World Rugby Sevens Series – Hamilton

João DuarteJaneiro 30, 20194min0

World Rugby Sevens Series – Hamilton

João DuarteJaneiro 30, 20194min0
Depois de mais de mês e meio com o circuito parado, o espetáculo dos Sevens voltou e em grande. Realizou-se dias 26 e 27 de Janeiro em Hamilton, na Nova Zelândia, a 3ª etapa do HSBC World Series Sevens. Muitas surpresas, equipas em ascensão e outras em maus momentos de forma, com a campeã olímpica a sobressair e a colar-se aos Estados Unidos na liderança da classificação geral.

Dia 1

As surpresas nos resultados iam aparecer mais cedo ou mais tarde e a Samoa não quis deixar passar essa oportunidade.

Frente a uma Inglaterra que tem vindo a baixar o seu nível de rendimento, os samoanos aproveitaram para se colocar na frente do marcador por 12-0 ao intervalo.

Os ingleses acordaram na segunda parte e marcaram dois ensaios, que acabaram por ser insuficientes por não serem convertidos.

Na sétima partida aconteceu algo incomum na variante, um empate entre Espanha e Canadá, duas franquias de valores semelhantes. O Canadá esteve por duas vezes a vencer, mas os espanhóis foram atrás do resultado e acabaram a dividir a pontuação.

No último jogo do grupo A a Austrália podia ter garantido o primeiro lugar do grupo frente às Fiji, com o jogo empatado a 3 minutos do final, mas os campeões olímpicos souberam controlar melhor o tempo restante e marcaram o ensaio da vitória através de Mesulame Kunavula.

Finda a fase de grupos, era altura de se fazerem contas e saber quem passaria aos quartos-de-final da Cup.

Verifique aqui a fase de grupos: https://www.world.rugby/sevens-series/stage/1879/pools

Samoa Rocks on day 1 of Hamilton Sevens!

Dia 2

Nos quartos-de-final da Challenge venceram as equipas mais prováveis, Argentina, Quénia, Inglaterra e Espanha, que tem estado a confirmar estar melhor que em anos anteriores, ao contrário do País de Gales que confirmou o mau momento que a equipa atravessa.

Na Cup, as quatro melhores equipas deste ano, Fiji, Nova Zelândia, Estados Unidos e África do Sul, venceram os respectivos jogos e marcaram lugar nas meias-finais da competição.

Na luta pelos últimos, Tonga quis aproveitar a oportunidade de estar no circuito e não quis limitar-se a passear pela Nova Zelândia, arrancando uma vitória expressiva por 31-7 frente ao Japão.

Quem iria ocupar o outro lugar do jogo de atribuição do 13º lugar seria a França, que venceu frente ao País de Gales.

Na luta pelos lugares na final da Challenge, a Inglaterra venceu a Espanha por 38-7 e o Quénia ergueu-se para vencer a favorita Argentina.

Para a final do 5º lugar seguiriam a Samoa, que venceu a o Canadá, e a Escócia, que venceu a Austrália com um bom aproveitamento dos erros Aussies.

Nas meias-finais da Cup já sabíamos que iríamos ter dois jogos de peso entre as 4 melhores franquias desta época.

As Fiji venceram facilmente a África do Sul, que parece não ter o ritmo e as soluções de outros tempos que os faziam ser um/o candidato principal ao título mundial.

A seguir seria a vez dos Estados Unidos se declararem cada vez mais como candidatos ao título, com uma performance convincente e que deitaria por terra as aspirações da Nova Zelândia em vencer a etapa caseira.

Na luta pelo 13º lugar os tonganeses impuseram o seu jogo e venceram a França por 33-10, mostrando a qualidade que têm e que podem ser uma forte candidata a integrar o circuito.

O vencedor da Challenge foi a Inglaterra que bateu com um resultado dilatado o Quénia.

Em 5º lugar ficou a Escócia que apesar das dificuldades bateu a Samoa por 19-24, com três ensaios de Robbie Fergusson.

Com o Bronze ficou a Nova Zelândia que em casa e frente ao seu público, ainda que arredados da final, quis acabar bem a etapa e venceu por 29-7 os sul africanos.

Já na final os fijianos tomaram conta do jogo do primeiro ao último minuto e venceram por claros 38-0 os americanos, vencendo a etapa neozelandesa, que consequentemente lhes deu a liderança da classificação geral em igualdade pontual com os Estados Unidos.

Fique a par da classificação geral: https://www.world.rugby/sevens-series/standings/mens

Flying fijians! (Foto: CNN International)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter