Os 3 melhores aberturas dos Six Nations 2022

Gonçalo MeloFevereiro 4, 20222min0

Os 3 melhores aberturas dos Six Nations 2022

Gonçalo MeloFevereiro 4, 20222min0
Artigo com os 3 melhores aberturas do Six Nations 2022, que se inicia já este fim de semana, e se prolonga até Março

Inicia-se amanhã mais uma edição do Six Nations, a mais conceituada e prestigiante competição de Rugby no hemisfério Norte.

Nas prõximas semanas, Inglaterra, País de Gales, Escócia, Irlanda, França e Itália vão medir forças, e apenas uma das seleções sairá com o troféu.

Estes são, para nós, os três melhores aberturas da competição:

Marcus Smith, Inglaterra

O jovem de 22 anos é uma das grandes novas coqueluches do rubgy mundial, graças às brutais exibiçoes ao serviço do seu clube, os Harlequins de Londres.

A sua ascensão meteórica valeu-lhe um telefonema tardio para representar os British and Irish Lions na digressão de 2021 à África do Sul.

Dotado de uma técnica individual apuradíssima, Marcus Smith é claramente um predestinado, não havendo nenhum aspeto do jogo em que esteja abaixo da média. Forte no passe, no jogo ao pé, com um side step fantástico, é ainda muito eficaz e fiável do ponto defensivo.

Romain Ntamack, França

É juntamente com Antoine Dupont a principal cara desta nova e empolgante geração francesa, que voltou a dar esperança aos apaixonados adeptos gauleses, que acreditam ser possível vencer um mundial pela primeira vez em 2023, competição que vão organizar.

Ntamack é um jogador extremamente completo e polivalente, podendo ser utilizado como primeiro centro formando quase uma dupla de “números 10) com Mathieu Jalibert.

Mas é com a camisola 10 que Ntamack encontra mais espaço para brilhar, com o seu repentismo, agilidade e capacidade de abrir espaços nas muralhas adversárias, sejam estes espaços para si, ou para os companheiros.

É extremamente criativo e corajoso no momento de arriscar, e forma uma parelha temível com o seu companheiro de equipa no State Toulousain, o fantástico Antoine Dupont.

Dan Biggar, País de Gales

Provavelmente o nome menos consensual deste trio, mas que justifica inteiramente a sua presença pelo que tem dado ao Rugby Galês na última década. São já 94 internacionalizações pelo País de Gales, um dos mais internacionais de sempre, ele que pode ficar à beira da incrivel marca das 100 internacionalizações se jogar todos os jogos deste Six Nations.

Fortíssimo no jogo ao pé, é garantia de pontos através de penalidades e conversões, sendo que a sua capacidade de criar jogo é muitas vezes subvalorizada.

Muito fiável defensivamente (é talvez o abertura mais fiável a defender), Biggar é indiscutível na seleção, e esteve presente em duas digressões dos British and Irish Lions, na última como titular.

Parte para este Six Nations como capitão de Gales, pela primeira vez na sua carreira.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter