Rugby Moments: “Los Pumas son semifinalistas en la Copa del Mundo 2007!”

Francisco IsaacMaio 6, 20194min0

Rugby Moments: “Los Pumas son semifinalistas en la Copa del Mundo 2007!”

Francisco IsaacMaio 6, 20194min0
Foi em 2007 que se deu outro momento extraordinário com a Argentina a atingir as meias-finais do Mundial de Rugby. Ainda tens recordações de quem foram os heróis dos Pumas?

O Desporto é feito de grandes momentos e o rugby como tal não só não escapa, como consegue dar alguns dos melhores de sempre. Seja pelos famosos Hakas da Nova Zelândia, as vitórias improváveis da Argentina, o Mundial de 1995 da África do Sul, a ida dos Lobos ao Mundial de Rugby, o Fair Play fala aqui alguns dos melhores momentos do Rugby. Ensaios, placagens, hinos, sorrisos, lágrimas e tudo mais!

AS GARRAS DOS PUMAS QUE LEVARAM A CHEGAR AO TOPO EM 2007

O ano de 2007 não foi só especial para a África do Sul pela conquista do Mundial em França, ou para Portugal, que marcou presença pela primeira vez nessa prova (e até agora a única), pois foi também nessa prova que se deu algo que poucos esperavam: a Argentina atingia as meias-finais.

Lembrar que o grupo dos Pumas nessa edição da maior prova de todas do Planeta da Oval era só composto pela França (que à época tinha argumentos para lutar com as maiores do Mundo), Irlanda (munida de alguns dos melhores jogadores do Mundo), Geórgia e Namíbia. Ou seja, o quadro inicialmente apontado para os Pumas era para uma luta frenética pelo 2º lugar, sendo que o favoritismo não estava nas mãos dos sul-americanos mas sim das duas congéneres super-potências europeias.

Contudo, esse “favoritismo” ficou-se pela teoria… logo na fase-de-grupos a Argentina decidiu estragar a abertura do Mundial impondo uma derrota de 12-17 à França… os Les Bleus liderados pelo “gigante” Raphaël Ibañez e o mágico David Skrela esbarraram na muralha defensiva montada por Marcelo Loffreda, atirando os gauleses consecutivamente para trás durante os 80 minutos.

Com o espectacular Felipe Contepomi a chutar, o “El Mago” Juan Martín Hernandez a brilhar e Agustín Pichot a dar uma autêntica lição de estratégia, os Pumas começaram a dar os primeiros passos decisivos para fazer história. Depois de mais alguns jogos, chegou-se ao encontro decisivo entre irlandeses e argentinos, com ambas as formações a necessitarem de uma vitória para avançarem para os quartos-de-final.

Quando tudo e todos esperavam um close match, eis que a Argentina deu um autêntico show aos adeptos presentes no Parc des Princes, principalmente um “espectáculo” montado pelo pé de Juan Martín Hernandéz que marcou três drops no mesmo jogo (as imagens da altura foram inesquecíveis, com o nº10 circundado por 5 adversários e enfiar na “gaveta” dos postes a oval).

O 30-15 final não só foi justificado, como pecou por escasso perante o domínio total dos Pumas ante uma das selecções mais antigas de rugby a nível mundial (Ronan O’Gara foi totalmente massacrado pela imprensa irlandesa pela exibição paupérrima com que brindou este jogo).

E chegamos ao grande momento… quartos-de-final, com a Escócia a surgir no caminho das meias-finais. Era a 2ª vez que a Argentina estava nesta fase a eliminar da competição (a primeira foi no Mundial de 1999) e os “nervos” tomaram um pouco o controlo do encontro com os escoceses a aproveitarem para fazer os primeiros pontos pela bota de Chris Paterson.

Eis que surgiu Contepomi a assumir o protagonismo não só pela execução ao pé, mas pela capacidade física e defensiva, com uma alma enorme na hora de placar, dando um mote fundamental para o “acordar” dos Pumas. Num jogo intenso, puramente físico, com o risco a diminuir a partir do ensaio da Escócia aos 63′, a Argentina teve de aguentar uns últimos 5 minutos, defendendo como podia, com uma tenacidade e garra formidável.

Aos 80 minutos, a Escócia tem uma última oportunidade dentro dos 22 metros da Argentina… bastava só assentarem os 8 e a bola sair rápida voltando a procurar um erro na linha defensiva dos Pumas, algo que não aconteceu na maior parte do encontro. Bola introduzida e surge Pichot… o “baixinho” formação percebe o que os escoceses iam fazer e com ajuda da sua espectacular avançada, atacou o nº8 adversário e forçou um avant do mesmo… bola para a frente, árbitro olha para o relógio e apita para o final do jogo!

Pela 1ª vez na sua história a Argentina tinha conseguido chegar às meias finais e já ninguém podia evitar o assunto: os Pumas merecem constar na agenda do rugby mundial como uma nova super-potência. Depois de uma derrota pesada ante a África do Sul, chegou a luta pelo bronze que foi ganha sem contestação pelos Pumas frente novamente à França… para além de terem ganho no jogo de abertura, chegado às meias-finais, ainda foram roubar o 3º lugar à selecção organizadora da prova!

Um pedaço de história que nunca mais poderá ser esquecido pelo rugby mundial!


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter