Quem foi o MIP da natação portuguesa em 2017/2018?

João BastosAgosto 22, 20187min5

Quem foi o MIP da natação portuguesa em 2017/2018?

João BastosAgosto 22, 20187min5
Finda mais uma época da natação portuguesa o Fair Play elaborou o top 10 dos nadadores que mais evoluíram este ano. Vem descobrir quem foram.

Em várias modalidades, maioritariamente colectivas, no final de cada época desportiva para além do MVP (most valuable player), é frequentemente eleito o MIP (most improved player), ou seja, o jogador que mais evoluiu nesse ano.


Depois de apurarmos a MIP feminina da época (ler aqui) vamos fazer o mesmo exercício para o sector masculino, ou seja, vamos elaborar o top-10 dos nadadores que mais evoluíram as suas marcas pessoas em 2017/2018.

Já explicamos o procedimento no artigo dedicado às senhoras, mas voltamos a explicar como chegamos até estes 10 mais:

  1. Apenas consideramos nadadores que terminaram a época no top-10 de cada uma das 17 provas individuais do calendário competitivo nacional em piscina longa. Foi apenas considerado o top-10 para garantir que os nadadoras que figuram nesta lista são efectivamente nadadores de topo nacional. A meio da tabela certamente que encontraríamos muitos nadadores que sofreram uma grande evolução na presente época, mas a ideia é destacar os nadadoras que deram o salto para o topo em 2017/2018;
  2. Apenas consideramos nadadores juniores e seniores por duas razões: 1) Daremos destaque aos melhores nadadores infantis e juvenis da temporada numa futura publicação sobre as revelações da temporada; 2) Nadadores mais jovens estão num ciclo evolutivo naturalmente mais acelerado e caso os considerássemos teríamos um top sem nadadores juniores e seniores;
  3. Para ser possível a comparação, independentemente da prova, consideramos o rácio a cada 100 metros. Por exemplo: se um nadador em 2016/2017 tinha de recorde pessoal o tempo de 24.12 aos 50 metros livres e em 2017/2018 terminou a época com um recorde pessoal de 23.44, terá um rácio de 1,36: (24.12-23.44)x2; se um nadador fazia 16:44.14 aos 1500 metros livres na época passada e esta época passou a fazer 15:54.13, terá um rácio de 3,33: (16:44.14-15:54.13)/15;
  4. Aplicamos este modelo ao top-10 de todas as provas e seleccionamos os 10 nadadores que apresentaram melhor rácio de evolução em 2017/2018 e chegamos ao seguinte top-10:

#10 – Miguel Nascimento (SLB): 1,80

Foto: Luís Filipe Nunes/FPN

Abrimos o top-10 com um internacional português. Miguel teve um óptimo desempenho nos Europeus de Glasgow atingindo a meia-final dos 200 mariposa, um recorde pessoal nos 200 livres e um recorde nacional nos 400 metros livres. Foi precisamente esse tempo de 3:51.89 que lhe valeu o rácio de 1,80. Para chegar ao recorde nacional o nadador do Benfica melhorou bastante a sua melhor marca pessoal que era de 3:59.10 antes desta época.

#9 – Diogo José (SCC): 2,24

Foto: Luís Filipe Nunes/FPN

Uma época em contínuo crescendo para o nadador júnior da Columbófila Cantanhedense a abrir boas perspectivas para a próxima época, sobretudo porque ficou à beira de baixar dos 16 minutos nos 1500 metros livres. Foi no Open de Portugal quando nadou para o excelente tempo de 16:01.38. Diogo tinha iniciado a época com 16:34.98, melhorando 2,24 segundos em cada 100 metros.

#8 – Rúben Carvalho (AAC): 2,32

Foto: Luís Filipe Nunes/FPN

Depois de 5 anos afastado das piscinas, o nadador da Académica de Coimbra voltou e mais rápido que nunca. Rúben nadou várias vezes esta época os 50 metros bruços abaixo dos 30 segundos, fixando o seu recorde pessoal no Open de Portugal em 29.49. Antes desta época o seu máximo pessoal era de 30.65. Obteve um rácio de 2,32.

#7 – Francisco Santos (SCP): 2,37

Foto: Luís Filipe Nunes/FPN

Foi uma época em cheio para o costista do Sporting que só podia ser melhor se tivesse conseguido o apuramento para os Campeonatos da Europa de Piscina Longa. Ficou a escassos 17 centésimos nos 200 metros costas com os 2:00.10 que marcou nos nacionais do Funchal. Foi esse o tempo que o trouxe até esta lista. Antes desta época o seu recorde pessoal era de 2:04.84. Uma evolução de 2,37 segundos a cada 100 metros.

#6 – Tiago Costa (SCP): 2,52

Foto: Luís Filipe Nunes/FPN

Outro sportinguista em evidência foi o sénior de primeiro ano, Tiago Costa, revelando-se um excelente nadador de estilos. No fecho da temporada, no Open de Portugal, Tiago venceu a Final B dos 200 metros estilos com grande autoridade e com o tempo de 2:06.89. O seu recorde pessoal era de 2:11.92, o que lhe rendeu um rácio de evolução de 2,52.

#5 – Rafael Simões (SCB): 2,59

Foto: Luís Filipe Nunes/FPN

Chegou este ano ao Sporting de Braga, vindo dos Amigos da Montanha e teve uma época de alto nível. O nadador júnior chegou à meia-final dos Campeonatos da Europa de Juniores nos 200 metros bruços e foi campeão nacional absoluto no Jamor, na mesma prova. Foi nessa competição que estabeleceu o seu recorde pessoal de 2:18.19. Em 2016/2017 tinha fechado a época com 2:23.36, o que representou uma melhoria de 2,59 segundos/100 metros.

#4 – Filipe Santo (SLB): 2,70

Foto: Luís Filipe Nunes/FPN

Mais um júnior que esteve em destaque na presente temporada e que marcou presença no Europeu de Juniores. O nadador do Benfica já tinha tido uma recta final de 2016/2017 de grande evolução na sua melhor prova, os 1500 metros livres, e esta época continuou imparável. Mas não foi pela prova mais longa que veio parar ao top-10, mas sim pelos 3:59.39 aos 400 metros livres que marcou em Helsínquia. Filipe tinha 4:10.17, pelo que atingiu o rácio de 2,70.

#3 – Bruno Ramos (CFB): 2,84

Foto: nadarcfb.blogspot.com

O nadador d’Os Belenenses há algumas épocas que não pára de evoluir e 2017/2018 não foi excepção. Ficou muito próximo do apuramento para os Europeus de Piscina Longa nos 400 metros estilos, mas foi na técnica de livres que Bruno mais melhorou as suas marcas, particularmente nos 400 metros livres. Tinha 4:14.93 da época passada e este ano chegou aos 4:03.57, uma evolução de 2,84 aos 100.

#2 – José Paulo Lopes (SCB): 3,03

Foto: Luís Filipe Nunes/FPN

Surpresa seria se o júnior do Braga não figurasse nesta lista. De facto podiam ser várias as provas que o trariam a este top. José Paulo foi a grande revelação da natação portuguesa em 2017/2018, mesmo considerando que na época passada já era um nadador que tinha participado nos Europeus de Juniores, mas nesta época José Paulo transcendeu-se com o 4º lugar nos Europeus de Juniores e os 6 recordes nacionais individuais. A sua maior melhoria foi nos 200 metros mariposa onde passou de 2:09.95 para 2:03.90, alcançando um “score” de 3,03.

#1 – João Costa (VSC): 3,98

Foto: ANNP

Outra grande revelação da temporada foi o nadador do Vitória de Guimarães, João Costa. O costista foi o melhor júnior de 1º ano desta época e evoluiu as suas melhores marcas de costas a ponto de estar muito próximo dos mínimos para os Europeus de Juniores, sendo um natural candidato a representar Portugal nessa competição na próxima época. Os 57.76 aos 100 metros costas que João marcou no Open de Portugal e que lhe valeram o título de vice-campeão nacional absoluto renderam-lhe uma melhoria de 3,98 segundos face aos 1:01.74 que tinha de recorde pessoal em 2016/2017.


5 comments

  • TR

    Agosto 29, 2018 at 8:48 am

    Qual era a necessidade Sr Carlos?

    Já agora dou os parabéns, pelos artigos extremamente interessantes. Uma abordagem diferente daquela que tínhamos no BA e que temos no Chlorus.
    Tenho pena que não seja actualizada com mais regularidade e com mais artigos.

    Para quando a actualização dos records desta época e o MIP dos mais novos?

    Saudações e parabéns ao FP.

    Reply

    • João Bastos

      Agosto 29, 2018 at 9:35 am

      Bom dia.

      A actualização dos recordes será feita na 6ª feira, como forma de assinalar o último dia da época 2017/2018 na natação pura.
      Relativamente ao artigo dos mais novos, será publicado durante o próximo fim-de-semana. Não será um artigo sobre os nadadores que mais evoluíram mas sobre as revelações da temporada, à imagem deste artigo: https://fairplay.pt/modalidades/natacao/natacao-nacional/10-promessas-natacao-portuguesa/
      Alguns desses nadadores ainda poderiam figurar na lista deste ano mas preferimos destacar outros 10 nadadores juvenis e infantis.

      Obrigado pelas palavras e pela atenção que mantém ao Fair Play. Tentaremos publicar mais conteúdos relativos à natação 🙂

      Reply

  • Carlos

    Agosto 24, 2018 at 8:42 am

    Atendendo aos pontos que definem a escolha destes MIP, esta lista não corresponde à verdade. Tendo em conta, que a época 2017/2018 acaba no próximo dia 31 de agosto, no período de tempo que esta lista abrange, Portugal teve teve um vice-campeão do mundo, um vice-campeão da Europa, e dois bronzes europeus, com grande evolução nas marcas.

    Reply

    • João Bastos

      Agosto 24, 2018 at 11:06 am

      Releia o 1º critério e verifique que não é assim. Todos os nadadores portugueses foram considerados, incluindo os nadadores da natação adaptada e os masters.

      Já agora, sintonize a Eurosport na próxima 2ª feira, entre as 11:45 e as 12:45 e assista ao resumo do Europeu WPS em Dublin.

      Reply

      • Carlos

        Agosto 24, 2018 at 7:52 pm

        Obrigado pela indicação. Não tinha conhecimento.
        Eu estive presente no Europeu, e será com prazer que irei rever o grande feito que foi para a natação portuguesa.
        Irei transmitir aos atletas que participaram. Provavelmente também não terão conhecimento.

        Reply

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter