28 Mai, 2018

Possíveis cidades para expansão na NBA

Fair PlayOutubro 31, 20174min0

Possíveis cidades para expansão na NBA

Fair PlayOutubro 31, 20174min0
Fica aqui a "dica" para as franquias da NBA... As possíveis cidades para expansão na NBA que podem mudar o basket dos Estados Unidos da América

Desde 2004, a NBA conta com o mesmo formato de 30 franquias. Desde que a liga foi oficialmente formada, em 1946, esse é o maior período sem alteração no número de equipas. Apesar do número 30 ser algo bem-aceito pela liga e os fãs, existe a possibilidade real de no futuro próximo acontecer uma expansão. Isso é confirmado pelo próprio comissário da liga, Adam Silver, que afirmou que mais equipas na NBA é algo inevitável.

Caso novas equipas da NBA sejam adicionadas, é provável que isso não passe de duas. Entre as cidades, há algumas que estão com maior favoritismo, como Louisville e Seattle. Além dessas, há muitas outras que poderiam se adequar com uma equipa de basquetebol profissional.

Seattle —  Essa é a cidade mais favorita para receber uma equipa da NBA. Com grande passado, os Supersonics jogaram em Seattle entre 1967 a 2008 antes de virar o Oklahoma City Thunder.

Seattle é uma cidade tradicional desportiva, o que ajuda ainda mais na possibilidade da volta do basquetebol profissional. Nas ligas americanas, por lá estão os Seahawks no futebol americano, Sounders no futebol e Mariners no basebol. O problema para Seattle, no entanto, seria a construção de uma nova arena, pois esse foi um dos principais motivos da ida para Oklahoma há 10 anos.

Cidade do México — Uma das 20 maiores cidades do mundo, México fica apenas a três horas de avião de Dallas e também próximo de outras cidades com equipas da NBA, como Oklahoma, Phoenix e outras.

Portanto, a viagem não seria um problema e a Mexico City Arena foi construída há apenas cinco anos, já tendo recebido jogos da época regular da NBA. Também seria a primeira equipa entre as grandes ligas dos Estados Unidos a ter uma sede em México. No lado financeiro, teria seus benefícios.

Las Vegas — A cidade inaugurou neste ano sua primeira equipa na liga de desenvolvimento da NBA e está com sucesso com o Golden Knights, em sua época de estreia na NHL. Além de ser uma cidade que respira a cultura do entretenimento, Vegas também fica perto de outras grandes metrópoles americanas.

Também há o facto de que Vegas já tem uma arena pronta para receber jogos de basquete, a T-Mobile Arena, que actualmente é a casa dos Golden Knights.

Louisville — Um lugar de muita tradição universitária, Louisville é uma das maiores cidades americanas que não tem nenhuma equipa nas quatro grandes ligas. Assim como Vegas, já tem uma arena para os jogos de basquetebol, a KFC Yum! Center.

O problema para Louisville é que a NBA já tem equipas na região central dos Estados Unidos que não são grandes mercados, como Memphis e Oklahoma. A liga pode querer uma equipa em cidade maior, como Vegas ou Cidade do México.

Austin — Essa cidade texana é classificada como uma das maiores dos Estados Unidos em população, e traria outra equipa da NBA no estado do Texas, pois actualmente San Antonio Spurs, Houston Rockets e Dallas Mavericks estão lá.

A quantidade de equipas no mesmo estado não é problema para a NBA, pois na Califórnia há quatro equipas. Isso também traria uma rivalidade com os Spurs, pois Austin fica a apenas 128 quilómetros.

Chicago — New York é uma região com duas equipas e Los Angeles também. Chicago poderia ser a terceira cidade da NBA com rivais, assim como acontece no basebol com Cubs e White Sox.

Um mercado enorme, Chicago teria toda estrutura para receber uma nova equipa da NBA. Claro que os Bulls são muito tradicionais, mas os Clippers foram para Los Angeles quando os Lakers já estavam bem estabelecidos.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter