23 Mai, 2018

Lobos a fazer História – A Bola Rápida do World Rugby Trophy

Francisco IsaacAgosto 29, 20179min1

Lobos a fazer História – A Bola Rápida do World Rugby Trophy

Francisco IsaacAgosto 29, 20179min1
Passados dez anos do apuramento para o Mundial de Rugby 2007, Portugal volta a fazer História no Uruguai com uma vitória memorável para os sub-20 ante a equipa da casa por 20-18.

Os campeões europeus de rugby sub-20 chegaram ao Uruguai com o mesmo lema que Júlio César “vim, vi e venci”. Uma vitória no jogo de abertura ante a equipa da casa, o Uruguai deu os primeiros 4 pontos à Selecção das Quinas. A análise ao primeiro jogo, a 1ª Bola Rápida do World Rugby Trophy 2017. Os Lobos a fazer História no Uruguai, parte 2, após 10 anos do apuramento para o Mundial de rugby sénior


Portugal soma e segue no que toca às competições internacionais de Rugby de sub-20… já são quatro vitórias consecutivas com a última a decorrer no jogo de abertura do World Rugby Trophy frente à equipa da casa, o Uruguai.

Com uma vitória por 20-18, Portugal está na luta pela final da competição, necessitando agora de ganhar a Hong Kong e Fiji.

Uma excelente exibição colectiva, uma defesa extremamente articulada e “agressiva”, para além de um jogo ao pé de boa qualidade, permitiu aos Lobos sub-20 fazer algo que nunca tinha sido feito… uma vitória na fase-de-grupos do World Rugby Trophy.

LOBOS AO ATAQUE COM O “PÉ” – 6 PONTOS

A chuva não foi nada convidativa para quem assistiu ou jogou rugby no Estádio Charrúa, que antes do apito inicial já estava completamente “alagado”. Todavia, Portugal usou esse pormenor em seu proveito, criando uma espécie de “caos organizado” aos Teros sub-20, principalmente nos primeiros 40 minutos. Cada pontapé alto que Jorge Abecassis esboçava assumia contornos de “pânico” para o Uruguai. A equipa da casa nunca soube captar bem a oval do ar, nem quando a recebia conseguia sair a jogar em segurança.

O primeiro ensaio, de António Vidinha aos 5′, surgiu exactamente desse pormenor… pontapé alto, falha de comunicação entre o ponta e defesa e uma bola perdida que o ponta português agarrou e não mais parou até entrar dentro da área de ensaio.

Com as condições atmosféricas a roçarem uma autêntica tempestade, Portugal aproveitou esse factor, desconstruindo a estratégia do Uruguai que nunca se “reinventou” na linha de 3/4’s. Só nas fases estáticas é que os Teros demonstraram um grande domínio, mas que nunca foi acompanhado por um avanço positivo com a bola nas mãos.

A leitura e estratégia do trio de trás (Manuel Cardoso Pinto arriscou algo mais que os seus colegas das pontas, mas o bom apoio permitiu manter a bola em poder) e de Jorge Abecassis foram factores fulcrais para a vitória histórica de Portugal no primeiro jogo do Grupo B do World Rugby Trophy.

DEFESA DE BLOCO… DEFESA À CAMPEÃO – 6 PONTOS

Continuam a imperar os pontos que tornaram Portugal campeão da Europa em 2017, ou seja, um ataque “venenoso” mas, e em especial, uma defesa caprichosa, bem articulada e inteligente. Portugal só consentiu quatro faltas na defesa (duas das quais levaram a Martim Cardoso e Manuel Picão a receber ordem de expulsão), mantendo sempre uma postura paciente, um trabalho sério e um espírito de combate sem entrar em grande “alvoroço”.

Nuno Mascarenhas (estupenda placagem aos 74′, entre as várias que realizou), Manuel Picão, João Granate, Vasco Ribeiro, João B. Melo e Duarte Campos foram alguns dos “mestres-obreiros” da muralha portuguesa que levantou sérios problemas ao Uruguai, ao ponto que estes optaram por tentar jogar só a partir de alinhamentos e mauls, ou conquistar penalidades nas formações ordenadas.

Sempre que o Uruguai tentava encontrar um espaço para furar, lá surgiam dois jogadores lusos a apresentar-se na defesa, colocando imediatamente os adversários no chão. Daqui surgia um terceiro lobo para arrancar a bola e sair a jogar ou “sacar” uma penalidade ao juiz de jogo, algo que aconteceu por cinco vezes.

Este ascendente defensivo perante os Teros foi essencial para “destruir” a estratégia de ataque do Uruguai, que conjugado com as más recepções ao pontapé, e várias decisões erradas, levou-os à derrota. Portugal soube “aguentar”, defendeu com todas as “armas” disponíveis e bloqueou o ataque da equipa da casa.

IR À LINHA DE ENSAIO COM “VENENO” – 3 PONTOS

Mais uma competição internacional e mais uma vez surgiu o suspeito do costume a “comer” metros: José Luís Cabral. O centro do GD Direito voltou a criar sérios problemas à defesa contrária, galgando metros, empurrando defesas para o lado ou para o chão, conseguindo no processo um dos ensaios que deu a vitória a Portugal.

O 2º ensaio dos Lobos sub-20 surgiu à passagem do minuto 34′, após uma boa formação ordenada (das raras vezes que Portugal conseguiu aguentar o trabalho e dinamismo dos uruguaios na FO), José Cabral recebeu a oval em cima da linha de 22 metros e correu em direcção à área de ensaio, elevando os joelhos, obrigando os defesas a tentarem esboçar algum tipo de placagem que nunca foi suficientemente eficaz para parar a corrida do centro.

Num terreno completamente encharcado e quase inutilizável, o centro português conseguiu conquistar quase 50 metros, com duas quebras-de-linha, um ensaio e 7 (!) placadores batidos.

Portugal usou quase sempre bem a bola em seu poder, foi trabalhando pacientemente no ataque, com um excelente apoio ao portador de bola, garantindo os rucks (nunca perdeu qualquer posse da oval nesse aspecto) subindo calmamente no terreno. É verdade que surgiram alguns erros no momento de transmissão da bola (maioria resultou de passes mais arriscados, na tentativa de apanhar o Uruguai desprevenido) mas no geral Portugal esteve mais equilibrado e mais capacitado de qual era a sua missão no jogo.

ANDAR PARA TRÁS ATÉ AOS 10 MINUTOS FINAIS – 0 PONTOS

Não há dúvidas que as fases estáticas e o maul seriam os perímetros de jogo em que os uruguaios iam atacar a todo o vapor… em dez formações ordenadas para o Uruguai, sete terminaram em penalidades a favor da equipa da casa, uma das quais deu direito a ensaio de penalidade e cartão amarelo para Martim Cardoso, aos 54′, numa fase em que os Teros assumiam o favoritismo.

No registo final de contas, Portugal perdeu duas formações ordenadas próprias, consentiu sete faltas na FO, duas no “maul” (o outro ensaio do Uruguai foi através deste aspecto), e ainda perdeu quatro dos seus alinhamentos.

A chuva foi um factor que dificultou o jogo nesse aspecto, com a equipa da casa a fazer valer o seu maior “peso”, capacidade de choque e trabalho dos 8 avançados.

Contudo, nos 8 minutos finais, Portugal aguentou três formações ordenadas, que levou aos Teros desesperarem e a saírem em condições débeis, algo que facilitou a defesa dos Lobos.

Com Hong Kong estes três aspectos não serão problema, mas quando chegar o jogo das Fiji, problemas poderão advir para Portugal se não souber contornar os erros e faltas, apresentando algum tipo de solução.

NOTA FINAL – 15 PONTOS

ASPECTOS POSITIVOS: Defesa sólida e “mordaz” com várias recuperações de bola no breakdown; estratégia de jogo ao pé e boa pressão aos adversários; trabalho no contacto e objectivos bem delineados pelos sectores de ataque; Capacidade em ler o ataque contrária e postura calma e paciente na hora de defender; conversão de pontapés por Jorge Abecassis; Boas soluções saídas do banco.

ASPECTOS NEGATIVOS: Formação ordenada consentiu demasiadas faltas; alguns alinhamentos foram perdidos; os “mauls” do Uruguai na 2ª parte foram mal defendidos; cartões amarelos problemáticos.

PORTUGAL: 1 – João Melo; 2 – Nuno Mascarenhas; 3 – José M. Sarmento; 4 – José R. Andrade; 5 – Manuel Picão; 6 – João Granate; 7 – David Wallis; 8 – Duarte Campos; 9 – Martim Cardoso; 10 – Jorge Abecassis (3,3,2 e 2); 11 – António Vidinha (5); 12 – José Luís Cabral (5); 13 – Vasco Ribeiro; 14 – Castelo Branco; 15 – Cardoso Pinto.
Suplentes: Gonçalo Domingues, José Pimentel, Tomás Pereira, João F. Vital, Duarte Azevedo, Gonçalo Prazeres, Frederico Felipe.

Equipa Técnica: Luís Pissarra (Seleccionador), António Aguilar (Treinador), Carlos Polainas (Team Manager), Francisco Moreira (Médico) e José Carlos (Fisioterapeuta).

Post-Match com Luís Pissarra, seleccionador Nacional:

1- A defesa continha a ser uma das nossas pedras basilares para chegar a vitórias históricas. qual foi o plano de jogo para o encontro com o Uruguai?

LP. O plano de jogo inicial teve de ser adaptado, nos últimos dias, tendo em conta as condições atmosféricas complicadas que temos encontrado!!

No jogo de hoje quisemos usar o clima a nosso favor, colocando a pressão nos uruguaios através de pontapés longos e pressão defensiva agressiva…. correu muito bem na primeira parte e mesmo na segunda a espaços!

Outra parte era destruir o jogo ofensivo uruguaio que usa as fases estáticas para canalizar o jogo ofensivo e meter muita pressão no adversário…. neste ponto foi onde tivemos mais dificuldades… principalmente na FO e acentuada no meio da 2 parte!

O maul conseguimos destruir praticamente sempre (apesar de terem conseguido marcar um ensaio a partir desta situação), e bem sei que a FO foi um problema. Sabíamos que iriam ser fortes e trabalhámos muito este aspecto, mas temos de lhes dar crédito pelo excelente trabalho que fizeram nesta área e nós temos de trabalhar ainda mais este ponto!

2- Houve uma notória diferença de poder e dinâmica nas formações ordenadas e maul. Isto deveu-se ao terreno de jogo ou mesmo à melhor preparação do Uruguai nesse aspecto? E como pensavam neutralizá-los?

LP. Como disse anteriormente, parece-me que a supremacia foi muito evidente na FO mas no maul nem tanto.

O terreno de jogo era mau e difícil para todos. 

A FO sempre foi um ponto muito forte do Uruguai, onde têm muita tradição e gosto por esta área, quanto a nós, apesar de termos  treinado muito este aspecto ainda não estamos ao nível deles…. mas é de salientar que houve FO’s chave no jogo em que nos portámos muito bem (nomeadamente no fim da partida) e aguentámos a pressão!

Sem dúvida é um aspecto a melhorar no nosso jogo.

3- Que objectivo para o jogo com Hong Kong… E o que gostavam de ver melhorado e acontecer nesse encontro?

LP. Objectivo muito claro…. GANHAR!!

Foto: Twitter URU


One comment

  • António

    Agosto 29, 2017 at 11:12 pm

    Uma vitória fantástica e muito sofrida. Soubemos fazer as substituição certa na FO na altura certa. Com isso conseguiu-se segurar a vitória.
    Parabéns

    Reply

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter