O Atletismo em 2021: Os nossos medalhados nacionais

Pedro PiresNovembro 6, 20215min0

O Atletismo em 2021: Os nossos medalhados nacionais

Pedro PiresNovembro 6, 20215min0
O Planeta do Atletismo elenca os medalhados por Portugal em 2021, quer seja em Europeus, Jogos Olimpícos ou noutras competições

Como habitual em ano olímpico, foi um ano de excelentes prestações, tanto a nível quanto internacional. Mas este 2021 foi bem especial, com anos memoráveis para uma série de atletas. Reduzir estas listas a três (ou quatro com alguma batota) não foi tarefa fácil, tal o talento que fica por mencionar. Esperemos que assim continue e abordamos neste artigo o atletismo nacional e as façanhas alcançadas.

Masculino

Ouro: Pedro Pichardo (Triplo Salto)

Começou o ano a conquistar o seu 1º título europeu em Pista Coberta, mas os seus olhos miravam o grande prémio: o Ouro nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pichardo não só não faltou à chamada, como fê-lo com uma enorme autoridade, com uma vantagem de 41 centímetros (!) face ao 2º classificado. Nesse dia chegou aos 17.98m, o que é um novo recorde nacional. Ainda coroou a sua época com o título da Diamond League, tendo alcançado todos os títulos individuais que podia em 2021. Em 2022 há Mundiais e…há recordes para ir à procura.

Prata: Francisco Belo (Lançamento do Peso)

Foi um ano onde lançou por quase duas dezenas de vezes a mais de 20 metros no Peso. Isso inclui os Europeus de Torun, onde alcançou um novo recorde nacional absoluto, com impressionantes 21.28 metros (antes já o tinha feito com 21.04m). Teve pouca sorte, pois o nível da competição foi incrivelmente elevado (em anos transatos, a medalha estaria no papo), tendo voltado a ficar no 4º lugar. Também fez o seu melhor de sempre ao livre, chegando aos 21.27m na Rep. Checa, a apenas 1cm do seu recorde absoluto. Não chegou à final dos Jogos de Tóquio, mas foi 2º na Taça da Europa e mais glória internacional está por chegar. Internamente, sagrou-se campeão de Portugal.

Bronze: Isaac Nader (800m/1.500m)

Seja nos 800m ou nos 1.500m, Nader foi o grande destaque do meio-fundo nacional e é um dos atletas que mais promete para os próximos anos. Nos 800m, subiu a 5º melhor de sempre, com a melhor marca nacional dos últimos 17 anos. Já nos 1.500m, também subiu à posição 5 de sempre, com as melhores marcas nacionais dos últimos 12 anos. Além de vários títulos nacionais (Campeão de Portugal por duas vezes nos 1.500m; Campeão nacional Sub-23 nos 800m e 1.500m), ainda alcançou o Bronze nos Europeus sub-23.

A beijar o pódio: Leandro Ramos (Lançamento do Dardo): Prata nos Europeus Sub-23, 5x recordes nacionais, Campeão de Portugal e Sub-23.

Feminino

Ouro: Patricia Mamona (Triplo Salto)

Época absolutamente sensacional no atletismo e até diria impensável para a grande maioria de nós. Chegou ao Ouro nos Europeus Indoor de Torun (14.53m), igualando o recorde nacional em pista coberta. Mas o melhor estava ainda reservado para o ar livre. Os 14.66m no Mónaco – à data um novo recorde nacional – tinham aberto muitas bocas pela forma como a marca tinha sido obtida (dando a ideia de haver espaço para melhorias). E Mamona assim o provou: 15.01m e uma medalha de Prata nos Jogos Olímpicos que sabe a Ouro. Os 15m são o patamar da imortalidade do Triplo feminino e a atleta portuguesa entra agora num clube muito restrito da elite mundial. A nível nacional, sem par, chegou ao seu 13º título de campeão de Portugal. Ainda há, pelo menos, um ciclo olímpico pela frente ao seu melhor nível…

Prata: Auriol Dongmo (Lançamento do Peso)

Numa temporada muito voltada para o circuito internacional de atletismo e sempre entre a nata da elite, Auriol Dongmo nunca se intimidou com os grandes momentos no melhor ano da sua carreira. Alcançou o título europeu em pista coberta (e respondendo muito bem quando, inesperadamente, foi chamada a isso sob pressão) e foi 4ª nos Jogos de Tóquio, a apenas cinco centímetros do pódio. A evolução de Auriol tem sido espetacular e, tendo já chegado aos 19.75m, os 20 metros estão já ali. Confesso ter elevadas expetativas para a sua época 2022, especialmente para o que pode fazer em Eugene.

Bronze: Liliana Cá (Lançamento do Disco)

Desde que regressou ao Atletismo, Liliana Cá tornou-se num nome incontornável da modalidade em Portugal. Este ano foi o seu melhor de sempre, “crescendo” mais de cinco metros e chegando a incríveis 66.40m, um novo recorde nacional e a certeza de que está agora entre a elite mundial. Isso ficou confirmado com o excelente 5º lugar nos Jogos de Tóquio – onde até estava frustrada porque queria mais! – e com as nove marcas acima dos 63 metros neste ano. Alcançou também excelentes vitórias na Taça da Europa de Lançamentos e na Superliga Europeia. Não faço qualquer tipo de previsões quanto ao futuro da Liliana pois tem chegado a patamares inimagináveis há bem pouco tempo.

A beijar o pódio: Cátia Azevedo (400 metros): 2x recordes nacionais, campeã e recorde dos campeonatos de Portugal, semi-finalista dos Jogos de Tóquio.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter