O “Breakdown” do CN1 – E no final o Montemor reina com justiça

Francisco IsaacAbril 2, 20194min0

O “Breakdown” do CN1 – E no final o Montemor reina com justiça

Francisco IsaacAbril 2, 20194min0
Pela 3ª vez no século XXI o RC Montemor levanta o título de campeão nacional da 2ª divisão numa final frenética, física mas de alto espectáculo. O último "breakdown" da época no Fair Play

Depois de muito suar, depois de quase 20 jogos, depois de ensaios, placagens, offloads, grubbers, crosskicks, turnovers, disputa legal (e ilegal) de breakdowns, formações-ordenadas, alinhamentos, mauls e muito mais, o Campeonato Nacional 1 fechou a época com uma final entre RC Montemor e SL Benfica que teve direito a todas as honras e pormenores. Este é o último breakdown do CN1 do Fair Play da época 2018/2019

MOUFLONS SÃO CAMPEÕES JUSTOS MAS COM UM SUSTO FINAL…

A final do CN1 teve de tudo: um Montemor que foi perdulário em certos momentos, com um ensaio perdido por uma má transmissão de bola; uma surpresa táctica do SL Benfica que introduziu Matt Ritani no centro das linhas atrasadas, um pormenor surpreendente que acabou por não ter o objectivo pretendido; um drop improvável de João Bibe que levantou a bancada; bancadas cheias de adeptos que agradeceram as excelentes condições de jogo; uma lesão grave do melhor jogador até então, com Thankgod Okafor a ser forçado a abandonar o relvado; e um alinhamento a favor das “águias” na bola de jogo nos cinco metros do Montemor, que acabou em avant e apito final.

Mas foi bem jogada? No global ambas as equipas apresentaram-se algo expectantes nos primeiros 15 minutos, com algum nervosismo à mistura caracterizando o espírito de não quererem perder o jogo desde o 1º minuto, optando por se focarem no jogo curto, em fases pouco dinâmicas mas “agressivas” e de oferecer o corpo às balas (algo que abateu fisicamente as equipas na 2ª parte) num autêntico clash de fisicalidade.

O RC Montemor dominou melhor o jogo, conseguindo montar as operações dentro dos 22 metros adversários durante quase 20 minutos, mas só conquistou 8 pontos, algo que no final poderia vir a ser um problema não fosse o SL Benfica a perder também algumas oportunidades de fazer pontos nos últimos 10 minutos de jogo. Foi, por assim dizer, uma final perdulária para ambas as equipas, sendo que o Montemor  fez pontos no momento mais importante do jogo… depois do ensaio do SL Benfica (uma bela jogada dentro do alinhamento entre Frederico Melim e Royal Mwale que acabou só dentro da área de validação).

Foi fundamental que para garantirem a vitória no jogo houvesse uma resposta ao ensaio encarnado e esse momento veio passado 5 minutos… fases curtas, insistência, defesa adversário aglomerou-se no local errado, bola rápida e João Bibe fez uma transmissão de bola (não fosse só aquele mau passe na 1ª parte para António Sebo e nº10 tinha sido o MVP da tarde com devido mérito) fácil para Rodrigo Costa Pereira, com a bola a terminar no fim em Miguel Casadinho.

Movimento simples, risco algum, execução boa… e ensaio fatal para o SL Benfica. Os encarnados ainda “acamparam” dentro da área de 22 metros do RC Montemor nos últimos 15 minutos, mas constantes más decisões, uma linha de ataque sempre em cima da defesa com Rui Santos sem capacidade de movimentos e Tiago Fernandes longe de uma acção mais participatava, para além da defesa aguerrida e eficiente dos “mouflons” (José Gouveia tem uma saída rápida de um ruck que fecha o caminho a Rui Santos, quando este preparava-se para ir ao ensaio) acabou por fechar qualquer porta a uma reviravolta no jogo.

Mérito para o Montemor que teve em José Luís Castro um dos grandes nomes da tarde, com sucessivas penalidades conquistadas no breakdown, uma capacidade de placagem constante, uma “fome” por dar o exemplo a tempo inteiro, para além das boas entradas de José Leal da Costa, Luís Santos ou Ricardo Romeiras num momento oportuno do jogo. Faltou ao Benfica ter mais Francisco Bessa e Matt Ritani, que Felipe Rosa conseguisse se “libertar” do nervosismo e demonstrasse a sua fisicalidade total, para além de outros pormenores que foram comprometedores no final dos 80 minutos.

Campeão encontrado e o CN1 fecha portas… o Fair Play ainda fará 4 artigos para fechar a época: MVP do Ano, Melhor Treinador, Ensaio da Época e Jovem surpresa.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter