LeBron James não é o GOAT, mas é o GAJ

Rui MesquitaOutubro 15, 20205min0

LeBron James não é o GOAT, mas é o GAJ

Rui MesquitaOutubro 15, 20205min0
O "King" conquistou o seu 4º anel de campeão da NBA e a discussão está lançada... é ele o melhor de todos os tempos ou só um dos maiores, mas atrás do ícone Michael Jordan?

Mais um ano, mais uma época com LeBron James nas Finais da NBA e… mais um título. LeBron já leva 10 aparições na decisão do título, 4 troféus conquistados e 4 troféus de MVP das Finais. Tudo isto em 3 equipas diferentes e nas duas conferências da NBA. Um currículo invejável, ao alcance apenas dos predestinados. LeBron é, sem dúvida um dos melhores da história do basquete, mas não consegue fugir das comparações com Michael Jordan.

Vamos começar por pôr os pontos nos is, como fizemos no título. Jordan é o GOAT (Greatest Of All Time), e LeBron é o GAJ (Greatest After Jordan). MJ está num patamar (a meu ver) inalcançável, num lugar só para si, mas se ninguém se aproxima de Jordan também ninguém se aproxima do segundo lugar de LeBron James. Também ele está num patamar só para si e, para mim, mais perto de Jordan do que da restante concorrência.

As críticas e o seu sentido

Todos conhecemos as críticas que fazem a LeBron. A maior delas é fruto desta comparação com MJ, pegando no 6 em 6 em Finais do histórico dos Bulls, comparando com o registo menos imponente de James. O argumento é baseado em factos, mas não passa daí.

A interpretação desses factos até tende a ser mesmo errada. É mais impressionante o número de Finais de LeBron do que o record de Jordan quando lá chega. O domínio da Conferência Este que LeBron exerceu durante 8 anos é inacreditável. As derrotas nas Finais dizem mais sobre a equipa de LeBron e dos seus adversários do que do jogador. Tirando 1 ou talvez 2 derrotas, LeBron foi sempre underdog nas que perdeu. Muitas vezes se faz a comparação entre as equipas dos Warriors que baterem LeBron e os Bulls de Jordan e isso diz tudo.

Outra das críticas é o facto de LeBron não assumir lançamentos quando é para decidir jogos, principalmente nas Finais. Também aqui a comparação com Jordan é inevitável. Jordan tem lançamentos míticos, alguns deles quando o título estava em jogo. LeBron não é um lançador, mas é o jogador mais inteligente da história. James prefere sempre fazer a jogada mais eficaz, fazer o que está certo para a equipa ao invés de jogar hero ball que sabe que não é o seu jogo. Mas também Jordan tem um passe memorável para Steve Kerr nas Finais. O instinto matador de Jordan é, talvez, a sua maior qualidade, e a de LeBron é, sem dúvida, a sua inteligência.

Os feitos únicos e o fascínio com LeBron

Numa época totalmente atípica, os Los Angeles Lakers chegaram ao 17º título e LeBron ao 4º. A lista abaixo ilustra a maioria das conquistas de LeBron, mas é a ponta do iceberg. LeBron está no top 5 em quase todas as categorias principais na história da NBA e na história das Finais da Liga. LeBron foi o jogador mais escrutinado deste século, a expetativa ao entrar na NBA era gigante e James superou todas. O holofote que já tinha só aumentou quando se juntou aos históricos Lakers, e mais uma vez, cumpriu.

LeBron é também gigante fora das quadras. O papel social que tem exercido é fundamental nas mudanças necessárias nos EUA e no mundo. É já um empresário de sucesso e vai aventurar-se também no cinema com Space Jam 2 (sim, LeBron também não ajuda a que fujamos das comparações com Jordan).

É absolutamente fascinante como um jogador que parecia depender tanto da sua imponência física mantenha o domínio aos 35 anos de idade. 17 épocas ao mais alto nível e sem sinal de abrandar.

Há 2 argumentos que não posso deixar de dar quando falamos de LeBron. Há um detalhe a que ligo muito no desporto, os melhores jogadores normalmente parecem o melhor jogador, só pela forma como andam no campo. A forma e a imponência com que LeBron está em campo não deixa dúvidas. Tenho a certeza que uma pessoa que nunca tenha visto basquete, ao ver um qualquer jogo de James o vai escolher como melhor em campo ao fim de alguns minutos. O outro argumento é um mítico da discussão de basquetebol.

A pergunta é: 5 segundos no relógio, a perder por 1 num jogo 7 das Finais, que jogador da história queres com a bola na mão. Pode parecer uma pergunta de opinião, mas não acho que seja. A resposta certa aqui é Michael Jordan. Mas se mudarmos um pouco a pergunta e aumentarmos o tempo para 10 segundos, o caso muda de figura. Com 5 segundos não há grande tempo para executar uma jogada, é preciso 2 dribles e lançamento. Aí não há dúvida que Jordan é o melhor. Mas com tempo para pensar e executar uma jogada, a minha escolha cai para LeBron. James, com 10 segundos, vai encontrar o melhor lançamento seja para ele ou para um companheiro.

O ideal? 10 segundos, Lebron com a bola e Jordan pronto a receber o passe para o lançamento final no lado oposto. Vitória garantida.

O futuro e o que pode mudar

O futuro de LeBron James passa por Los Angeles. O jogador está feliz numa das maiores cidades do mundo, melhor local para potenciar a sua vida extra basquete. E dentro da quadra não está mal servido. Anthony Davis é um dos melhores jogadores da Liga e isso quer dizer grandes hipóteses de mais títulos.

Apesar de poder chegar a mais títulos, isso não mudará nada nesta discussão nem neste artigo (para além dos dados, claro). Como disse Zach Lowe no seu mais recente artigo sobre este título dos Lakers: para os apreciadores de LeBron isto não muda nada porque não é nada de novo, é LeBron a ser LeBron. Para os haters de James também não muda nada porque (e isto acrescento eu) infelizmente a COVID19 não cura cegueira desportiva.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter