[Bisca da Primeira Divisão Masculina] Estrelas São João de Brito

João BastosMarço 14, 20185min0

[Bisca da Primeira Divisão Masculina] Estrelas São João de Brito

João BastosMarço 14, 20185min0
Analisamos o naipe da equipa masculina do Estrelas São João de Brito para ir a jogo na 1ª divisão nos próximos dias 17 e 18 de Março em Coimbra

O Campeonato Nacional de Clubes da 1ª divisão realiza-se em Coimbra nos dias 17 e 18 de Março. O Fair Play faz a análise das 12 equipas masculinas e das 12 equipas femininas que disputarão o título de clubes mais importante da natação nacional


Depois de vários anos a ser o principal opositor do Sporting pelo título de campeão nacional de clubes masculinos, a Associação Centro Cultural Estrelas São João de Brito ficou-se pelo terceiro lugar na temporada passada. Se na temporada transacta a equipa sofreu uma acentuada renovação em relação aos anos anteriores, para este ano os Galácticos apresentam uma equipa quase toda nova.

O naipe do técnico Júlio Borja compor-se-á com as seguintes cartas:

Ás – Oskitz Aguilar Urtxegi

O basco é um importante reforço para os galácticos. Um nadador internacional que representou Espanha nos Europeus de Londres em 2016, na prova de 100 metros livres, a sua grande especialidade. O seu recorde pessoal é de 49.42, ou seja, melhor que o recorde nacional português fixado em 49.50, de Alexandre Agostinho. Oskitz será também um forte candidato a vencer a prova de 50 e 200 metros livres, apesar de aí não ter o melhor recorde pessoal entre os presumíveis participantes.

Foto: Diario Vasco

Rei – Ander Arruabarrena Mayor

O jovem espanhol emprestará ao Estrelas a sua enorme versatilidade. Seja a nadar costas, seja a nadar mariposa, seja a nadar estilos, Ander é um nadador de muito bom nível. Pensamos que as provas de estilos e mariposa possam ser a sua principal aposta na 1ª divisão. Estilos serão provas muito competitivas com a presença de Alexis Santos, Tomás Veloso, João Vital e Álvaro Conde, entre outros e com Mayor, o Estrelas garante que não perderá muitos pontos para os adversários. Em mariposa não só não perderá como ainda ganhará pontos importantes às equipas do topo da tabela.

Foto: Arquivo Pessoal

Valete – António Pinto

Tendo nome de maratonista, o jovem do Estrelas é especializado em provas de fundo e é um dos melhores nadadores nacionais em provas como 400 e 1500 metros livres, mas como nos nacionais de clubes a prioridade é a equipa, o Estrelas precisa que António nade bruços e também aí (sobretudo nos 200), António é um nadador bastante competitivo. Onde António tem melhorado é na prova de 400 metros estilos, prova essa que não deve faltar no programa do nadador de 18 anos.

Foto: Aqualoja

Manilha – Aritz Aguilar Urtxegi

O irmão mais novo de Oskitz foi bem recrutado pelo Estrelas, uma vez que esta época tem evoluído bastante. Se o irmão é mais especialista em provas curtas de livres, Aritz é mais vocacionado para provas de fundo. Durante o ano de 2017 passou de 16:44.00 para 16:18.81. A equipa de Alvalade esperará, certamente, que em 2018 o nadador de 18 anos continue com o mesmo ritmo de evolução.

Foto: Arquivo Pessoal

Joker – Hugo Ribeiro

O fundista é o joker que o Estrelas joga nos nacionais de clubes. Já na época passada, Hugo só nadou os nacionais de clubes e os regionais da ANNP, que decorreram um mês antes, para se testar. Este ano irá directamente para os nacionais para nadar as suas especialidades – 400 e 1500 metros – e ainda lhe juntar os 200 mariposa. É, naturalmente, nos 1500 metros que se espera que venha a sua melhor classificação.

Foto: Luís Filipe Nunes

Trunfos – Jaime Correia, Diogo Araújo e Tomás Coxixo

Jaime é mais um nadador sénior de primeiro ano que se tem vindo a aprimorar em provas mais curtas. Bateu recentemente o seu recorde pessoal dos 50 metros livres no X Meeting Internacional de Lisboa. Diogo e Tomás são dois costistas que terão de sair das suas zonas de conforto. Tomás Coxixo poderá, para além de costas, nadar mariposa e Diogo Araújo, o júnior da equipa, deverá “aventurar-se” nas provas de bruços.

Prognóstico Fair Play

A equipa do Estrelas de São João de Brito é a equipa mais curta da 1ª divisão. Para apresentar dois nadadores por prova, cada equipa necessita de um mínimo de 8 nadadores, o que significa que os oito nadadores mencionados nesta antevisão nadarão 4 provas.

Da época passada para esta, a equipa é totalmente nova. Não tem Frederico Riachos, António Carriço, Diogo Sousa, João Gigante e Nuno Martins. Por outro lado, de todos os nadadores referidos anteriormente, apenas Hugo Ribeiro e Jaime Correia nadou na época passada em representação do Estrelas.

Por isso, as contas que deverão ser feitas este ano não podem ser as mesmas que foram feitas no ano passado. No entanto, e apesar de ter um plantel curto, o ESJB tem uma primeira linha de nadadores de luxo, mas o modelo deste ano dos nacionais favorece equipas com boas segundas linhas. Repetir o pódio do ano passado (foi 3ª classificada) parece difícil e o Fair Play prognostica que os galácticos serão os 7ºs classificados.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter