Mitre10 9ª Jor – Canterbury sobrevive em jornada louca e decisiva!

Francisco IsaacNovembro 8, 20206min0

Mitre10 9ª Jor – Canterbury sobrevive em jornada louca e decisiva!

Francisco IsaacNovembro 8, 20206min0
Do último lugar a ganhar fôlego, Cantebury foi só uma das equipas a registar um resultado bastante positivo na penúltima jornada da fase regular da Mitre10 Cup... como é que tudo vai acabar? A análise ao que se passou na 9ª jornada aqui no Fair Play

Está quase a terminar a fase regular da Mitre10 Cup 2020 e a divisão Premiership está completamente ao rubro, pois Canterbury conseguiu ganhar a Tasman com uma exibição espectacular e que faz lembrar os melhores tempos desta equipa do sul da Nova Zelândia, enquanto Hawke’s Bay e Bay of Plenty impuseram também surpresas nos seus jogos!

A MELHOR EQUIPA DA JORNADA: CANTERBURY

Depois de várias semanas a cambalear, com derrotas e más exibições a acumularem-se, tendo mesmo deixado o emblema de Canterbury na última posição da Premiership, eis que surgiu uma vitória completamente inesperada na casa de um dos seus maiores rivais, os Tasman Makos! Um 29-00 garantiram 5 pontos essenciais para Canterbury poder sair de um último lugar preocupante, realizando uma soberba prestação que meteram os campeões em título da Mitre10 Cup num estado catatónico no fim dos 80 minutos e tudo adveio de… set-pieces.

Os alinhamentos e formações-ordenadas foram exemplarmente ganhas, construindo uma base sólida para sair a jogar e procurar garantir domínio territorial, algo que o bloco contrário não processou bem esta situação e foram cometendo alguns erros inesperados, em especial na transmissão de bola onde até nasceram dois dos ensaios de Canterbury por intercepções facilmente desenvolvidas, ainda por mais quando Ngane Punivai e Chay Fihaki estavam praticamente sempre à espera de um passe mal medido para “roubarem”.

Mas a diferença total das últimas jornadas para esta foi que Canterbury voltou a ser eficiente nos sectores onde está assente a sua estratégia, com a lógica de jogo a encontrar a concentração necessária nas várias unidades, seja pelo abertura Brett Cameron (60 metros, 1 assistência e vários pontapés bem medidos, sem esquecer o controlo total na maneira como a sua equipa avançava no terreno), Tom Christie (3 turnovers e uma dezena de placagens, adicionando o trabalho irrepreensível na saída da formação-ordenada) e Joshua McKay, um dos melhores jogadores da semana para o Fair Play.

Canterbury foi simplesmente Canterbury, o que significa, inesgotável, inquebrável, irritante e irascível… mas a descida de divisão ainda não está “fintada”.

A SURPRESA: HAWKE’S BAY

Ora há novo 1º classificado na divisão Championship e é novamente a formação de Hawke’s Bay que foi capaz de “limpar” os seus adversários de Wellington num jogo praticamente de um sentido só, pelo menos até aos 60 minutos, pois aí estava a equipa da casa na frente por 32-06. Wellington era à entrada desta jornada uma das equipas favoritas para assumir um lugar pleno no playoff de apuramento de campeão da Premiership da Mitre10 Cup, e se esse “prémio” já não bastasse como motivação então havia um segundo que passava pela conquista da Ranfurly Shield.

Contudo, ao fim de 80 minutos de um embate fisicamente agressivo e que exigiu um esforço monumental dos dois lados, foi Hawke’s Bay a sair com os 5 pontos, a manutenção dessa taça especial e ainda o 1º lugar do Championship, quando falta só uma jornada para se jogar da fase regular. Como foram os Magpies da costa norte capazes de vergar com tanta facilidade um dos principais candidatos ao troféu da primeira divisão de rugby de províncias da Nova Zelândia?

Em primeiro lugar, competência nos básicos em particular na saída da linha de defesa e na resposta rápida ao jogo rápido de risco de Wellington, passando ainda pela conservação eficiente da posse de bola sem entrar em numa excitação e precipitação perigosa. A excelência com que fizeram uso dos alinhamentos e, subsequentemente, do maul dinâmico acabou por danificar por completo com a postura mental e física da equipa de Wellington, com estes a cometerem demasiadas penalidades e sem capacidade para contrariar, mesmo com Alex Fidow, James Blackwell e Vaea Fifita do seu lado, tendo chegado por este “veículo” dois dos quatro ensaios marcados no encontro.

Existem ainda umas quantas razões para explicar o resultado alargado, e é fundamental de falar de um deles em particular… o do impacto de Folau Fakatava no liderar de toda a operação e estratégia de Hawke’s Bay. O formação de 20 anos nascido no Tonga tem vindo a ser uma referência na excelente temporada do emblema da costa norte do território neozelandês, e neste encontro voltou a puxar pelos galões, não só lançando bons passes e realizando acções de alto relevo a partir das combinações de ataque ou na saída da defesa, mas também na defesa, onde recuperou duas bolas no contacto, somando-se ainda a intensidade com que se aplicava em cada processo.

Hawke’s Bay voltou a vergar uma equipa da divisão principal da Nova Zelândia e, numa época que se aproxima do seu fim, têm de ser encarados como o principal de dois candidatos à subida de divisão, a par de Otago.

O MVP DA JORNADA: JOSHUA MCKAY (CANTERBURY)

Podíamos ter optado por Folau Fakatava, Lachlan Boshier ou Jayson Potroz para o melhor jogador da semana, com qualquer um destes nomes a merecer a atenção pelas boas ou grandes exibições registadas nesta 9ª ronda da Mitre 10 Cup 2020, só que a nossa escolha recai num jogador que trouxe total estabilidade ao processo de saída de jogo após pontapés em Canterbury e na capacidade em dar outra agressividade à manobra ofensiva.

Foram quatro quebras-de-linha, sete defesas batidos, um ensaio, duas assistências, quatro conquistas no ar sem perder a posse da oval e uma série de jogadas que valeram um avanço efectivo de terreno para a sua equipa, notabilizando-se cada vez mais como um dos defesas/pontas mais audazes e irresistíveis de ver jogar nesta competição. A excelente exibição realizada possibilitou ainda dar paz ao seu médio-de-abertura, com Brett Cameron a encontrar o rumo certo para dar as “vitaminas” essenciais a Canterbury, num jogo que supostamente o favoritismo estava esmagadormente do outro lado do campo.

Aquele side-step, a velocidade letal e a explosão energética deram uma profundidade ameaçadora ao emblema do sul, que saiu assim vitorioso e com esperança não só na manutenção mas de também chegar um pouco mais longe na Premiership.

O passe para o 1º ensaio de Cantebury saído de Joshua McKay

DADOS BÁSICOS

Maior marcador de pontos (equipa): Taranaki – 35 pontos;
Maior marcador de ensaios (equipa): Várias – 4 ensaios;
Maior marcador de pontos (jogador): Jayson Potroz (Taranaki) – 15 pontos;
Maior marcador de ensaios (jogador): Salesi Rayasi (Auckland), Joe Webber (Bay of Plenty) e Quinn Tupaea (Waikato) – 2 ensaios;
Melhor da Jornada: Joshua McKay (Canterbury)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter