondo um domínio físico total no adversário), Filipe Gil (agastado com algumas pequenas lesões, não deixa de ser um 3ª linha formidável no aproveitamento de oportunidades ou na postura defensiva) e Júnior Barbosa (a primeira grande exibição do nº8, com grandes entradas na defesa do Caldas, para além de uma placagem dura e bem trabalhada) foram os destaques deste 31-29 que podia até ter terminado caso o Caldas tivesse convertido uma penalidade aos 80 minutos.

O “LINEBREAKER” DA SEMANA

Gonçalo Miguel (CR São Miguel), Oscar D’Amato (Caldas RC) e Guilherme Sampaio (Jaguares). O ponta dos bulldogs foi uma constante ameaça para a defesa do Braga, ficando na retina os side steps e outros aspectos técnicos de corrida de qualidade; D’Amato foi um devorador de metros e mostrou-se essencial para a estratégia do Caldas RC, notando-se a sua ausência quando recebeu ordem de expulsão temporária; e o abertura dos Jaguares voltou a encher as medidas no jogo contínuo, montando boas situações ofensivas.

TRY FINISHERS E POINT SCORERS


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter