Premiership 20/21 8ª Jor: Harlequins e Saints estão com a moral em cima

Helena AmorimFevereiro 9, 20213min0

Premiership 20/21 8ª Jor: Harlequins e Saints estão com a moral em cima

Helena AmorimFevereiro 9, 20213min0
Recuperação de pontos dos Saints e Quins que se aproximam da parte cimeira da tabela. Mas vão conseguir chegar ao playoff?

Na oitava jornada da Gallagher Premiership, os Sharks foram cirúrgicos ao aplicar uma inesperada derrota aos Bears por 13-20, através de um ensaio aos 75 minutos de Luke James, enquanto os Northampton Saints somaram a 3ª vitória consecutiva!

Os Sharks de Alex Sanderson estiveram sempre muito bem em termos defensivos frente aos líderes da tabela classificativa. Bristol começou melhor com um ensaio de Bryan Byrne aos 16 minutos mas no seguimento, verificou-se sempre uma muito competente defesa dos Sharks, com AJ MacGinty a manter-se bem ocupado nas conversões de penalidades.

Wasps e Saints foi um jogo dividido: primeira parte foi dos Saints mas a segunda foi dos Wasps, sem no entanto ter sido suficiente para evitarem uma derrota por 17-22. Esta foi a terceira vitória consecutiva dos Saints na prova, mostrando o bom momento por que atravessa. Taqele Nayiaravoro além do seu ensaio mostrou bons números: 43m, 11 carries, 2 defesas batidos, 2 offloads, 3 passes. Ollie Sleightholme, o ponta direito e Tommy Freeman o defesa, tiveram também muito boas prestações.

Lee Blackett dos Wasps ficou desapontado com a prestação da sua equipa perto da linha de ensaio, enquanto Chris Boyd ficou muito desiludido com a segunda parte onde os seus jogadores tiveram pouca disciplina, pobre execução, pobre capacidade de decisão, pondo em causa a eficiência dos saídos do banco.

No Recreation Ground, Bath vacilou mais uma vez, desta feita perante uns aparentemente revigorados Quins, tendo perdido por 15-28. Alex Dombrandt, Aaron Morris e Danny Care (on fire!), marcaram os ensaios da equipa visitante e Bath ainda tentou esboçar algo na segunda parte e até conseguiu dois ensaios por intermédio de Tom Dunn (talonador) e Tom de Glanville (defesa); mas dois amarelos não ajudaram em nada a equipa a tentar recuperar.

Alex Dombrandt, mais um “8” em excelente forma com um ensaio, 64m, 12 carries, 8 passes, 8 placagens, 2 defesas batidos e 2 clean breaks!

No jogo no Mattioli Woods Welford Road entre Leicester Tigers e Worcester, a primeira parte foi normalzinha mas a segunda revestiu-se de festival de ensaios. Julian Montoya bisou assim como Jasper Wiese e os Tigers ainda marcaram por Tom Youngs. Jasper Wiese , o “8” com uma excelente exibição e claro uma estreia de sonho para Julian Montoya.

No Bretford Community Stadium, o jogo entre London Irish e Gloucester entrou de forma demolidora com quatro ensaios a serem marcados em 11 minutos, dois para cada lado. Blair Cowan marcou antes de um minuto de jogo estar efectivamente jogado, com reposta de Henry Trinder dois minutos depois; os Exilados insistiram com Ollie Hassel-Collins, com reposta quase imediata de Alex Craig.

Na segunda parte Blair Cowan voltou à carga com mais um ensaio aos 42 minutos e Agustin Creevy fez o toque de meta aos 50 minutos. O Gloucester respondeu através de Mark Atkinson com, claro está, resposta dos Irish através de Tom Parton. Já chega? Ainda não. Ainda faltava o ensaio do Gloucester de Alex Cragig, novamente Alex Craig (segunda linha)! Jogo entretido mas com as defesas um pouco fora de sentido com o resultado final a ficar em 32-26.

No derradeiro jogo da jornada, os Falcons receberam Exeter e foram levados de vencida por 9-15. Mais uma vitória por pouco por parte dos Chiefs, com a primeira derrota dos Falcons em casa nesta época. Sam Simmonds e Alex Cuthbert fizeram as honras de ensaios pelos visitantes com os Falcons apenas a marcarem três penalidades.

Bristol continua no comando (30 pontos) a dois pontos de distância dos Chiefs (28p), com Sale a ocupar o terceiro lugar (27 pontos) e Harlequins em quarto (23 pontos).


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter