CN1 19/20: Alguns veteranos que dão outro contraste e experiência

Francisco IsaacJaneiro 27, 20206min1

CN1 19/20: Alguns veteranos que dão outro contraste e experiência

Francisco IsaacJaneiro 27, 20206min1
Já falámos alguns dos talentos mais jovens do Campeonato Nacional 1 e agora é altura de falar nos mais "velhos", especialmente aqueles carregados de experiência! Quem é o mais vet dos vets do CN1?

De forma rápida e fácil, até porque estes veteranos merecem mais atenção é quando jogam e não quando falamos deles, fomos em busca de alguns dos jogadores mais experientes atletas do Campeonato Nacional 1, que oferecem uma série de pormenores e características interessantes e animadoras a esta divisão!

De Braga a Elvas, de grandes campeões e papa-títulos aos autênticos rugbytrotters da oval lusa!

RODRIGO AGUIAR (RC SANTARÉM)

Um pilar que marcou uma geração de atletas na AEIS Agronomia, Rodrigo Aguiar foi e é considerado um dos grandes scrummagers do rugby português, continuando a dar “cartas” neste CN1 aos 44 anos. Serviu apenas dois emblemas na sua carreira, com os “agrónomos” da Tapada a terem recebido os anos de juventude e adulto pelo qual ganhou uma Divisão de Honra e é uma série de Taças de Portugal, para depois já nos anos de veterania preencher um espaço nos “cavaleiros” do RC Santarém, onde até hoje assume uma posição essencial na matriz da formação escalabitana.

Não esquecer o inigualável Miguel Zeferino que já por uma vez jogou nesta temporada, mostrando que não só que “velhos são os trapos” como é possível divertir dentro da formação-ordenada independente da idade que se tenha!

ROBERT DELAI (CR SÃO MIGUEL)

É considerado um dos melhores jogadores e atletas deste Campeonato Nacional 1, não só pela dimensão técnica e táctica com que enche as quatro-linhas, mas também pela forma como trabalha, ajuda a melhorar e inspirar fora delas. Nascido nas Ilhas Fiji, com passagens pela selecção “B” desse país das Ilhas do Pacífico, Robert Delai passou pela AEIS Agronomia (onde conquistou uma Taça de Portugal, entre outros troféus) e deixou marca pela forma como encontrava espaços na defesa contrária depois de trabalhar de forma intensa na formação-ordenada, pormenores pelos quais ainda (e continuará a sê-lo em anos vindouros) no CR São Miguel, clube pelo qual já marcou mais de 15 ensaios em duas épocas.

Um dos ensaios de Robert Delai nesta temporada (00:26)

LUIS GASPAR (CALDAS RC)

Outro pilar – que também pode jogar na segunda-linha – que surge nesta lista e de forma merecida, diga-se. Com 41 anos, Luís Gaspar é merecidamente reconhecido como um dos líderes dos “pelicanos” do Caldas Rugby Clube, seja pela forma como se sacrifica em campo, atirando o seu corpo uma e outra vez no caminho do adversário, ou pela bela capacidade e conhecimento demonstrada nas fases estáticas. Um verdadeiro representante do emblema das Caldas-da-Rainha, o polivalente avançado é um dos maiores exemplos do CN1.

ANTÓNIO FONSECA (CR ÉVORA)

Não tão veterano como a maioria dos atletas que marcam esta lista, o 3ª linha do CR Évora é aos 32 anos um dos maiores decisores deste Campeonato Nacional 1, imperando no avançado e conquista de metros, para além de um jeito especial para encontrar o caminho do ensaio. Um daqueles placadores que nenhum adversário deseja apanhar pelo caminho, António Fonseca mostra todo um virtuosismo físico que catapulta os eborenses para outro nível em termos de “agressividade” e fisicalidade, sendo daquelas pedras-basilares que colam a equipa durante 80 minutos.

Uma saída para ensaio de António Fonseca (1:47)

JORGE BENTO (JAGUARES)

Passou pelo SL Benfica Rugby durante largos anos e agora está a representar os Jaguares, sendo de longe o atleta mais antigo desta formação tão jovem da Linha de Cascais, possuindo uns fantásticos e bem conservados 49 anos. Tanto pode alinhar como primeira-linha ou segunda-linha, e se for necessário até dar um pé de dança na terceira, gostando de entrar com uma total potência que cria sérios danos aos adversários na hora de placar.

JORGE MARQUES (MRC BAIRRADA)

Oh Captain, My Captain! esta é a frase que terá de ficar para sempre cogitada a este segunda-linha que inspira confiança nos seus colegas de equipa do MRC Bairrada, abrindo novas possibilidades e horizontes para o emblema de Anadia. Um carrier confiável, um placador exímio e uma voz de comando apaixonante e inteligente que imbui o emblema do Centro de contornos titânicos quando menos se espera. É dos grandes capitães deste CN1 2019/2020 e para isso basta ver como os adversários reconhecem o valor e mestria do trintão (37 anos mais precisamente) do Bairrada.

PEDRO SILVA (RV MOITA)

Passou pelo CF “Os Belenenses” Rugby onde foi um dos aberturas mais clarividentes dos últimos 20 anos, tendo mesmo chegado às selecções nacionais da oval lusa, optando depois por ir jogar para o Rugby Vila da Moita, clube pelo qual ainda hoje serve com total honra. Um multifacetado 3/4’s, Pedro Silva mostra todo um finesse na hora de aplicar o seu refinado jogo ao pé, algo que já fez diferença nesta época para o emblema moitense. Para além do veneno que sai dos seus pontapés, o abertura/centro é um nato defesa e um comandante de grande qualidade, guiando o RV Moita no caminho da permanência.

TADEU GALGUINHO (RC ELVAS)

Aos 37 anos, o primeira-linha é o mais veterano atleta do Rugby Clube de Elvas e no seu cartão de visita está a capacidade de entrar no contacto como se fosse uma autêntica wrecking ball de grande impacto! Já assumiu a titularidade em diversos jogos na presente temporada, apresentando um espírito de sacríficio de enorme valor, uma dedicação total ao trabalho no espaço curto e uma entrega de respeito na formação-ordenada. É a demonstração clássica de dedicação e paixão ao emblema elvense que procura garantir a permanência neste Campeonato Nacional 1.

Entrada em grande Galguinho (00:33)

JEREMIAS SOARES (GUIMARÃES RUFC)

Treinador com uma qualidade inegável e apaixonante e um 3/4’s possuidor de um espírito lendário e uma capacidade para liderar e suster os golpes das formações contrárias, sendo o atleta mais experiente do Guimarães RUFC. Aos 42/43 anos, Jeremias Soares (que já concedeu uma entrevista ao Fair Play) já alinhou em alguns encontros na presente temporada, ostentando a camisola 23 dos Bravos com uma dimensão lendária e de respeito, lembrando que os anos de experiência e conhecimento acumulado são essenciais em certos momentos dos jogos e campeonato. Cuidado com as placagens de Jeremias Soares e o sidestep… porque se caírem no erro de acharem que não vos agarra, então já perderam a “corrida”.

DOMINGOS ARAÚJO (BRAGA RUGBY)

O ponta/defesa do Braga Rugby é um dos atletas mais experientes do elenco do Braga Rugby, possuindo um par de pormenores técnicos e físicos que criam sérias dificuldades a quem está do outro lado da barricada. Rápido, ágil e inteligente, o polivalente três-de-trás é aos 36/37 anos é uma das referências dos “gladiadores” nesta época de estreia do emblema bracarense no CN1 e ainda aguarda pelo momento em que vai cruzar a linha de ensaio!


One comment

  • Joaquim Santos

    Janeiro 28, 2020 at 5:19 pm

    Do RcS falta mencionar Miguel Zeferino e Pedro Monteiro

    Reply

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter