O “Breakdown” do CN1: Pelicanos levantam voo em direcção ao 5º lugar

Francisco IsaacMarço 13, 20197min0

O “Breakdown” do CN1: Pelicanos levantam voo em direcção ao 5º lugar

Francisco IsaacMarço 13, 20197min0
A formação caldense está no 5º lugar do CN1, numa jornada fácil para alguns dos contenders do campeonato. Os "pelicanos" estão com uma mão e meia nessa posição mas ainda faltam 80 minutos para a confirmação!

O Fair Play fará um acompanhamento semanal ao Campeonato Nacional 1, divisão onde habitam CRAV, Guimarães RUFC, RC Santarém, Caldas RC, RC Lousã, CR São Miguel, SL Benfica Rugby, Rugby Vila da Moita, RC Montemor e CR Évora. 

Os melhores momentos, ensaios, equipas e factos desta divisão!

INTENSIDADE ALTA E DUELO DE BONS MOMENTOS TERMINA ANTES DO TEMPO

Bom jogo entre Bulldogs e Pelicanos no Bulldog Stadium que terminou 11/15 minutos antes do tempo, quando o resultado estava num 27-39 com tudo ainda em aberto. Depois de uma primeira parte intensa com a formação visitante a fazer três ensaios de primeira-fase a aproveitar sucessivos erros da defesa miguelista que esteve sem o foco necessário em momentos cruciais do encontro.

Salvador Cambournac foi um dos responsáveis pela vitória dos pelicanos, com o nº9 a liderar em todos os aspectos a estratégia encetada por Patricio Lamboglia, que durante os primeiros 25 minutos passou por ter a oval nas mãos, para depois apostar em pontapés em profundidade na procura de possíveis erros dos seus adversários. Cambournac criou sucessivas complicações aos bulldogs, com bons passes e ordens que foram correspondidas da melhor forma por Tomás Lamboglia e Oscar D’Amato, o centro argentino que fez um hattrick no encontro.

O São Miguel só melhorou a espaços e teve a oportunidade mesmo de passar para a frente do resultado quando passou de um 06-24 para um 20-24 em menos de 15 minutos, com os suplentes a fornecerem argumentos suficientes para uma luta mais nivelada pelo resultado. Todavia, o “correr” atrás do resultado abriu demasiado espaço na defesa da equipa da casa que arriscou em excesso em certos momentos para ser ultrapassado novamente no marcador.

Os pelicanos terminaram na frente do resultado com o árbitro do encontro a terminar a partida por pretensas desavenças e comentários vindos da bancada, que não foram totalmente explícitas. Com esta vitória o Caldas RC assume o 5º lugar depois de mais uma exibição sólida, fechando melhor a época do que tinham começado em 2018!

O POKER DE LEAL DA COSTA NA CHEGADA AOS 100 PONTOS DE COUTO

Duarte Leal da Costa foi o denominador decisivo do CR Évora-Guimarães RUFC, pois o centro eborense conseguiu o feito de marcar quatro ensaios em 80 minutos, numa tarde em que Frederico Couto chegou aos 100 pontos (20 ensaios) numa só época, ocupando de forma isolada o 1º lugar nos marcadores de ensaios do CN1.

O Évora foi extremamente eficiente na forma como operou o controlo de bola, onde Manuel Murteira mostrou-se extremamente irreverente na condução das movimentações de jogo, com uma série de pormenores inteligentes e de grande propensão técnica.

Para os vimaranenses foi quase impossível parar o maior ímpeto e velocidade, apesar de algumas boas acções de Samuel Lemos (dois ensaios) e Paulo Machado (o centro bem tentou sonegar o avanço dos adversários na sua zona, mas foi muito desacompanhado na hora de defender) durante a primeira parte.

A equipa da casa abrandou só na 2ª parte, mas sempre que o Guimarães RUFC marcava pontos os eborenses respondiam imediatamente, como foi com o ensaio de Simon Burke, o 2ª linha sub-18 que se estreou a marcar pela equipa sénior esta temporada, numa contra-resposta ao ensaio do Guimarães momentos antes. Miguel Avó teve oportunidade de trazer alguns atletas menos rodados para dentro do terreno de jogo sem perder um pouco da sua qualidade defensiva e ofensiva.

O Guimarães que já tinha praticamente assegurada a permanência antes do início da jornada, garantiu essa situação com a derrota do Rugby Vila da Moita no INATEL, para gáudio dos comandados de Jeremias Soares.

AVANÇADA MOULFON RESISTE À GARRA DOS CAVALEIROS

Foi um dos mais físicos, intensos e “duros” das últimas jornadas do Campeonato Nacional 1 entre RC Santarém e RC Montemor, com os visitantes a garantirem a vitória graças a uma excelente postura do seu bloco de avançados no ataque e uma defesa sólida dos 3/4’s mouflons, apesar das “beliscadas” dadas por Rafael Morales ao pontapé.

O internacional brasileiro foi castigando o Montemor como pôde, ora na conversão de penalidades a mais de 40 metros longe dos postes, ou a pautar uma série de jogadas bem mexidas que só foram bloqueadas pela dupla de centros composta pelos irmãos Vacas de Carvalho, para além do “bombeiro”-placador do costume, Manuel Nunes (está num momento de forma genial o internacional sub-20).

Mas realmente o pormenor que foi decisivo para a vitória da formação montemor-novense passou por aquele trabalho de avançados extremamente duro e pesado, que foi forçando o Santarém a amparar golpes sem ter as armas necessárias para tal. José Roque apresentou-se como 2ª linha, para José Luís Castro ocupar o papel de nº8, numa decisão bem tirada da “cartola” por João Baptista.

O intensificar na fisicalidade do jogo foi subindo e atingindo uma dimensão “enervante”, com ambas as equipas a realizarem uma série de faltas escusadas que foram alimentando uns e outros de formas diferentes… os “cavaleiros” marcavam pontos ao pé e o Montemor respondia com ensaios como aconteceu com Luan Almeida na 1ª parte (alinhamento bem montado para o pilar brasileiro), deixando o resultado incerto até aos 80 minutos quando Pedro Tigre fecha o marcador à ponta.

O Montemor saiu de Santarém com um 34-24 e está a 4 pontos do RC Lousã, em vésperas de receber os 1ºs classificados do CN1… será que passam para a frente? Manuel Nunes respondeu-nos a algumas perguntas sobre o jogo e a próxima jornada!

Manuel achas possível chegarem ao 1º lugar na última jornada da fase regular? O que precisam de fazer contra a Lousã?

Penso que é possível estamos a uma vitória de o conseguir a jogar em casa e contra o atual primeiro lugar, não será nada fácil, para o conseguirmos teremos de ser nós próprios com bom ritmo de jogo e fortes na avançada como já o mostramos em certas fases do campeonato. Sendo para mim por aí o que necessitamos para acabar a fase regular em primeiro.

Jogo foi muito físico em Santarém, mas é o tipo de desafios que precisam para estarem prontos para o que se segue?

O jogo com o Santarém em termos físicos foi sem dúvida importante para o que aí vem, contudo temos de estar muito acima daquilo que mostramos em campo para ultrapassarmos os próximos jogos e podermos chegar à final.

BENFICA EM MODO TRY SHOW E QUASE SURPRESA NA LOUSÃ

O SL Benfica não deu qualquer hipótese ao RV Moita e a vitória por 69-00 não foi de todo um exagero, perante a melhor capacidade física e técnica com Pedro Ismael, António Ventosa e Felipe Rosa em grande destaque.

O CRAV esteve na frente do resultado na Lousã, mas uma 2ª parte de qualidade da equipa da casa acabou por ser o suficiente para virar o resultado dos 1ºs classificados do CN1, que ainda assim consentiram demasiados erros na defesa nas fases estáticas.

CLASSIFICAÇÃO


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter