Autumn Nations Cup: a prova que vai animar o Hemisfério Norte

Helena AmorimNovembro 10, 20204min0

Autumn Nations Cup: a prova que vai animar o Hemisfério Norte

Helena AmorimNovembro 10, 20204min0
Sexta-feira estreia uma nova competição do calendário internacional do rugby mundial, a Autumn Nations Cup e a Helena Amorim explica o que se vai passar nela. Os favoritos, os jogos e as datas neste artigo

Nesta época do ano é normal as selecções do hemisfério sul fazerem uma visita à Europa para realizarem test matches com as selecções do hemisfério Norte. Na sequência da pandemia que assola o Mundo, 2020 irá ter direito a uma versão possível criada para tentar suprimir a falta desses test matches: a Autumn Nations Cup.

Oito selecções estarão divididas em dois grupos, o grupo A com Inglaterra, Irlanda, País de Gales e Geórgia e Grupo B com França, Escócia, Itália e Fiji.

Casa selecção defrontará todas as restantes pertencentes ao mesmo grupo, durante três fins de semana consecutivos, com a fase seguinte a consistir em embates entre os respectivos primeiros, segundos, terceiros e quartos classificados.

Cada Equipa tem os seus objectivos e o seu quinhão a provar; a Geórgia estando em 12º lugar no ranking do World Rugby, dois lugares acima da Itália e sendo uma selecção que desde há anos que faz pressão para fazer parte destes embates tipo o Seis Nações, quer com certeza fazer uma boa campanha e deixar a dúvida no ar sobre uma futura incorporação ou não num destes modelos competitivos. O treinador interino Levan Maisashvili terá uma grande tarefa pela frente. Por sua vez a Itália comandada pelo Sul-Africano Franco Smith quererá limpar da memória a última posição no Seis Nações.

As Fiji (11º lugar no ranking do World Rugby) não jogam desde o Mundial do ano passado e com três jogadores positivos à presença do novo coronavírus, houve uma tentativa de conter os danos com isolamento desses jogadores e a continuação dos treinos com os restantes jogadores na cidade de Limoges, onde estão a preparar os jogos. Vern Cotter é o treinador.

A selecção Galesa de Wayne Pivac vem de uma série de resultados e exibições muito pobres, com o penúltimo lugar no Seis Nações e por isso mesmo, uma vontade de fazer bonito neste torneio. Pivac decidiu despedir Byron Hayward, o treinador da defesa, como um sinal que as coisas não podiam continuar.

A Irlanda também terá uma boa oportunidade para afirmar de uma vez por todas os seu jogo, que sob a batuta de Andy Farrell, não tem sido muito consistente, muito por causa de ser um sistema de jogo diferente daquele que a Irlanda tem conhecido nos últimos anos.

Por curiosidade Gales, Fiji e Geórgia fizeram parte de um dos grupos do Mundial (juntamente com Uruguai e Austrália) com Gales a ganhar à Geórgia por 43-14 e a ganhar às Fiji por 29-17 e com as Fiji a ganhar à Geórgia por 10-45.

Escócia, França e Inglaterra querem manter os momentos, principalmente a França de Fabien Galthié, que foi a única capaz de verdadeiramente ameaçar o primeiro lugar da Inglaterra no Seis Nações. Os Les Bleus estão em crescendo e espera-se que os excelentes resultados alcançados até este momento – 4 vitórias e 1 derrota, melhor ataque com 138 pontos e a equipa com mais ensaios, a par da Irlanda, com 17 – continuem durante este Autumn Nations Cup, sobretudo por apresentarem uma dupla de médios em super forma, seja o Melhor Jogador das Seis Nações 2020, Antoine Dupont, ou o arquitecto do ataque, Romain Ntamack. É talvez a selecção, a par da Inglaterra, que melhores soluções apresenta em caso de lesões ou de falta de resposta de quem está dentro de campo, e por isso estes franceses têm de ser tomados como um dos principais favoritos à coroa deste novo torneio “europeu”.

A selecção da Rosa viu-se envolvida numa situação menos abonatória, ao ter sido responsável pela suspensão do jogo com os Barbarians, depois de um grupo de jogadores de onde se incluiam Robshaw, Maitland, Jackson Wray, Joel Kpoku, Manu Vunipola, Wigglesworth e Fergus McFadden terem quebrado o protocolo de regulamentação dos contactos covid, ao terem ido a um bar e jantar sem qualquer tipo de cuidados.

Também é uma oportunidade para Eddie Jones fazer as suas mexidas habituais. Sem internalizações chamou David Ribbans e Alex Michell dos Saints, Jack Willis e Jacob Umaga dos Wasps, Beno Obano do Bath e Max Malins do Bristol. Deixou de fora os manos Simmonds o que é verdadeiramente uma calamidade! Entre Joe e Jacob Umaga, Eddie prefere o factor imprevisibilidade de Umaga mas isso é um pouco estranho, senão Cipriani teria sido sempre uma escolha inolvidável de Eddie. Quanto a Sam, é um facto que ele não é tão versátil a acompanhar a rotação de posição na terceira linha mas que é um grandessíssimo “8”, isso também não há grandes dúvidas.

A primeira ronda começa na sexta dia 13 de Novembro com um Irlanda-Gales, seguindo-se no sábado embates entre Itália e Escócia e entre Inglaterra e Geórgia. Para finalizar, no domingo, França defrontará as Fiji. Todos os encontros passarão na Sporttv


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter