3 pontos do SR2019 Ronda 5: a força dos Lions numa reviravolta histórica!

Francisco IsaacMarço 16, 20195min0

3 pontos do SR2019 Ronda 5: a força dos Lions numa reviravolta histórica!

Francisco IsaacMarço 16, 20195min0
De um 05-31 para ganhar por 36-33, os Lions operaram uma das maiores reviravoltas do Super Rugby de sempre. É o re-acordar da franquia de Joanesburgo?

Acompanha todo o pós-ronda do Super Rugby aqui no Fair Play com a análise a três ou cinco pontos da maior competição de clubes do Mundo!

D-MAC ESTÁ DE VOLTA A 15…E À BOAS EXIBIÇÕES!

Foi um fim-de-semana de contínuas surpresas, reviravoltas e vitórias emocionantes ou derrotas desoladoras, mas também foi uma ronda carregada de exibições individuais geniais como Siya Kolisi nos Stormers, Kwagga Smith nos Lions, Chris Feauai-Sautia nos Reds e, claro, Damian McKenzie nos Chiefs. O Flash da franquia de Hamilton regressou à sua posição de nº15 e mostrou-se como no passado: eléctrico com a bola nas mãos, incansável a procurar erros na defesa contrária e uma incógnita na hora das movimentações ofensivas.

Com D-Mac lá atrás, os Chiefs foram uma equipa mais estável e equilibrada, mais ameaçadora no contra-ataque e na aposta ao jogo ao pé, forçando que Beauden Barrett recuasse uns passos para responder como podiam aos pontapés que vinham dos McKenzie.

Num encontro excessivamente equilibrado em várias medidas (até no resultado final que ficou num 23-23), Damian McKenzie foi essencial para rasgar a defesa contrária com constantes sprints, linhas de corrida ameaçadoras e toda aquela genialidade única e apaixonante.

No final dos 80 minutos registou 90 metros em 13 corridas, duas quebras-de-linha e quatro defesas batidos, saltando para a esfera do decisivo num dos jogos mais aguardados desta ronda. Para além do ensaio marcado (vale a pena verem a velocidade imposta pelos pés mágicos do 15), ainda fez mais 13 pontos ao pé, o que prova que regressar à posição de defesa traz “paz”, estabilidade, espaço e capacidade de decisão a um dos melhores atletas do Hemisfério Sul!

HAMISH STEWART… NÃO SE ESQUEÇAM DESTE NOME!

Os Reds finalmente ganharam (e Brad Thorn pode respirar de alívio) e nada melhor que uma vitória na casa dos Sunwolves conquistada aos 79 minutos de jogo com uma penalidade convertida pelo defesa de 21 anos, Hamish Stewart! O australiano, que se estreou em 2017 pela franquia de Queensland, foi essencial para a vitória dos koalas não só pelos pontos ao pontapé (9 pontos), mas pela excentricidade imposta que criou sérios problemas aos seus adversários.

O internacional sub-20 pela Austrália em 2017 e 2018, foi responsável por 100 metros de conquista, três quebras-de-linha e nove defesas batidos, para além de cinco tackle busts e mais uma série de pormenores que abriu o “Mundo” aos pontas Feauai-Sautia e Sefa Naivalu.

O posicionamento de Stewart foi um dos pontos-chave para os Reds que estiveram muito perto de perder, até que aos 15 minutos finais conseguiram mudar o seu destino, já que nesse espaço de tempo houve uma total harmonia e consonância entre as 15 unidades da formação australiana.

Os Sunwolves voltaram a ter momentos de alto domínio, com Hayden Parker a ditar um jogo bem inteligente, aparecendo bem Hosea Saumaki (outro regresso às boas exibições) na expansão e velocidade dada ao canal 3, mas faltou capacidade de gestão e um controlo de bola mais inteligente nos momentos finais do encontro. Quando se dá espaço a uma equipa irrequieta e com olho sempre posto no risco, é pedir reviravolta algo que acabou por se verificar no final dos 80 minutos.

Boa vitória para Brad Thorn que continua a ter esperança na revolução feita pela juventude que existe dentro dos Reds de Queensland.

LIONS EXPLODEM EM 40 MINUTOS DE EXCELÊNCIA

Quade Cooper e Will Genia só podem queixar-se de si mesmos quando no final do jogo viram Gianni Lombard a converter três pontos para garantir uma reviravolta histórica dos Lions em Joanesburgo: passaram de 05-33 para 36-33, tudo feito em menos de 35 minutos… inacreditável e espectacular, mesmo ao gosto do Super Rugby!

Os vice-campeões da maior competição de clubes do Hemisfério Sul acordaram na 2ª parte, dando um bom uso à bola e às 20 penalidades (é o recorde de 2019 em termos de faltas cometidas) que receberam, com Marnus Schoeman, Kwagga Smith, Tyrone Green (um autêntico tanque com asas, completando 10 defesas batidos e 3 quebras-de-linha), Waisale Simelane e Courtnall Skosan a serem autênticos “berbequins” no quebrar da defesa contrária.

Foi paupérrima a prestação dos Rebels tanto na placagem (78% de eficácia, com 33 placagens falhadas em 145), como na postura no breakdown (12 faltas na disputa no chão, com vários dos prevaricadores a caírem sobre a bola e a impedirem uma disputa correcta ou uma saída rápida limpa) ou na leitura da defesa ao largo, abrindo constantes falhas aproveitadas pelos Lions ao ponto de se ter dado uma reviravolta histórica.

Quade Cooper atacou “bem”, mas nunca foi um defesa minimamente plausível e de qualidade, Will Genia chegou à 2ª parte esgotado e Jack Maddocks ou Dane Haylett-Petty nunca estiveram activos durante todo o encontro, numa demonstração da total ruína dos australianos nesta 1ª saída de território australiano em 2019.

Será que esta vitória foi a tónica necessária para a equipa comandada por Swys de Bruin? Ou os erros e facilidades oferecidas pelos Lions vão ser decisivas durante a época?

OS JOGADORES-PORMENORES DA SEMANA

Melhor Chutador: Damian McKenzie (Chiefs) e SP Marais (Stormers) – 13 pontos (90% e 100%, respectivamente) com 3 penalidades e 2 conversões
Melhor Placador: Luke Jones (Rebels) – 23 placagens (92%)
Melhor Marcador de Ensaios: Brandon Paenga-Amosa (Reds) e Folau Fainga’a (Brumbies) – 2 ensaios cada
Melhor Marcador de Pontos: Damian McKenzie (Chiefs) – 18 pontos (1 ensaio, 3 penalidades e 2 conversões)
O Rei das Quebras-de-Linha: Hamish Stewart e Chris Feauai-Sautia (Reds) – 4 cada
O Jogador-Segredo: Tyrone Green (Lions)
Lesionado preocupante: Nada a apontar
Melhor Ensaio: Quade Cooper (Rebels) vs Lions


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter