Um miúdo de Chicago e um alemão entram na NBA

Rui MesquitaMarço 10, 20198min0

Um miúdo de Chicago e um alemão entram na NBA

Rui MesquitaMarço 10, 20198min0
Um miúdo de Chicago e um alemão entram na NBA podia ser uma piada cliché mas é uma história de duas lendas da NBA, impossíveis de dissociar!

O título podia ser o início de uma piada como tantas outras, mas não é. É a história de dois dos maiores jogadores de sempre da NBA que estarão para sempre ligados. Cada um venceu o seu primeiro título contra o outro e foram os dois homenageados no All-Star Game deste ano. Por esta altura o leitor certamente já adivinhou de quem se fala: Dirk Nowitzki e Dwyane Wade.

A história dos dois confunde-se apesar de serem tão distintas. Um é americano e o outro europeu. Um é um base com 1,93m e o outro é um power forward com 2,13m. Um jogou sempre na Conferência Este e o outro na Oeste. Mas vamos começar do início e pelo mais velho.

Dirk, um alemão de outro mundo

O gigante alemão de nome Dirk Nowitzki chegou à NBA em 1998. Foi a nona escolha do draft e foi trocado dos Bucks para os Mavericks. A troca trouxe para Dallas Steve Nash e os dois tornaram-se grandes amigos. Os primeiros anos de Dirk na Liga foram complicados já que a passagem da segunda liga alemã para a maior liga do mundo nunca é fácil.

Apenas na terceira época Dirk chegou aos playoffs e perdeu em 5 jogos frente aos rivais texanos San Antonio Spurs. A partir daí foram 12 anos seguidos nos playoffs, com 3 chegadas às finais de Conferência e 2 às Finais da NBA. Nessas duas vezes Dirk enfrentou os Miami Heat de Wade. Em 2006 Dirk perdeu para os Heat e em 2011 venceu com uma equipa que contava com Jason Kidd e Tyson Chandler.

Na fase regular, Dirk sempre foi dominador. O seu mítico lançamento em fadeway é um dos mais imparáveis da história! Com isso, o alemão arrecadou 14 presenças no all-star game, 4 nomeações para NBA first team e um prémio de MVP. Essa época de MVP (2007) foi a melhor da sua carreira na fase regular e acabou por entrar para o famoso clube 50-40-90. Este é o clube restrito de jogadores com percentagens de acerto de 50% em lançamentos, 40% em triplos e 90% em lances livres.

Dirk e Nash, uma das maiores amizades da NBA (Foto: Dallas Morning News)

Apesar do sucesso na fase regular, nos playoffs Dirk sempre desiludiu um pouco. Houve sempre criticismo associado às eliminações dos Mavs na post-season por Dirk não conseguir dar o último passo na direção do título. Mesmo na final de 2006, os Mavericks talvez tivessem melhor equipa do que os Heat. Mas para explicar o insucesso desse ano teremos a história sobre o rival dessa final.

2011 e a glória

Todo o criticismo que existia desvaneceu-se em 2011. Depois de eliminar os campeões em título Lakers e os jovens Thunder, Dirk chegava a mais uma final da NBA. Com uma equipa equilibrada mas limitada, os Mavs defrontavam novamente os Miami Heat. Desta vez os Heat tinham Wade, Bosh e LeBron James! Uma equipa cheia de talento que era clara favorita à vitória final.

Mas na NBA nem sempre os favoritos ganham. E se Dirk perdeu a final de 2006, redimiu-se em 2011. Muitos dizem que foi a capacidade dos Mavericks em limitar a capacidade ofensiva de LeBron que lhes deu o título, mas Nowitzki foi o herói. Com média de 26 pontos por jogo e quase 10 ressaltos, o gigante alemão foi o fator decisivo para o primeiro título da história dos Mavericks.

A conquista mais que merecida do gigante alemão (Foto: 247sports.com)

Desde aí, os Mavs estiveram nos playoffs por mais 4 vezes, perdendo sempre na primeira ronda. 2011 foi a última grande oportunidade do alemão chegar ao título e Dirk não a desperdiçou!

Dirk vai terminar a carreira esta época como o sétimo melhor pontuador da NBA e um dos melhores estrangeiros de sempre. O momento do vídeo abaixo em que Doc Rivers para o jogo para homenagear o gigante alemão mostra a importância o papel de Dirk na Liga!

Um Flash de Chicago diretamente para Miami

Dwyane Wade nasceu em Chicago, 4 anos depois de Nowitzki. Entrou na NBA em 2003 para a sua eterna equipa: os Miami Heat. Antes da chegada de Wade, os Heat não tinham nenhum título conquistado. Isso acabou no terceiro ano de Wade na Liga.

Wade tinha a companhia de Shaquille O’Neal com 33 anos e a caminhada até ao título foi impressionante. Venceram os Bulls, os Nets e os Pistons para chegar à grande final contra os Mavericks de Nowitzki. Aí, apesar de não serem favoritos, os Heat levaram a melhor ganhando 4 jogos depois de estarem a perder 2-0.

A grande dúvida nessa caminhada era como Wade iria responder nos momentos de pressão, estando pela primeira vez a liderar uma equipa na luta pelo título, aos 24 anos! O Flash (como é conhecido) venceu o prémio de MVP das finais e apontou a terceira melhor média de pontos da história das finais da NBA com 34,7! É, ainda hoje, considerada uma das melhores performances em finais de sempre.

Uma das melhores performances da história das Finais da NBA (Foto: Heat Zone)

O sucesso desse ano voltou no ano seguinte. Shaq ficou mais velho e Wade foi fustigado por lesões que fizeram os Heat falhar os playoffs no ano de 2008. No ano seguinte e já sem Shaq, Wade voltou aos playoffs mas, sem grande ajuda, perdeu na primeira ronda para os Atlanta Hawks. A época de 2009 marcou, apesar disso, uma conquista importante para Wade: foi o melhor marcador da NBA!

Com LeBron James o calor (Heat) aumentou

Quem achava que o sucesso de Wade nos playoffs estava acabado, enganou-se. Os Heat juntaram um dos melhores Big3 da história contratando Bosh e LeBron James! Este último era o MVP da Liga e talvez o único jogador melhor que Wade naquele momento.

Juntar os dois demorou a encaixar e no primeiro ano perderam, como vimos acima, para os Dallas de Dirk. Ainda assim Wade foi o melhor jogador dos Heat nessa final e não foi por ele que os Heat não chegaram ao segundo título.

Esse segundo e o terceiro título da sua carreira chegaram nos dois anos seguintes. Vitórias frente aos Thunder e Spurs solidificaram o legado de Wade e a sua relação com LeBron. Os dois tornaram-se melhores amigos, depois da rivalidade que acompanhou o crescimento dos dois na Liga.

Uma das parcerias mais letais de que há memória (Foto: WBUR)

Depois destas duas conquistas, Wade ainda passou pela equipa da sua terra natal e pelos Cavaliers de LeBron. Apesar disso, voltou aos “seus” Miami para terminar a carreira.

O jogo de Wade era eletrizante. Um ataque ao cesto fantástico, exímio a procurar contacto e um defensor de elite. Flash conseguiu 3 nomeações para melhor equipa defensiva e 2 para melhor equipa da NBA! Para além disso, Wade é um dos jogadores mais clutch da história da NBA, frio nos momentos decisivos e eficaz quando a equipa mais precisa. O tipo de jogador para construir um franchise e ganhar 3 títulos no processo.

Faltou-lhe o prémio de MVP. Aliás, há quem ache uma das maiores injustiças da NBA Wade nunca ter ganho o prémio.

 

Dois dos maiores jogadores da história da NBA, com duas finais disputadas entre si e uma rivalidade saudável. Os dois retiram-se esta época e mereceram uma chamada especial ao all-star game na sua época de despedida. A nós, que passamos anos a vê-los brilhar nos maiores palcos do basquete, resta-nos olhar para trás com saudade e lembrar que, parafraseando o filme Casablanca, teremos sempre 2006 e 2011.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter