Autumn Nations Cup 2020 1ª Jor – Os Jogadores em destaque!

Helena AmorimNovembro 15, 20203min0

Autumn Nations Cup 2020 1ª Jor – Os Jogadores em destaque!

Helena AmorimNovembro 15, 20203min0
Do fantástico James Lowe ao "jackler" Jack Willis, Helena Amorim escolheu alguns jogadores que foram destaque da 1ª jornada da Autumn Nations Cup 2020... qual o teu favorito?

Na ronda inaugural da nova Prova Autumn Nations Cup ou Taça de Outono das Nações, foram realizados três jogos (França contra Fiji cancelado), onde foram marcados 126 pontos.

DORIS PLACA E LOWE MARCA

No jogo entre Irlanda e Gales que terminou num 32-9, Gales fez praticamente figura de corpo presente, sem garra e sem destaques. Quanto à selecção do Trevo, de referir o ensaio de Quinn Roux, a excelente prestação de Jamison Gibson-Park na sua primeira internacionalização a médio de formação, com boa técnica de passe e boa técnica a nível do box-kicking.

Caelan Doris, foi considerado o man of the match com plena justiça. O número 8 de 22 anos fez uma exibição irrepreensível na sua 5ª internacionalização.

Peter O’Mahony, jogador do Munster de 31 anos teve também uma boa prestação, com uma excelente cobertura de campo e estando em todo o lado a toda a hora.

Mas o grande frenesim esteve com a primeira internacionalização de James Lowe, o ponta esquerdo de 1.88m e 105kg, nascido na Nova Zelândia mas a jogar pela Irlanda devido ao estatuto de residência por jogar há três anos e meio na franquia do Leinster. Pelo clube, já conta com 33 ensaios em 49 jogos, tendo antes marcado 25 pela franquia neozelandesa dos Chiefs entre 2014 e 2017.

Neste jogo esteve muito participativo com bom apoio quer ao abertura quer ao defesa. Boas linhas de corrida e boa disponibilidade nas mais diversas situações de jogo. Mostrou alguns dos seus off-loads característicos, apresentou uma boa corrida e marcou um ensaio aos 81 minutos, depois de uma performance de encher o olho. É o 11º jogador a ser trazido para a selecção com base no estatuto de residência de 36 meses, desde 2012 e mostrou claramente a mais-valia que poderá ser para o jogo Irlandês sob a batuta de Andy Farrell.

CANNONE MANDOU NAS ALTURAS

O embate entre Itália e Escócia, foi pautado por um comeback fantástico da Escócia que aos 66 minutos perdia por 17-14 e acabou por ganhar por 17-28.

Duncan Weir a jogar a abertura, 4 anos e meio depois de jogar pela selecção, a ter um desempenho muito regular, a fazer jogar muito os seus colegas e a dar uma nota sempre jocosa com o seu penteado muito específico. Ex-jogador do Glasgow e do Edimburgo representa o Worcester desde a época 18/19.

Por seu turno, o abertura de 20 anos da Itália, Paolo Garbisi foi responsável por 12 pontos e teve também uma boa prestação na sua função.

Niccolo Cannone, segunda linha do Treviso, é aos 22 anos uma lufada de ar fresco muito importante na avançada Italiana com muita disponibilidade em todas as jogadas em que participa.

JACK WILLIS ENTRA A MATAR

No jogo Inglaterra-Geórgia que culminou num 40-0, Jamie George com três ensaios de maul, não poderia deixar de ser mencionado.

E Jack Willis…o jogador da época na Gallagher, a descoberta da época, segundo classificado pelos Wasps, estreia pela selecção e ensaio ao fim de 15 minutos! O jogador de 23 anos, 1.9m e 107 kg foi o primeiro avançado a marcar numa estreia pela Inglaterra desde Billy Vunipola em 2013.

Os números pelos Wasps este ano falam por si: 8 ensaios, 28 turnovers, taxa de sucesso nas placagens de 93, 157 carries. A sua inclusão na selecção fazia sentido e isso ficou claramente provado.

Pela Geórgia, há que destacar a equipa como um todo, toda a boa forma física e a disponibilidade física nos embates. A dupla de médios de formação e abertura, Gela Aprasidze e Tedo Abzhandadze são playmakers muito interessantes, numa equipa cujo capitão e primeiro centro, Merab Sharikadze faz sempre boas prestações.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter