A dança nas cadeiras dos treinadores na NBA

João FerreiraNovembro 5, 20203min0

A dança nas cadeiras dos treinadores na NBA

João FerreiraNovembro 5, 20203min0
É sempre complicado ser um dos treinadores das equipas da NBA. No entanto, estes treinadores já têm experiência suficiente para serem contratados por qualquer equipa. Fica aqui o exemplo de alguns.

No mundo do desporto, muitas vezes, é o treinador que sofre as repercussões de jogos menos conseguidos, de objetivos não atingidos, de equipas mal construídas. A profissão de treinador é, por isso, ingrata na sua génese e a NBA não é exceção. Se a equipa ganhar e fizer grandes jogos, foi o coletivo que ganhou, a equipa estava recheada de grandes jogadores e o treinador é menosprezado. Se por acaso, aconteceu alguma coisa mal, a culpa é imediatamente do treinador.

Já aqui escrevi que não sou fã, por exemplo, do trabalho de Doc Rivers, antigo treinador do L.A. Clippers e que deitou para o lixo anos e anos de boas equipas do franchise de L.A. e nunca foi capaz de provar que o seu trabalho era digno de um grande treinador com grandes equipas.

Também já aqui escrevi que Mike Malone, treinador dos Denver Nuggets, tem feito um trabalho soberbo no que diz respeito a classificações e este ano viu-se a evolução da equipa de Denver ao ter ido à final da Conferência Oeste contra os Lakers.

Todos os anos há despedimentos e contratações de treinadores, que prometem alterar por completo o paradigma e a forma de estar de uma equipa. Este ano, a dança nas cadeiras de treinadores tem sido grande e deixamos aqui alguns exemplos:

Doc Rivers (Philadelphia 76ers)

Hum. Doc Rivers continua a ser treinador de uma equipa de playoffs, depois do trabalho miserável que fez durante todos os seus anos nos Clippers. Se algum de vocês não tem trabalho, acreditem, pois se este senhor tem, vocês também terão.

Philly era um destino apetecível para qualquer um, mas principalmente num momento em que se fala de uma possível reestruturação da equipa, com algumas trocas de jogadores importantes, como de Embiid ou Simmons, os 76ers necessitavam de alguém que viesse dar algumas garantias de qualidade vindas do treinador.

Não é o caso, vai correr mal.

O que vai ser de Doc Rivers em Filadélfia? (Foto: NBA)

Steve Nash + Mike D’Antoni (Brooklyn Nets)

Este sim é um duo que me entusiasma, e de que maneira.

D’Antoni não ficou famoso pela forma como colocou os Houston Rockets a jogar, mas a verdade é que na vertente ofensiva é um dos poucos treinadores que consegue criar jogadas, colocando vários jogadores prontos para armar um lançamento de 3, quase sem oposição.

E depois, a primeira grande oportunidade de Steve Nash enquanto treinador. O que é para muitos o melhor base de sempre a jogar na NBA, irá certamente trazer à equipa aquilo que ele tinha de melhor. Organização exímia no ataque, e uma agressividade saudável na defesa.

Não nos podemos abstrair que estes dois senhores da NBA irão se juntar com dois futuros HOF, Kyrie Irving e Kevin Durant, e a uma equipa que tem tudo para ir muito longe nesta próxima época.

Outros treinadores, outras dúvidas:

Billy Donovan em Chicago- parece uma escolha acertada, tanto para o treinador como para o franchise. A manter o projeto, pode ser que se volte a ver Chicago a jogar um bocadinho melhor.

Tom Thibodeau nos Knicks- o treinador com a voz mais grave da NBA vai assim atormentar o Madisson Square Garden com o seu jogo defensivo. Vamos ver o que sai daqui.

Tyron Lue nos Clippers- surpreendente, muito surpreendente. Será que Kawhi vai fazer de LeBron no último ano do treinador e vai virar treinador a meio do ano?


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter