Power Rankings para a temporada 22/23 da NBA – 30 a 20

Nuno CanossaJunho 18, 20225min0

Power Rankings para a temporada 22/23 da NBA – 30 a 20

Nuno CanossaJunho 18, 20225min0
A primeira parte de três sobre os Power Rankings da NBA 2022/2023 com notas de quem pode aproveitar melhor a sua situação actual

Se é completamente descabido tentar prever a classificação final da próxima época, dois dias depois de terminar a última temporada e com 3 meses de mudanças em plantéis (draft e free agency) pela frente? Afirmativo. Porém, não deixa de ser um exercício curioso. Assim sendo, avanço com a 1ª de 3 partes destes primeiros e demasiado prematuros power rankings da próxima temporada da NBA. Ou por outras palavras, um ranking das 30 equipas em 2022/2023 naquilo que é a força das suas candidaturas ao título baseado só, e somente, em especulações

30. OKLAHOMA CITY THUNDER

É certamente a decisão menos arriscada de toda esta especulação. Na realidade, os Thunder muito dificilmente serão a equipa com pior registo da próxima temporada. Mas apesar da competitividade que têm demonstrado nos momentos inicias da época – a qual deverá voltar a surgir até aos inícios de 2023 – é esperado que haja um esforço individual e coletivo para que a escolha no draft do próximo ano seja tão valiosa como a do presente. Assim sendo, resta saber se Shai Gilgeous-Alexander atingirá a marca dos 60 jogos.

29. ORLANDO MAGIC

‘E com a escolha nº1 do draft de 2022, os Orlando Magic seleccionam…’. O melhor momento da época dos fãs da 2ª melhor equipa da Flórida poderá mesmo ser uma frase declamada pelo comissário Adam Silver. Ou isso, ou finalmente verem-se livres de Mo Bamba. Em todo o caso, a luta dos Magic no próximo ano será pelo troféu de Rookie do Ano. Que em caso de vitória, poderá ser um óptimo presságio.

28. HOUSTON ROCKETS

Após trocarem Christian Wood pela 26ª escolha deste draft e um pacote de batatas fritas, é improvável que o cenário dos Rockets divirja do dos Magic. Contudo, a novela John Wall deverá, pelo menos, ajudar Tilman Fertitta a vender alguns jornais e revistas.

27. DETROIT PISTONS

Apesar do evidente azar na lotaria do draft, os Pistons – que no início da época já não contarão com Jerami Grant – parecem estar um passo à frente no que toca ao talento e desenvolvimento do seu jovem core. Portanto, aconselho colocarem todas as fichas num 2º ano impactante de Cade Cunningham nas 27 vitórias da equipa.

26. SAN ANTONIO SPURS

Quem, por outro lado, não será impactante é a 9ª escolha do draft, pertencente aos Spurs. Gregg Popovich despedir-se-á da NBA numa época competitiva mas de sucesso limitado. Uma temporada que terá um espectador muito especial: Quin Snyder, que também será observado de forma especial pelos texanos.

25. NEW YORK KNICKS

Depois de uma temporada de alívio e relativo sucesso (20/21) para os nova-iorquinos, voltaram as angústias, incertezas e derrotas. Entre tantas outras questões que se poderiam colocar acerca dos Knicks, destacam-se as estadias de Thibodeau e Randle que parecem ter um fim anunciado durante 2022/2023.

24. INDIANA PACERS

Talvez, este seja uma das equipas mais complicadas de perspectivar. Argumentos viáveis poderão ser arranjados para justificar que os Pacers tanto sejam a equipa com pior registo, como presença certa, pelo menos, no play-in. Caso as movimentações no Verão sejam escassas ou nulas, um plantel com Haliburton-Hield-Brodgdon-Duarte-Warren-Turner tem tudo para ser competitivo.

23. SACRAMENTO KINGS

Apesar de pelas minhas projecções colocar os Kings fora do torneio de play-in, este poderá ser o ano em que a equipa californiana quebra parte do enguiço. Conseguir a entrada num torneio de eliminação de acesso aos playoffs seria um feito histórico para a equipa de Neemias Queta – o que, na realidade, só diz muito sobre a franquia. No entanto, para isso, é preciso primeiro reconstruir o plantel à volta de Sabonis e Fox o que, lamentavelmente, poderá tirar ainda mais espaço e tempo de jogo ao português.

22. WASHINGTON WIZARDS

Os Wizards foram o 1º classificado no Este da NBA durante 12 dias em 2021. Um feito-muito-ou-totalmente-irrelevante que conseguiram sem as suas duas maiores figuras: Bradley Beal e Kristaps Porzingis, que ainda não fizeram qualquer minuto em conjunto. O plantel dos Warriors é suficientemente talentoso para lutar pelas últimas vagas nos playoffs, sendo a disponibilidade física e o encaixe tático das duas figuras os maiores entraves (e a defesa, claro).

21. CHARLOTTE HORNETS

Kenny Atkinson levou uns jovens Brooklyn Nets liderados por um jovem base All-Star ao 6º lugar no Este. Poderá o cenário repetir-se? Só o tempo, LaMelo Ball e os joelhos de Gordon Hayward o dirão.

20. UTAH JAZZ

É complicado prever os próximos passos da equipa de Utah. No entanto e após a saída do treinador e a remodelação do branding desta equipa da NBA(equipamentos, court, logos), tudo aponta para um recomeço naquilo que é a busca dos Jazz pelo sucesso colectivo. Independentemente das trocas ou não-trocas das 2 principais figuras da equipa – Gobert e Mitchell -, a disfuncionalidade do plantel foi exposta neste final de temporada e assim se deverá manter no decorrer da próxima. Pelo menos, a situação parece requerer mais do que uma offseason para se resolver.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter