A melhor primeira ronda no Oeste

João PortugalMarço 21, 20197min0

A melhor primeira ronda no Oeste

João PortugalMarço 21, 20197min0
A primeira ronda de jogos da NBA está prestes a começar e destacamos o Oeste como a melhor combinação possível! Estás pronto para estes duelos titânicos?

Este texto começa como um post de uma celebridade de instagram, ou como uma daquelas publicidades de youtubers a dar conselhos financeiros: com um aviso legal.

Não que seja celebridade ou que isto seja uma publicidade, mas o meu aviso é o seguinte: trata-se de um artigo de opinião, em que vou mostrar quais os possíveis match ups de primeira ronda dos playoffs considero mais interessantes, ou quais gostava que acontecessem, não os mais prováveis, nem os que respeitam as posições actuais.

A maravilha da situação na Conferência Oeste é que, à excepção de Warriors-Nuggets, qualquer outro embate pode acontecer na primeira ronda. Por outro lado, os Sacramento Kings perderam na madrugada de terça para quarta, estão demasiado longe do oitavo lugar. O top8 que está agora, é o que vai ficar, e as últimas seis posições podem ficar em qualquer ordem, assim como o Golden State e Denver ainda podem trocar entre si. Resumindo, não há regras.

Warriors – Spurs

Já não há Kawhi Leonard, porém todos os adeptos da NBA merecem uma série, sem lesões desta vez, entre Steve Kerr e Greg Popovich. Acho improvável que venha a acontecer na primeira ronda, mas pode perfeitamente ser o destino dos dois franchises nas meias-finais, ou até mesmo na Final de Conferência. Golden State, apesar de andarem a jogar mal, para os standards que nos habituaram, são os esmagadores favoritos, enquanto que San Antonio é a equipa em melhor forma na liga. Vão numa série de nove triunfos consecutivos, incluindo vitórias sobre OKC, Denver, Milwaukee, Portland e Warriors.

Por que é que me foquei nos dois treinadores? Porque os considero como os melhores ofensivamente em toda a NBA. Quem segue o que escrevo desde que Kerr assumiu a liderança dos Warriors, que não o coloco num patamar de elite, ao nível de treinadores como Rick Carlisle, Greg Popovich ou Mike Budenholzer, todavia, no que a esquemas ofensivos diz respeito, tem tudo.

Aprendeu, estudou e trabalhou com todos os melhores. Finalizou essa fase de extracção de conhecimento o Coach Pop, e foi uma pena enorme, nunca termos tido os velhos Spurs, que estavam destinados a encontrar-se com Golden State, quando Chris Paul, ainda nos Clippers, com uma lesão na coxa, fez o game-winner no jogo 7 da primeira ronda, fora de casa, em 2015.

Nuggets – Clippers

Esta escolha recai, simplesmente, no facto de serem os dois grupos menos experientes nos playoffs, a jogar juntos claro. A melhor organização de LA, num espaço de dois anos, trocou o seu cinco titular e montou uma equipa com três rapazes no rookie deal, e têm os dois suplesntes mais produtivos da NBA.

Trocaram Blake Griffin, onde resgataram Tobias Harris, que transformaram em All-star (mesmo tendo sido uma snub). Todos os anos há vários jogadores que produzem a um nível suficiente para ser All-star e não são selecionados. Harris foi um deles. E acabou trocado para Philadelphia. E os Clippers continuam a ser uma ameaça a terminar com home-court advantage. Contudo, queria mesmo que ficassem no 2-7 match up.

Denver é a outra história maravilhosa da temporada. As previsões colocavam-nos como uma das possibilidades ao top4 no Oeste, mas daí a disputarem o primeiro lugar com a melhor equipa de sempre, até ao último dia?

Os Warriors há muito que não jogam como a melhor equipa de sempre, mas não há nada que tire o mérito ao que Mike Malone tem feito. Não foi só terem dominado a conferência mais forte do princípio ao fim, foi terem andado número a número, ofensivamente com Golden State. Acredito tanto em Denver que nos últimos três anos apostei sempre no Most Improved Player neles. Primeiro Jokic, perdeu para o Greek Freak, o ano passado Gary Harris, perdeu para Oladipo, e este ano Jamal Murray.

Nuggets vs Clippers (Foto: LA Times)

Thunder – Jazz

Todos os anos gosto que haja um rematch do ano anterior. E esta foi a melhor primeira ronda dos playoffs da época passada. OKC perdeu, mas melhorou muito. Houve um shift na liderança dentro de campo, Paul George é a clara e inequívoca primeira opção no ataque. Foi um top5 nesta regular season que está a terminar, ponho-o no segundo tier com Steph Curry e Joel Embiid, logo atrás do Giannis e do Harden.

A questão principal é sempre a mesma, quantos minutos conseguirão do banco para descansar os melhores jogadores? É uma série que será sempre decidida pelas estrelas, vai ser dura com muitos confrontos, especialmente depois do triste episódio de há umas semanas em Salt Lake City com um adepto e Russell Westbrook.

O que quer dizer uma série decidida pelas estrelas? Que são duas equipas de enorme qualidade, com uma defesa top5 (3ª e 4ª) com um ataque abaixo da média da NBA. Quem vai compensar nesse campo? Paul George, Westbrook, Donovan Mitchell, Joe Ingles. Utah e Oklahoma são casos curiosos porque as outras defesas de elite, as cinco melhores, Bucks, Celtics e Pacers, têm offensive ratings superiores, e estes plantéis têm qualidade para atacarem acima da média. São duas formações que parece que se atraem e jogam diferente de todas as outras.

Rockets – Blazers

Por exclusão de partes sobram Houston e Portland. Contudo eu não escolhi uma série de James Harden vs Damian Lillard por exclusão de partes. Estamos a falar de um jogador que vai terminar pelo quinto ano seguido no top2 da luta pelo MVP.

Estamos a falar de um jogador que na primeira vez que foi aos playoffs meteu a series winner contra este mesmo adversário e criou uma das explosões de pavilhão mais incríveis que vi. Ouve-se dizer bastante que os Rockets são os melhores do Oeste para derrotar os Warriors e Steph Curry, e todos os dias saem artigos intitulados “Pode Houston derrotar Golden State?” A resposta é óbvia, sim! Aliás, só há uma resposta para todos estes textos. O que importa é a frequência em que o conseguem fazer. Primeiro, queria vê-los derrotar Lillard e os Blazers.

Do lado de Portland, acima de tudo é preciso confiar no trabalho da equipa médica para que CJ McCollum esteja apto no início dos playoffs, porque não foi definida uma data para o seu retorno, e normalmente, isso não é bom. Ele disse, todavia, nos últimos dias, que seria reavaliado duas vezes por semana. Por que é que este foco na lesão é tão importante?

Obviamente porque CJ é um excelente jogador, faz uma parelha com Lillard que inveja John Wall e Bradley Beal, e muitas outras duplas dos últimos anos que quiseram ser denominadas como “o melhor backcourt da NBA”, que, por sinal, mora em Oakland desde 2014. Como notou John Schuhmann esta semana, Portland marca mais 21,2 pontos por 100 posses de bola que o adversário quando utiliza o 5 inicial, o melhor net rating de toda a liga desde o All-star break. E o banco deles, como é hábito há muitos anos, é muito fraco.

São estes os meus duelos para a primeira ronda. Provavelmente escolhi dois (Warriors vs Spurs e Rockets vs Blazers) que têm muito mais probabilidade de acontecerem nas meias-finais do que já daqui a três semanas. Quão errado acham que estou? Qual seria o percurso que gostavam que a vossa equipa preferida fizesse rumo à Final? Comentem no artigo ou na nossa página de Instagram!

(Foto: Bill Baptist/NBAE via Getty Images)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter