Os Jogos Teste de Novembro – Coluna Pedro Sousa Ribeiro

Fair PlayNovembro 27, 20184min0

Os Jogos Teste de Novembro – Coluna Pedro Sousa Ribeiro

Fair PlayNovembro 27, 20184min0

A chamada janela de novembro com cerca de três dezenas de jogos realizados, proporcionou mais uma vez espetáculos de grande qualidade e altamente competitivos. E com assistências que enchiam os estádios, muitos dos jogos com a capacidade esgotada e muitos pedidos de bilhetes impossíveis de satisfazer. Prova evidente que o rugby tem elevado poder de captação de grandes massas de espetadores, mas infelizmente apenas em algumas, poucas, nações.

Cada nação do hemisfério norte disputou 3 jogos com países do hemisfério sul (4 no caso da Inglaterra) sendo um deles com um país do Tier 2. Irlanda e País de Gales registaram 3 vitórias cada, a Inglaterra sofreu uma derrota enquanto França e Itália apenas obtiveram uma vitória.

Como principais conclusões destes jogos pode dizer-se que,

-a Irlanda, depois de alcançar a vitória, e do “grand chelem” no torneio das 6 Nações de 2018, se confirmou como a equipa mais consistente do hemisfério norte tendo vencido a Nova Zelândia pela primeira vez em jogo realizado em solo irlandês.

– a Nova Zelândia não é invencível.

– as equipas do hemisfério norte mostraram que a anterior superioridade das equipa do hemisfério sul se está a esbater ou mesmo a atingir níveis de paridade. E neste conjunto de jogos teste tiveram mesmo maior número de vitórias.

– a Austrália confirmou que a sua capacidade competitiva tem vindo a decrescer, fruto das dificuldades internas que enfrenta.

– o País de Gales mostrou que tem vindo a construir consistentemente uma equipa que disputa a vitória com qualquer adversário.

– o rugby italiano não progride e mesmo dá sinais de regressão e a Itália continua a não mostrar a capacidade competitiva de uma equipa do tier 1. A vitória sobre a Geórgia salvou-a de grandes dificuldades não pondo, por agora, em jogo a sua continuada presença no torneio das 6 nações.

Os jogos entre as equipas do tier 1 foram de grande espetacularidade e todos eles de elevado grau competitivo.

Todas as equipas do tier 2 realizaram, pelo menos 2 jogos, sendo, em alguns casos, EUA, Japão, Geórgia e Tonga, um deles com equipas do tier 1. De entre estes salientou-se o Japão que, no jogo com Inglaterra, demonstrou que está perto de ser competitivo com equipas de nível superior.

Entre as equipas do tier 2 destaque para Fiji que foi a única a vencer um jogo com equipas do tier 1. A sua vitória no jogo com a França, a primeira em 10 jogos realizados, mostra que tem vindo a adquirir capacidade competitiva, especialmente o seu conjunto de avançados que era habitualmente o seu ponto fraco no rugby de XV.

Outros países com presença garantida no campeonato do mundo de 2019, como Rússia, Samoa, Uruguai e Namíbia, estiveram também presentes neste largo conjunto de jogos, enquanto Espanha, Roménia e Portugal foram os países não qualificados para o mundial a quem foram, pela World Rugby, atribuídos jogos.

Os jogos de novembro foram os últimos entre equipas dos dois hemisférios, antes do início do próximo campeonato do mundo a realizar no Japão e deram boas indicações sobre o que poderá aí acontecer. O torneio da 6 Nações de 2019 será ainda mais um momento para aferir as potencialidades das equipas nele participantes.

Por agora Nova Zelândia e Irlanda, as duas primeiras do ranking mundial, partem como favoritas seguidas de perto por Inglaterra, África do Sul e País de Gales. No grupo B o embate entre a Nova Zelândia e a África do Sul, poderá colocar uma delas num percurso menos difícil para atingir a final já que a 2ª classificada desse grupo enfrentará o vencedor do grupo A, possivelmente a Irlanda. No grupo C, que integra Inglaterra, França e Argentina, um destes três ficará de fora dos quartos de final, e no grupo D que emparelha Austrália e País de Gales, o vencedor do jogo de entre eles será determinante para o percurso seguinte. Mas, neste grupo está também presente Fiji que poderá causar uma surpresa.

Em 2019 no Japão, podemos estar seguros que se irá assistir a encontros altamente competitivos e emocionantes estando desde já todo o mundo do rugby a aguardar o seu início, em Tóquio no dia 20 de setembro com o jogo Japão-Rússia.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter