[Super Sprint] X Meeting Internacional de Lisboa

João BastosFevereiro 12, 20188min0

[Super Sprint] X Meeting Internacional de Lisboa

João BastosFevereiro 12, 20188min0
A piscina olímpica do Jamor voltou a acolher o Meeting Internacional de Lisboa que comemorou a sua 10ª edição no passado fim-de-semana

Depois da Póvoa de Varzim, Lisboa acolheu o segundo meeting internacional da época em solo nacional. O X Meeting Internacional de Lisboa WOS levou ao Jamor os melhores nadadores portugueses


O X Meeting Internacional de Lisboa WOS disputou-se nos dias 10 e 11 de Fevereiro na piscina olímpica do Jamor e viu cair 7 recordes nacionais na natação pura (todos de categoria) e mais 1 na natação adaptada.

Outra nota dominante foi a forte presença de internacionais portugueses que vieram testar o seu momento de forma, a cerca de um mês de distância das competições que definirão o resto da temporada.

De destacar também a presença da Selecção Nacional de Juvenis, uma selecção composta por 32 nadadores que tiveram a oportunidade de participar numa competição de alto nível, conseguindo inclusivamente alcançar várias finais.

O Fair Play destaca 5 nadadores que estiveram em grande plano no X Meeting Internacional de Lisboa:

1 – Diana Durães (SLB)

Foto: Luís Filipe Nunes

Esta é uma competição talismã para Diana Durães. No ano passado foi no Meeting de Lisboa que se apurou para os Campeonatos do Mundo de Budapeste com o tempo que fez nos 800 metros livres, que na altura foi recorde nacional sénior. Também foi no MIL que, no ano passado, bateu o recorde nacional absoluto dos 200 metros livres e foi onde fez o seu segundo melhor tempo da carreira nos 400 metros livres.

Curiosamente este ano voltou a fazer o melhor tempo da carreira nos 400 metros livres, só que exactamente 1 segundo melhor do que havia feito o ano passado. A marca de 4:12.54 foi o melhor tempo feminino realizado na competição, pela pontuação FINA, e que cimenta a sua posição no top-10 mundial da prova (9º lugar) este ano.

Nos 800 metros livres nadou em 8:39.63, outra marca de bom nível, sendo a 5ª vez que nada abaixo de 8:40 no espaço de um ano.

Ainda nadou várias outras provas, com destaque para os 200 e 400 estilos onde encontrou a intransponível Victoria Kaminskaya.

2 – Alexis Santos (SCP)

Foto: Luís Filipe Nunes

Alexis foi ao Jamor nadar provas que lhe são menos habituais (apesar da versatilidade do sportinguista o permitir surgir várias vezes a nadar provas que não as suas principais) como 50 mariposa, 50 e 200 bruços. Pode ter sido um teste com vista ao nacional de clubes – em 2015 nadou os 50 mariposa e em 2016 os 100 mariposa – ou pode ter sido um teste para as suas provas de estilos.

No entanto, não deixou de fora do seu programa os 200 metros estilos e marcou um registo bastante sólido de 2:01.78. Para o semifinalista olímpico a marca não é nada de especial (não entra sequer nas suas 20 melhores marcas nesta prova), mas chegou para ser a mais pontuada pela tabela FINA.

A nível internacional Alexis passou a ocupar o 12º lugar do ranking do ano, ocupando a posição onde estava Gabriel Lopes.

3 – João Vital (SCP)

Foto: Luís Filipe Nunes

Muitas provas nadou João Vital durante o fim-de-semana, todas elas bastante exigentes mas na maior parte delas com notas a destacar.

O principal destaque vai para a sua principal prova, os 400 metros estilos. Há uma semana, em Uster, tinha nadado em 4:25.72 e agora nadou em 4:23.18, ficando à distância de 14 centésimos de segundo do mínimo para os Campeonatos da Europa de Glasgow. O pensamento lógico é que se consegue retirar mais de 2 segundos e meio no espaço de uma semana, daqui a um mês estará a nadar pela primeira vez na carreira abaixo de 4:20. Aguardemos que se concretize.

Este tempo é o terceiro melhor da carreira de Vital. Curiosamente as suas quatro melhores marcas nos 400 estilos foram obtidas na piscina do Jamor, a piscina onde treina desde esta época.

Nos 200 costas fez novo recorde pessoal. Nadou em 2:03.47, melhorando os 2:03.55 que já persistiam desde Dezembro de 2015.

Bom tempo também o que produziu nos 200 mariposa, com 2:03.86.

4 – Victoria Kaminskaya (ESJB)

Foto: Luís Filipe Nunes

Victoria já tinha sido o principal destaque do último super sprint com a sua vitória e o seu tempo aos 400 estilos no Meeting de Uster. Tal como em Uster, também em Lisboa bateu o recorde do Meeting (o de Lisboa já era seu) e tal como João Vital também melhorou o seu tempo de uma semana para a outra. Em Uster tinha feito 4:46.48 e no MIL nadou para 4:45.16, entrando assim no top-10 mundial do ano.

Apesar de ainda estar a 5 segundos do seu recorde pessoal e nacional, a nadadora do Estrelas está em clara subida de forma para o primeiro objectivo da época: assegurar a presença em Glasgow, ou seja, nadar abaixo de 4:44.49 nos nacionais do Funchal.

Nos 200 estilos também nadou melhor do que em Uster e marcou 2:16.26 “contra” os 2:16.70 que tinha feito na Suíça. Nos 200 mariposa não conseguiu nadar melhor do que há uma semana, mas nadou a final com pouco tempo de intervalo dos 400 estilos. Nadou agora em 2:15.47.

Finalmente nos 200 bruços, nadou em 2:32.11.

5 – Miguel Nascimento (SLB)

Foto: Luís Filipe Nunes

Mais um nadador que não se inibiu de nadar muitas provas e muito volume.

O destaque maior vai para os seus dois novos recordes pessoais nas provas de meio-fundo e fundo de livres. Nos 400 metros livres nadou em 3:55.56, melhorando os 3:56.10 de há uma semana que já tinha sido recorde pessoal. Nos 1500 metros livres protagonizou, a par com Guilherme Pina, uma grande prova. Aguentou o ritmo do recordista nacional à distância de um corpo durante 1400 metros e no final fechou com um parcial impressionante de 57.38 (nos 400 fechou com 58.35). Não chegou para ultrapassar o sportinguista, mas chegou para fazer recorde pessoal por larga margem, registando 15:31.81 (tinha 15:41.39).

Nos 200 mariposa nadou para a vitória e não tento para o tempo. Venceu com 2:02.12. Tentou fazer o mesmo nos 200 metros livres, mas apesar da boa ponta final, já não deu para mais do que o terceiro lugar. 1:53.35 foi o tempo final.

Outros destaques

Para além dos destaques absolutos, há que realçar os nadadores que conseguiram estabelecer novos recordes nacionais.

Em primeiro lugar a júnior benfiquista Letícia André que no mesmo dia melhorou por duas vezes o máximo nacional Júnior-B dos 100 metros livres. Nas eliminatórias da prova nadou em 58.32 e na final quebrou a barreira dos 58 segundos e marcou 57.83, um prémio bem merecido para a nadadora do Benfica que já tinha nadado abaixo do recorde nacional da categoria dos 200 livres em Antuérpia. O problema é que a sua companheira de treino no CAR de Rio Maior, Ana Sousa, chegou primeiro que ela. O anterior máximo pertencia a Ana Rodrigues com 58.40.

Outra nadadora que voltou do Meeting Internacional de Lisboa com dois recordes nacionais foi a nadadora Infantil-A dos Galitos de Aveiro, Carolina Fernandes. Estabeleceu novos máximos da sua categoria nos 50 metros livres com 27.86 e nos 200 metros estilos com 2:27.87. A anterior detentora do máximo dos 50 livres era Ana Margarida Guedes com 27.99 e a detentora do recorde dos 200 estilos era Mariana Cunha com 2:27.88. Apesar de ser ainda infantil, Carolina já conta com 23 recordes nacionais na carreira!

O último recorde nacional individual veio pela mão de Anna Ferreira, nadadora júnior do Sport Algés e Dafundo, que estabeleceu um novo máximo nacional júnior-A dos 50 metros costas femininos. A nova melhor marca nacional é de 30.08. Anna melhorou o tempo de Cátia Martinheira que nadou em 30.18 no ano de 2012.

A selecção nacional juvenil conseguiu obter dois recordes nacionais, ambos na mesma prova. Diogo Costa, Francisco Nunes, Vicente Gomes e Bernardo Simões nadaram os 4×100 estilos em 3:58.93, o que constituiu simultaneamente novo recorde nacional juvenil-A e novo recorde nacional juvenil. Os anteriores máximos juvenil e juvenil-A da prova também pertenciam à mesma equipa de estafetas. Estavam na posse de uma equipa da selecção nacional composta por Diogo Sousa, Luís Fernandes, Miguel Nascimento e Tomás Silva que em 2012 nadaram em 3:59.59.

Acompanhe a contagem do número de recordes nacionais em 2018, aqui:

Contador de recordes nacionais


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter