Rugby World Cup 7’s 2018 – Competição masculina

João DuarteAgosto 2, 20184min0

Rugby World Cup 7’s 2018 – Competição masculina

João DuarteAgosto 2, 20184min0
A 7ª edição do mundial de sevens, realizou-se de 20 a 22 de julho, no estádio AT&T Park, em São Francisco, Estados Unidos. Um evento cheio de ação, magia e velocidade, que satisfez, mais uma vez, os amantes da variante de rugby de 7.

Depois de se ter colocado a hipótese de abolir a competição, devido à integração da variante como modalidade olímpica, eis que passados 5 anos da última edição, esta se realizou novamente.

Na competição masculina, tivemos uma ronda preliminar, com 16 equipas numa “pré-ronda de 16” a disputar a passagem à “ronda de 16” que por sua vez determinaria a qualificação para o Championship.

Pré-ronda de 16

Nesta pré-ronda não houve qualquer surpresa nos jogos disputados, com o Quénia, Canadá, França, País de Gales, Samoa, Rússia, Japão e Irlanda a vencerem e a qualificarem-se para a ronda de 16.

Já as equipas derrotadas, Tonga, Papua Nova Guiné, Jamaica, Zimbabué, Uganda, Hong Kong, Uruguai e Chile iriam disputar a Bowl.

Ronda de 16

Nesta fase da competição, o nível competitivo começava a ser mais exigente.

No primeiro jogo desta fase, o Quénia entrou melhor e foi a vencer por 14-0 para o intervalo frente à Escócia. Mas na segunda parte os escoceses quiseram a todo o custo garantir a passagem à próxima fase da competição e acabaram por vencer por 31-26, com o ensaio da vitória já no prolongamento.

No terceiro jogo desta ronda foi a vez da França surpreender a Austrália, vencendo por 17-22, num jogo bastante disputado e que esteve empatado no último minuto de jogo.

No quarto jogo, a Samoa esteve à beira de deixar a Inglaterra pelo caminho, mas os ingleses souberam segurar a vantagem que tinham.

Nos restantes jogos não houve surpresas, ainda que se esperasse que houvessem embates mais renhidos.

Juntamente com a Escócia, a França e a Inglaterra, a Argentina, a Nova Zelândia, as Ilhas Fiji, a África do Sul e os Estados Unidos seguiriam também para a disputa do Champioship.

Bowl

Apesar desta taça ter sido disputada pelas equipas derrotadas na pré-ronda de 16, houve bastante competitividade e um nível muito alto de rugby jogado.

O Chile foi o vencedor da Bowl, depois de derrotar o Tonga por 29-33, o Uganda por 20-17 e na final, Hong Kong por 20-7, em jogos que poderiam ter tido outro desfecho.

Challenge

A taça disputada pelos derrotados na ronda de 16, tinha equipas de grande nível, a maioria equipas residentes do World Series.

Mais uma vez a Irlanda demonstrou que tem feito um trabalho exímio na construção de uma equipa de sevens competitiva e capaz de disputar jogos com as equipas mais fortes.

Derrotou o Quénia nos quartos-de-final por 14-24, o País de Gales na meia-final por 27-12 e a Austrália na final por 14-24, conquistando a taça Challenge e deixando a promessa que pode vir a ser uma ameaça para o futuro no World Series.

Championship

Aqui disputava-se a conquista do título mundial.

Nos quartos-de-final, a África do Sul começou a todo o gás e venceu a Escócia por 5-36.

No segundo jogo os Estados Unidos até marcaram o primeiro ensaio, mas a Inglaterra ripostou de imediato com três ensaios. Os americanos ainda empataram a partida nos últimos minutos de jogo, mas os ingleses não deixaram fugir a vitória e marcaram na bola de jogo.

As Fiji despacharam a Argentina com facilidade, vencendo por 7-43.

Já a Nova Zelândia teve mais dificuldades frente à França, num jogo com poucos ensaios e que os franceses até começaram a vencer. Mas os All Blacks acabaram por resolver assunto na segunda parte do jogo, vencendo por 7-12.

Nas meias-finais, a Inglaterra não quis dar espaço aos sul africanos e garantiram uma importante vitória por 7-29.

Já os neozelandeses tiveram um jogo mais difícil contra os campeões olímpicos, mas acabaram por vencer por 17-22, frente aos sempre combativos fijianos.

Na final, os All Blacks entraram no jogo com as energias em altas e impuseram à Inglaterra uma pesada derrota por 12-33, sagrando-se os novos campeões mundiais!


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter