Os “kids on the block” que podem abanar com as Seis Nações 2020

Francisco IsaacDezembro 16, 20196min0

Os “kids on the block” que podem abanar com as Seis Nações 2020

Francisco IsaacDezembro 16, 20196min0
As Seis Nações 2020 estão aí ao virar da esquina e trazemos para a contenda quatro jogadores que gostávamos de ver a abanar a competição! Conheces-los a todos?

Escolhemos quatro jogadores das seis selecções que competem ano após ano num dos torneios mais emblemáticos do Mundo do Desporto: as Seis Nações. Quatro nomes que estão a dar show neste arranque de época, significando isso que podem vir a ter uma oportunidade nas suas selecções seja como titulares absolutos ou como soluções de recurso!

JORDAN LARMOUR (IRLANDA)

É o golden boy do momento do rugby irlandês e é perfeitamente normal que assim o seja, pois poucos têm o génio e capacidade de abrir autênticas crateras na defesa adversária, ao jeito do que aconteceu na 4ª jornada da Heyneken Cup frente aos Northampton Saints.

Nesse encontro, Larmour conseguiu tirar da frente sete adversários na mesma jogada, mostrando não só aqueles preciosismos técnicos de um stepper de renome, mas também um poder de aceleração e explosão imparável que deixa ruína por onde passa. Larmour merecia ter tido outro tempo de jogo durante o Mundial de Rugby 2019, com a equipa técnica irlandesa a optar por Rob Kearney como titular na camisola nº15… será que a sorte da Irlanda teria sido outra com o utility back do Leinster em campo?

Com 22 anos, Larmour assume-se cada vez mais como o grande nome do Leinster Rugby – a par de Garry Ringrose e Josh Van der Flier – não só pelos ensaios, assistências, quebras-de-linha, defesas batidos (ainda não jogou no Pro14 2019/2020) e combinações, mas pela forma como entende o jogo e da capacidade em mudar por completo as dinâmicas e ritmos da sua equipa num par de… steps.

Com a saída de Joe Schmidt e a ascensão de Andy Farrell no cargo de seleccionador da Irlanda, Larmour deverá também seguir pelo mesmo caminho e assumir a camisola nº15 já nas Seis Nações 2020. A velocidade inimaginável, os skills inexplicáveis e a a panóplia de “truques” poderão dar outra profundidade ao jogo irlandês.

SAM SIMMONDS (INGLATERRA)

Verdade que Tom Curry e Sam Underhill assumiram o papel de asas durante os últimos meses na selecção inglesa, mas é impossível não deixar de olhar para Sam Simmonds e tudo o que traz para dentro das quatro-linhas. Não é um asa só propenso ao trabalho exímio defensivo, já que tem uma cadência para assumir protagonismo no ataque, sendo aquele portador de bola voraz e incansável que faz diferença nos momentos mais importantes do jogo.

É, sem dúvida alguma, um dos principais nomes do plantel de Rob Baxter nos Exeter Chiefs muito devido ao impacto físico que coloca na defesa contrária, à reacção incandescente na luta pela posse de bola no breakdown e ao engenho técnico de alto calibre que o diferencia da maioria dos 3ª linhas ingleses.

Recuperou de uma lesão que o “amarrou” fora dos relvados durante 9 meses mas não perdeu uma pitada do seu valor, como tem provado neste início de época com destaque para os ensaios marcados na Heyneken Champions Cup.

Novamente, Underhill e Curry são as opções A de Eddie Jones, mas Sam Simmonds é um atletadiferente, um jogador com outra visão e multifacetado, que tanto pode infligir dano a defender como atacar. Merece outra oportunidade nas Seis Nações? Sem margem para dúvida.

MATTHIEU JALIBERT (FRANÇA)

Vai ser uma das mais tensas batalhas no rugby francês e uma que qualquer seleccionador gostaria de ter: a luta pela camisola nº10 dos Les Bleus. Romain Ntamack apresentou-se no Mundial de Rugby em grande forma, sendo um dos melhores jogadores da França durante a competição com 27 pontos marcados em 4 jogos, 86% de eficácia no pontapé e outros apontamentos estatísticos interessantes.

Contudo, Ntamack pode descair para o par de centros e abrir espaço para surgir outro abertura na estratégia de jogo francesa, equipando os comandados de Fabien Galthié (novo seleccionador que assumiu o lugar de Jacques Brunel) de uma dupla de n.º10 dentro do mesmo XV e há um nome perfeito para tal demanda: Matthieu Jalibert!

O abertura de 21 anos (que já se estreou pela França em 2018) tem sido o principal “motor” dos Bordeaux-Bègles e na temporada actual já leva 127 pontos marcados, incluído 5 ensaios, com o emblema de Bordéus a ocupar o 2º lugar do Top14.

A leitura de jogo de elevada qualidade traz vantagens para ganhar a frente em jogos mais “fechados”, assumindo-se como um estratega propenso a impor momentos especiais no que toca à construção de jogadas de elevada qualidade. Está num patamar similar ao de Ntamack e juntar estes dois diamantes no mesmo XV pode valer não só pontos e ensaios, como vitórias e troféus.

TAINE BASHAM (PAÍS DE GALES)

Vai ser o enforcer dos Dragões Vermelhos dentro de pouco tempo e basta vermos os números que obteve até este momento pelos Dragons (a suposta franquia mais frágil do País de Gales): 7 ensaios, 111 placagens (97% de eficácia), 248 metros conquistados, 6 turnovers e 12 defesas batidos. Que posição joga? A asa. Ou seja, estatística impressionante para um jogador que completou em 2019 o seu 20º aniversário, sendo um dos jogadores que tem ajudado a levantar os Dragons neta temporada.

Estreou-se pela selecção do País de Gales frente aos Barbarians, mas ainda não conta como internacionalização oficial. Todavia, nas Seis Nações 2020 vai ter de certeza um lugar nos convocados de Wayne Pivac seja pela forma como se apresenta na placagem e defesa ou pelo envolvimento no ataque, sendo que em ambos os “Mundos” consegue ser um protagonista de grandes proporções.

Pode parecer demasiado jovem para já ser um dos três nomes a titular nos actuais campeões das Seis Nações, mas a verdade é que tanto no Pro14 como na Challenge Cup tem mostrado todos os atributos necessários para subir a um patamar de alta exigência. É um 3ª linha que consegue tanto jogar na posição de 6,7 ou 8 e faz total diferença quer nas saídas da formação-ordenada, no surgimento como apoio ao portador de bola ou no comandar do alinhamento.

Três ensaios de Basham na Challenge Cup 2019/2020 no mesmo jogo


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter