O “sidestep” do CN1: Alentejo, casa de jogos épicos na 6ª jornada!

Francisco IsaacNovembro 19, 20198min0

O “sidestep” do CN1: Alentejo, casa de jogos épicos na 6ª jornada!

Francisco IsaacNovembro 19, 20198min0
Foi um fim-de-semana que teve os dois lados da moeda com dois jogos carregados de pontos no Alentejo e outros mais fechados no litoral! A análise à 6ª jornada no Fair Play

Foi um fim-de-semana sem surpresas nos vencedores mas pautado por bons jogos, com destaque claro para o RC Elvas-Guimarães RUFC ou CR Évora-Jaguares, dois encontros que foram marcados por uma avalanche de ensaios e pontos.

A análise à 6ª Jornada no Fair Play

ELVAS PERTO DA SURPRESA MAS DEU GUIMARÃES NO FINAL

Foi quase um regresso a casa para os elvenses, que ainda não podendo jogar na sua verdadeira casa optaram por receber a formação do Guimarães RUFC no Alandroal em Évora, num encontro que teve bancada cheia e um fio contínuo de grandes emoções e grandes ensaios.

A formação vimaranense foi responsável por ensaios de ampla qualidade colectiva, procurando efectuar passes rápidos para forçar um esticar nocivo à defesa da equipa da casa, que em algumas ocasiões ficou demasiado presa, para o benefício dos visitantes. Sem Samuel Lemos a jogar, o Guimarães RUFC manteve uma linha de 3/4’s inteligente, móvel e sempre disponível para criar os desequilíbrios necessários para garantir uma boa situação de ensaio.

Contudo, e apesar da vitória por 40-29, é impossível não falar das melhorias sentidas na formação alentejana, com João Bandeiras a dar um autêntico show na posição de formação… rápido, genial nos sidesteps e sempre pronto para explorar novamente uma brecha defensiva, o 9 foi uma das razões pela melhoria significativa do Elvas no que toca ao ataque. Com o tempo, os elvenses vão mostrar que são capazes de surpreender neste Campeonato Nacional 1, até porque Francisco Paralta (antigo internacional português) voltou aos relvados e poderá dar uma ajuda significativa.

João Bandeiras, um dos melhores em campo deste encontro respondeu a duas questões nossas,

João não foi o resultado que queriam mas já apareceu um Elvas mais agressivo e com vontade de surpreender. O que tem mudado de semana para semana?

Somos uma equipa muito jovem, cheia de ambição e que está a lutar com tudo para obter os primeiros pontos. Sendo a primeira vez neste campeonato, jogo a jogo vai-se notando alguma “estaleca” assim dizendo na nossa equipa e acho que isso tem vindo a ser o fator chave semana após semana.

Fizeste um dos ensaios da jornada e tens te revelado ser um chutador de excelência… É demonstração que este Elvas tem muito talento nas suas fileiras? Aonde querem chegar?

Apesar da juventude da equipa, o valor está lá e o objetivo que nós temos para esta primeira época no CN1 é manter no melhor lugar possível claro, ter uma atitude sempre positiva e também elevar o nome de Elvas no rugby Nacional!

RAFAEL MORALES COMANDOU SANTARÉM À VITÓRIA

O Santarém depois de três derrotas consecutivas (Évora, Guimarães e Jaguares) regressou às vitórias, derrotando em casa o Braga Rugby por 35-10, num encontro de quase sentido único muito devido ao trabalho “pesado” dos avançados e das indicações de Rafael Morales, com o médio-de-abertura brasileiro a mostrar o porquê de ser considerado um dos melhores jogadores desta divisão.

Não foi o jogo mais espectacular em termos de jogadas ou movimentações para o Santarém, mas foi o suficiente para mostrar o porquê de serem um dos candidatos a lutar por um lugar no play-off de apuramento de campeão do CN1, com Manuel Campilho (mais uma boa exibição do n.º8), Manuel Inês e Francisco Silva a serem letais nas suas funções, garantindo metros, colocando adversários no chão na placagem e não só.

Do lado bracarense faltou mais confiança na condução de bola e ter paciência em certos momentos do jogo para conseguirem encurtar a diferença no marcador, apesar da reacção final em que deu direito a ensaio ao “suspeito” do costume, Tomás Fontes.

Para perceber qual era o estado de espírito do Santarém no final do encontro conversámos com Rafael Morales, autor de duas assistências e 15 pontos,

Rafael, jogo de total domínio do Santarém… sentiram que foi a vossa melhor exibição nas últimas semanas?

Sem duvidas foi nosso melhor jogo, conseguimos colocar nosso padrão de jogo em campo esse sábado, mas ainda temos que melhor muito.

O que falta a este Santarém para desafiar o top-3 de cima? Estão confiantes que vão apanhar o 4º lugar no fim desta primeira volta do CN1?

Santarém tem um time muito novo, com jogadores com poucas experiência, mas estamos trabalhando muito para nos organizar em campo, tanto no ataque como na defesa, conseguindo arrumar isso acho que conseguimos terminar a primeira parte pelo menos em quarto, e mais para frente entrar na briga para ficar em primeiro.

“PELICANOS” EFICAZES PERANTE UM BAIRRADA ERRÁTICO (MAS COM BONS PORMENORES)

Com muito frio mas sem chuva, o Bairrada recebeu no seu campo a formação do Caldas Rugby Clube, que apesar de só ter levado 18 jogadores a Anadia, conseguiu garantir uma boa vitória com ponto de bónus ofensivo, sendo o 24-08 um resultado justo para o que cada uma destas duas equipas fizeram. A equipa da casa até apresentou alguns detalhes técnicos e tácticos de elevada qualidade, mas faltou um seguir mais correcto do plano de jogo, oferecendo o “flanco” sempre que faziam algo fora do “guião” montado pela equipa técnica.

Já os “pelicanos” fizeram um jogo inteligente, frio e calculista, onde Oscar D’Amato foi essencial para abrir linhas de passe, para além de mais uma boa prestação de Alexandre Vieira como camisola 10 (o ensaio que ofereceu a Diogo Vasconcelos ao pé merece ser visto com atenção) ou de Tomás Jacinto, com o 8 a recuperar algumas bolas no breakdown. Foi um jogo exigente fisicamente, mas que o Caldas soube gerir e trabalhar no sentido de garantir 5 pontos essenciais para se manter na perseguição ao CR Évora e CR São Miguel, primeiro e segundo classificado respectivamente.

ÉVORA-JAGUARES COM QUASE 100 PONTOS E SÃO MIGUEL MANTÉM A MELHOR DEFESA

Foram 83 pontos marcados no total no jogo entre CR Évora-Jaguares, com os eborenses a saírem com a vitória, mostrando as duas equipas uma vontade constante de arriscar e ir atrás do ensaio… as linhas de defesa expuseram-se mais do que esperado, oferecendo constantes erros na cobertura defensiva ou na imposição de placagens efectivas (e agressivas) que pusessem fim a alguma situações de ataque.

Duarte Leal da Costa mostrou o porquê de ser um dos reis do “hattrick” no Campeonato Nacional 1, com um trio de belos ensaios recheados de velocidade e apoio ainda mais rápido. Os Jaguares apresentaram alguns problemas no bloco avançado, mas o seu sentimento de ambição e vontade de surpreender foram fundamentais para colocar alguma pressão nos eborenses, que só elevaram o resultado para 52-31 nos últimos 10 minutos.

Já no Campo do Gaio, Rugby Vila da Moita e CR São Miguel engajaram num combate físico que terminou com os “bulldogs” a somarem a vitória bonificada de forma justa e clara. A equipa moitense passou largos períodos de jogo “fechada” nos seus últimos 40 metros, batendo-se bem na placagem mas sem conseguir recuperar a bola no chão… contudo, a formação lisboeta aproveitou mal este domínio, com sucessivas perdas de bola na recepção e transmissão, dando espaço para que não se apresentasse um resultado mais dilatado no final dos 80 minutos.

Thomas Goyochea e Filipe Lemos foram responsáveis por duas exibições completas, com o pilar do São Miguel a mostrar-se como um placador duro, somando ainda duas assistências para ensaio no total.

O “LINE-BREAKER” DA SEMANA

Rafael Morales (RC Santarém), Duarte Leal da Costa (CR Évora) e Thomas Goyochea (CR São Miguel). O abertura dos “cavaleiros” foi um autêntico maestro de orquestra, montando bem as linhas de ataque, dando contornos ameaçadores às acções ofensivas dos escalabitanos. Duarte Leal da Costa foi responsável por três ensaios, muito devido ao seu virtuosismo e capacidade de acelerar no timing certo. E, por fim, o pilar argentino foi um dos jogadores mais seguros na vitória do São Miguel na Moita, sendo sem dúvida alguma um dos melhores avançados deste CN1.

TRY FINISHERS E POINT SCORERS


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter