25 Mai, 2018

[Aqua Moments] Dois metros por segundo

João BastosNovembro 27, 20173min0

[Aqua Moments] Dois metros por segundo

João BastosNovembro 27, 20173min0
Jim Montgomery foi o primeiro nadador da História a nadar 100 metros livres abaixo de 50 segundos, mas até podia não ter sido...

O Fair Play continua a sua série de artigos que recordarão momentos históricos da natação. O Aqua Moments olhará para o retrovisor e reviverá marcos incontornáveis da história da modalidade


Na semana passada contámos a história de Shirley Babashoff, história essa que teve o seu climax (ou anti-climax na perspectiva da americana) nos Jogos Olímpicos de Montreal ’76. Como referimos, nesses Jogos Olímpicos foi quebrada uma barreira que na altura ainda se julgava inalcançável: os 2 minutos aos 200 livres no sector feminino por Kornelia Ender, mas nos 100 metros livres masculinos também foi quebrada uma barreira icónica, a dos 50 segundos.

Ou seja, os Jogos canadianos viram o primeiro homem a nadar a uma velocidade superior a 2 metros por segundo, ou 7,8 km/h. Ainda para mais, os 50 metros livres só começaram a ser nadados (de forma reconhecida pela FINA) um mês depois desses Jogos Olímpicos, por isso, a prova de 100 livres era mesmo a mais rápida de todo o calendário de provas em piscina olímpica.

A história de Montgomery ainda se cruza com a de Babashoff de outra perspectiva. É que quem o secundou no pódio da prova, em Montreal, foi precisamente Jack Babashoff, irmão de Shirley…provavelmente nunca outra família ganhou tanta prata em Jogos Olímpicos como a família Babashoff.

Pódio de 1976 | Foto: Getty Images

Jim Montgomery já era recordista mundial da prova rainha desde que apagou o record do lendário Mark Spitz, em 1975 e chegava ao Quebec como grande favorito, na posse do máximo mundial de 50.59.

O americano baixou logo essa marca nas meias-finais, nadando em 50.39 e no dia seguinte retirou mais 40 centésimos, ficando assim na galeria dos grandes campeões da natação como o primeiro a nadar abaixo de 50 segundos, uma barreira que actualmente também já foi superada na técnica de mariposa.

Mas, assim como em tantas outras histórias que temos contado nesta rubrica, o contexto político decidiu o rumo da História desportiva.

Apesar de Montgomery ser o recordista mundial da prova, havia um nadador que poderia desafiar a superioridade do americano, que era o sul-africano Jonty Skinner, um promissor jovem de 22 anos que vinha em franca evolução, mas que não participou nos Jogos Olímpicos de 1976 porque o seu país vivia o período de Apartheid e o Comité Olímpico baniu todos os atletas da África do Sul dos seus eventos.

Ficou assim adiado para sempre o confronto entre os dois gigantes, mas apenas vinte dias depois dos JO, Skinner não só se tornou no primeiro recordista mundial dos 50 livres, como pulverizou os 49.99 de Montgomery. Nadou nos Nacionais Americanos (estudava e competia na Universidade de Alabama, onde agora é treinador) e completou os 100 metros no tempo de 49.44.

Jim Montgomey não mais recuperou o seu record mundial, nem John Skinner o voltou a melhorar, mas a História tem destes caprichos: depois de Johnny Weissmuller ter sido o primeiro homem a baixar do minuto (1922), foi outro americano a baixar dos 50 segundos. Resta-nos saber se ainda vamos cá estar para ver se algum dia alguém consegue ir abaixo dos 40 segundos.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter