Brooklyn Nets: duas equipas num só ano?

João FerreiraJulho 15, 20203min0

Brooklyn Nets: duas equipas num só ano?

João FerreiraJulho 15, 20203min0
Todos os anos as equipas mudam-se com a troca de jogadores. Este ano foi um pouco diferente e que o digam os Brooklyn Nets que viram grande parte da sua equipa impossibilitada de jogar neste retorno da NBA

O ano de 2020 tem vindo a ser, sem qualquer sombra de dúvidas, um ano atípico em todos os sentidos. Durante meses a fio ficamos sem ver os melhores jogadores do mundo e aquela equipa incrível  a jogarem para uma das competições mais renhidas e ferozes de todo o mundo.

A verdade é que quando dizemos que ficámos sem ver as equipas a jogar, no caso dos Brooklyn Nets, pode-se dizer que este processo de retoma trouxe a triste realidade de que não vão ter equipa para fazerem uma boa figura em Orlando e que apenas irão cumprir calendário para a Flórida.

Posto isto, vejamos.

Brooklyn Nets: pré-Covid-19

Ao longo da época regular e mesmo durante a pré-época as expectativas para ver uma equipa de Brooklyn competitiva a um nível nunca vista nos últimos anos foram crescendo e crescendo.

Afinal, Brooklyn tinha conseguido contratar Kyrie Irving (um dos melhores ball handlers da liga) e Kevin Durant (top-2 da NBA). Ainda conseguiram contratar um dos melhores postes da liga, nos últimos anos, DeAndre Jordan e um dos jogadores mais seguros all-around que a liga já teve, Wilson Chandler.

A juntar a isto, a manutenção de grande parte dos jogadores que já se encontravam na equipa (Spencer Dinwiddie, Joe Harris, Jarrett Allen e Caris LeVert) fez os adeptos dos Nets acreditarem que o pior estava para trás e que iriam ver a sua equipa a começar a render.

A verdade é que a equipa nunca foi o mais consistente. Durant esteve o ano todo de fora, Kyrie só voltou em fevereiro, acabando por mostrar o porquê de ser um jogador extremamente necessário, para qualquer equipa.

Antes da NBA parar, Brooklyn ia com 30 vitórias e 34 derrotas e encontravam-se num estranhamente muito confortável 7º lugar.

Brooklyn Nets: pós-Covid-19

A moeda virou, e a equipa de Brooklyn virou com ela. A pandemia desfez por completo uma equipa que prometia dar luta, fosse a Toronto, fosse aos Celtics.

Para além da Covid-19, os protestos do Black Lives Matter também têm tido a sua quota parte de culpa no desmembramento temporário desta equipa. Falamos em desmembramento temporário porque os jogadores mantém-se sob contrato e com garantias salariais asseguradas, apesar de se recusarem a jogar.

Brooklyn não vai poder contar com os lesionados Durant e Kyrie Irving, com os infetados DeAndre Jordan, Spencer Dinwiddie e Taurean Prince e com Wilson Chandler, que decidiu não fazer parte deste retorno por achar perigoso para toda a sua família.

Brooklyn teve, assim, que ir ao mercado para compor, ou tentar pelo menos, a sua equipa. O único mercado aberto para a contratação de jogadores na NBA é o de free agents e, por isso, vimos chegar alguns jogadores que se pensavam já retirados: Jamal Crawford e Michael Beasley.

Estes jogadores vêm, claramente, acrescentar experiência e ratice, algo que até era um pouco preciso na equipa de Brooklyn.

Será que Brooklyn tem o que é preciso para ser uma equipa “chata” nos playoffs?


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter