Odiar Stephen Curry é cada vez mais difícil

Rui MesquitaNovembro 16, 20214min0

Odiar Stephen Curry é cada vez mais difícil

Rui MesquitaNovembro 16, 20214min0
Stephen Curry é um dos jogadores mais amados e mais odiados da NBA, mas é impossível odiá-lo. Acreditem, eu tentei!

“Olá, o meu nome é Rui e estou sem odiar o Stephen Curry há 2 anos.”. Esta podia facilmente ser uma frase de apresentação minha, se existisse uma espécie de Haters de Curry Anónimos. Deixem-me explicar de onde vem o meu ódio ao jogador dos Golden State Warriors, para não pensarem que é um ódio irracional e sem motivos.

Eu sou assumidamente fã dos OKC Thunder desde a caminhada épica para a Final em 2012, perdida para os Miami Heat. Desde aí tinha uma esperança cega de que aquela equipa dos Thunder iria chegar a um título. Durant e Westbrook no seu auge, o que podia correr mal?

Isto leva-nos ao ano de 2016, depois de lesões comprometerem os anos anteriores. Era o ano dos Thunder! Sem grandes pressões, mas com 2 dos melhores jogadores da Liga, eliminaram os Mavericks e os Spurs e, do nada, estavam a ganhar 3-1 nas Finais da Conferência aos Golden State Warriors. Aí apareceram os Warriors que toda a gente conhece. Implacáveis, divertidos, focados, com os 2 melhores lançadores da história do basquete. Muitos dizem que a reviravolta é obra de Klay Thompson, mas (e veremos isso mais à frente) naqueles e em todos os Warriors é tudo obra de Curry.

Depois dessa derrota histórica, os Thunder implodiram lentamente, com a saída de Kevin Durant e, eventualmente, de toda a gente dessa equipa, incluindo Russell Westbrook. O culpado? Stephen Curry, claro. Era impensável para um fã dos Thunder não odiar aquele craque.

Impossível odiar um talento destes

Quando deixei de odiar Curry? Fui deixando de odiar, à medida que me ia distanciando da tristeza de ver a minha equipa destruída. Foi aí que comecei a apreciar a qualidade de Curry. Antes de irmos a números e análises comecemos pelo comentário geral: Stephen Curry é o melhor lançador da história e o melhor point guard não chamado Magic Johnson (talvez no final da carreira de Curry nem Magic sobreviva).

Curry a fazer o que faz melhor (Foto: Getty Images)

Curry é o único MVP unânime da NBA (2016) e é o jogador com mais triplos marcados ao ter ultrapassado os 3358 de Ray Allen. O que impressiona nisto? Allen fez isto em 1471 jogos e Curry precisou apenas de 886 para chegar lá. Com este volume de lançamentos, mesmo sendo extraordinariamente bom, é expectável que a sua percentagem de acerto não seja de elite, certo? Bem… neste momento é o 7º melhor nessa categoria com 43,2% de acerto com mais do dobro dos lançamentos por jogo do que quase todos cima de si (quase o dobro de Joe Harris).

Mais do que os números de triplos, impressiona a facilidade com que lança de longe. Impressiona a gravidade que tem no jogo, atraindo marcações dos adversários. Klay é um lançador de topo, mas beneficia imenso desta gravidade à volta de Steph. Não são só os pontos, as assistências, é o impacto no jogo dos Warriors e os títulos. Aos 33 anos tem 3 títulos da NBA, 2 prémios de MVP, 2 títulos de melhor marcador da Liga, 1 época com percentagens de 50-40-90 e 4 All-NBA First Team. Um bom palmarés, que não conta metade da história.

Este artigo surge quando Curry está de regresso à sua melhor forma. Está com 28,1 pontos por jogo (3º melhor registo da carreira), 5,5 ressaltos e 6,2 assistências. É líder na corrida de MVP da época e já levou os Warriors a 11 vitórias em 13 jogos (mesmo sem Klay Thompson).

Mais do que números, mais do que jogo

Stephen Curry tem os seus defeitos em campo e no palmarés. A sua defesa não é incrível e sempre foi compensada pelos companheiros e por um sistema bem montado de Steve Kerr. Não foi MVP das Finais em nenhum dos 3 títulos e tem de provar que consegue trazer estes Warriors de volta ao topo da NBA.

Apesar de tudo isto, o impacto e a qualidade de Curry vão para além do jogo e dos números. Steph influenciou a forma como se joga basquete. Foi um dos poucos jogadores da história a mudar efetivamente o desporto. Fala-se numa nova era da NBA, onde se privilegia o lançamento de triplos, e essa era começa com Stephen Curry.

Curry tem uma alegria contagiante a jogar, uma classe vista em poucos jogadores e uma qualidade que no chamado “eye test” como um dos melhores da história. Poucos jogadores mudaram tanto o jogo como Curry e, por isso, odiar Stephen Curry é odiar o basquetebol e depois de uma fase negra em 2016, posso dizer que eu adoro basquetebol.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter