8ª etapa do HSBC World Rugby Sevens Series – Singapura

João DuarteMaio 5, 20184min0

8ª etapa do HSBC World Rugby Sevens Series – Singapura

João DuarteMaio 5, 20184min0
A duas etapas do final do circuito mundial de sevens 17/18, fazemos um resumo daquilo que foi a etapa de Singapura, um ponto de situação da competição, possíveis vencedores e a equipa que provavelmente vai deixar de ser residente do circuito na próxima época.

Singapura

A 8ª etapa do World Series, realizou-se dias 28 e 29 de Abril, em Singapura.

Dia 1

No primeiro dia realizaram-se os jogos da fase de grupos, com algumas reviravoltas no marcador e resultados surpresa, como já é habitual.

No primeiro jogo do dia, a Austrália ia-se deixando surpreender pela Escócia, que a 1 minuto do final da partida ganhava 20-17, sofrendo depois o ensaio da vitória australiana.

No jogo 3, foi o Canadá a surpreender a Argentina, ao vencer por 14-26, com Justin Douglas em destaque, com dois ensaios marcados.

Mais tarde, no jogo que opôs a Samoa e a Argentina, os samoanos aproveitaram as fragilidades dos argentinos, para arrancarem a vitória por 14-31 e deixarem os sul americanos fora da disputa da Cup.

Já no penúltimo jogo do dia, foi o Japão que, já garantido como equipa residente do circuito na próxima época, quis demonstrar ser uma equipa competitiva, ao vencer a Rússia por 19-26.

Dia 2

O segundo dia deu lugar às finais, com dois jogos dos quartos-de-final a serem muito disputados, com alguma surpresa.

Um deles, foi o embate entre a Austrália e a Espanha, um jogo fora do comum, por várias razões. Os espanhóis começaram a vencer com um ensaio logo no primeiro minuto de jogo, com a resposta dos australianos a surgir dois minutos depois. Tudo nos fazia querer que ia ser um jogo com muitos ensaios, pela forma como começou, mas nenhuma das equipas conseguiu fazê-lo e a partida acabou em 7-5, favoráveis à Austrália.

Depois foi a Samoa a dar luta a uma Inglaterra enfraquecida, com a partida a terminar em 12-5, para os ingleses.

Na final pelo 13º lugar, tínhamos o Japão que acabou por vencer a Argentina por 31-24, mostrando que já se está a preparar em força para a próxima época.

O vencedor da taça Challenge foram os Estados Unidos, que resolveram a partida na segunda parte e venceram o Canadá por 12-26.

O foi vencido pela Nova Zelândia que dominou a Samoa.

Em ficou a Inglaterra que, apesar de não estar a fazer uma época tão boa como a anterior, quis mostrar que ainda se consegue bater com equipas como a África do Sul, numa partida em que ao intervalo venciam por 10-19, mas que acabou com uma diferença de apenas dois pontos.

Já na finalíssima, as Fiji venceram a Austrália, num jogo frenético em que os australianos venderam cara a vitória. Na bola de jogo os australianos venciam por 21-22, mas os fijianos souberam ser pacientes e conseguiram concretizar o ensaio que lhes dava a vitória por 28-22.

O melhor jogador da final foi o fijiano Waisea Nacuqu e o jogador do torneio foi o australiano Ben O’Donnell.

DHL Impact Player (Foto: World Rugby)

Balanço

A duas etapas do final da competição e com um máximo de 44 pontos possíveis, existem matematicamente 4 equipas que podem vencer o circuito, as Fiji, a África do Sul, a Nova Zelândia e a Austrália. Sabendo que muito provavelmente estas equipas irão todas disputar, no mínimo, os quartos-de-final da Cup, podemos dizer que existem apenas duas equipas com hipóteses de serem campeãs do World Series, as Fiji, actuais líderes do circuito e, a África do Sul, que está a apenas 4 pontos.

Já a equipa que, provavelmente, vai deixar de ser equipa residente do circuito na próxima época, é a Rússia, que está na última posição (das equipas residentes), com uma diferença de 15 pontos em relação ao País de Gales, que é penúltimo.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter