Top 10 nacional das Águas Abertas

João BastosDezembro 29, 20187min0

Top 10 nacional das Águas Abertas

João BastosDezembro 29, 20187min0
Hora de balanços e para recordar o ano de 2018 no que às águas abertas internacionais diz respeito

Os últimos dias de Dezembro são a altura ideal para recordar o ano que termina e fazer o balanço. O Fair Play faz esse exercício para a natação nacional e internacional e elege os 10 nadadores em maior destaque em cada categoria.


Depois do top internacional, é a vez olharmos para os melhores nadadores portugueses de águas abertas no ano 2018, um ano onde foram obtidos resultados internacionais de grande nível. Não houve muitos protagonistas (ou pelo menos tantos como no ano passado) mas os que houve estiveram em grande plano pelo que a hierarquização não tivesse sido fácil para nós.

Os resultados internacionais tiveram a maior preponderância mas não descurámos as provas internas.

Antes de ficar a conhecer o nosso top-10 de 2018 relembre a lista do ano passado:

Top-10 nacional das Águas Abertas em 2017

10. Eva Carvalho (Benfica)

A nadadora do Benfica foi a vice-campeã nacional dos 10 km e ainda venceu o mass event da Taça do Mundo de Setúbal, uma prova onde alinhou na época passada na prova principal.

Em 2017 foi sistematicamente terceira, sempre atrás de Angélica André e Vânia Neves. Este ano não teve uma consistência de resultados tão grande mas conseguiu ser segunda na prova rainha dos nacionais de águas abertas: os 10 km. Essa prata vale-lhe o lugar no top.

Foto: Luís Filipe Nunes/FPN

9. Alexandra Frazão (CASPAE/Condeixa Aqua Clube)

Para a nadadora de 16 anos as águas abertas não são uma prioridade mas em ano de Europeus de Juniores e Jogos Olímpicos da Juventude, Alexandra manteve-se em forma participando no Circuito Nacional de Águas Abertas sagrando-se vencedora no final das 11 provas do circuito. Alexandra participou em 7 provas, venceu 4 e ficou no segundo lugar nas restantes 3.

No campeonato nacional de Águas Abertas, decorrido na Aldeia do Mato, foi vice-campeã nacional dos 7,5 km.

Foto: Luís Filipe Nunes/FPN

8. Diogo Cardoso (Colégio de Monte Maior)

Também Diogo aposta sobretudo nas provas de piscina mas isso não o impediu de estar presente nos Mundiais de Juniores de Águas Abertas em Israel e nos Europeus de Juniores de Águas Abertas em Malta. Em ambas as competições esteve em bom plano, mas melhor no Mundial onde fez top-10 (9º) nos 7,5 km. Nos Europeus foi 12º na mesma distância.

No Campeonato Nacional de Águas Abertas sagrou-se vice-campeão nacional nos 7,5 km.

Foto: FPN

7. Cátia Agostinho (Rio Maior)

Mais uma nadadora júnior no nosso top. De facto, Portugal tem um naipe de jovens bastante promissores que prometem levar as nossas cores a outro patamar nas águas abertas internacionais.

O grande resultado de Cátia Agostinho veio nos Europeus de Juniores quando se classificou na 6ª posição nos 7,5 km, numa prova onde ficou a escassos 2 segundos do primeiro lugar. Cátia ainda foi campeã nacional da mesma distância superando ao sprint Alexandra Frazão.

Nos mundiais de juniores ocupou um honroso 15º lugar.

Foto: FPN

6. Diogo José (Columbófila Cantanhedense)

Mais um júnior. Em 2018 Diogo teve uma lista de conquistas muito parecida com a de Cátia Agostinho. Também foi 6º classificado na prova dos 7,5 km dos Europeus de Juniores e também foi campeão nacional dos 7,5 km.

O que desequilibrou a balança a favor do nadador da Columbófila foi o top-10 que também conseguiu nos Mundiais. Foi precisamente 10º classificado.

Diogo ainda foi vice-campeão nacional dos 5 km nos Nacionais do Verão.

Foto: FPN

5. José Carvalho (União Piedense/Benfica)

2018 foi um ano de afirmação de José Carvalho na selecção nacional absoluta. Apesar de não ter participado nos Europeus de Glasgow, participou na etapa da Taça LEN em Barcelona (onde foi 28º classificado) e na etapa da Taça do Mundo em Setúbal onde chegou a liderar a prova. Classificou-se no 45º lugar.

Internamente, foi vice-campeão nacional dos 5 km na Aldeia do Mato, prova onde era o campeão nacional em título mas nos Campeonatos Nacionais de Verão venceu mesmo a prova.

Foto: Luís Filipe Nunes/FPN

4. Mafalda Rosa (Rio Maior)

Com apenas 15 anos de idade, Mafalda Rosa já está na história da modalidade ao ter conseguido a melhor classificação de sempre de um português num mundial de juniores de águas abertas. A jovem de Rio Maior foi 6ª classificada na prova dos 5 km.

Em solo nacional Mafalda foi vice-campeã nacional absoluta dos 5 km, apenas superada pela grande referência da modalidade do lado feminino, Angélica André. Ainda venceu o Campeonato Nacional de Longa Distância na distância de 3000 metros com melhor marca de sempre dos campeonatos.

Foto: FPN

3. Tiago Campos (Rio Maior)

Mais um nadador de Rio Maior, uma equipa que em 2018 esteve em plano de evidência nas águas abertas. Tiago estreou-se numa etapa da Taça do Mundo (em Setúbal) e com grande sucesso, sendo o melhor português (31º classificado) e apurando-se para os Europeus de Glasgow. Na Escócia foi o 34º melhor da Europa.

Tiago ainda é júnior e, por isso, também esteve presente em Malta e em Israel. Nos Europeus foi 7º nos 10 km e nos Mundiais foi 17º classificado na mesma prova.

No plano interno sagrou-se campeão nacional dos 5 km e foi vice-campeão nacional dos 10 km.

Foto: Luís Filipe Nunes/FPN

2. Rafael Gil (Individual/Sporting)

2018 foi mais um degrau subido na escada da ascenção daquele que tem sido nos últimos anos o melhor nadador masculino de águas abertas português. Rafa participou em mais provas internacionais neste ano e pouco a pouco vai obtendo melhores classificações. Destaca-se o seu 27º nos Europeus de Glasgow e também o 31º lugar na última etapa do circuito da Taça do Mundo, em Abu Dhabi.

Em Portugal, não tem dado grandes hipóteses aos adversários em provas de 10 km. Sagrou-se tetra-campeão nacional (e de forma consecutiva) da prova. Ainda venceu o circuito nacional de águas abertas vencendo todas as etapas onde participou.

Foto: Luís Filipe Nunes/FPN

1. Angélica André (Fluvial Portuense)

Sem surpresa para ninguém. Angélica em 2018 mostrou que é uma nadadora da elite mundial como mostram as classificações internacionais deste ano: 5ª na Taça LEN em Gravelines, 6ª na Taça LEN em Barcelona e 6ª na etapa do Lago Balaton da Taça do Mundo, sendo 6ª classificada na geral final do circuito LEN. Ficou o lamento por ter sido obrigada a desistir nos Europeus e na etapa de Setúbal.

Internamente é fácil resumir o ano de Angélica: sempre que nadou, ganhou. Foi campeã nacional dos 5 e dos 10 km e do Campeonato Nacional de Longa Distância (e com melhor marca dos campeonatos).

Foto: FPN

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter