Mundial sub-18 de andebol feminino: a campanha de Portugal até agora

Ana CarvalhoAgosto 2, 20226min0

Mundial sub-18 de andebol feminino: a campanha de Portugal até agora

Ana CarvalhoAgosto 2, 20226min0
Com duas vitórias e uma derrota, Portugal está no main-round do Mundial de andebol sub-18 feminino e analisamos como foi até aqui para as Quinas

A armada de Portugal comandada por Luís Santos apurou-se para o main-round do Mundial logo a segunda jornada, tendo somado duas vitórias contra as seleções da Áustria e das Ilhas Faroé e uma derrota contra a Dinamarca. No main round o grupo de Portugal cruza com o grupo D, onde ira defrontar as equipas da Croácia (0 Pontos) e do Egipto (2 pontos), levando zero pontos desta fase, já que perdeu contra a Dinamarca, que desta forma leva 2 pontos.

VERSUS ILHAS FAROÉ

No primeiro jogo do Mundial, Portugal defrontou a seleção das Ilhas Faroé, uma seleção claramente de nível inferior, tanto em termos técnico-táticos como em poderio físico. Ainda que inicialmente a equipa lusa tivesse acusado a ansiedade da estreia no Campeonato do Mundo, não tendo um jogo de ataque tão fluído quanto o desejado, foram conseguindo melhorar ao longo do jogo.

O resultado foi-se mantendo equilibrado até ao intervalo, onde o marcador assinalava vantagem de dois golos para a seleção portuguesa (15-13). Na segunda parte Portugal apareceu mais agressivo a nível defensivo tendo conseguido mais golos em contra-ataque, aumentando assim a vantagem, chegando a ter uma vantagem de 7 golos a 2 minutos do final da partida, sendo o resultado final de 29-24.

A nível de individualidades devemos destacar Constança Sequeira, a líder do ataque nacional, tanto pelo que faz jogar (4 assistências), como pelos golos que marca (8 golos em 9 tentativas), tendo tido uma eficácia de 89%, acima da eficácia global da equipa (64%). Matilde Rosa, com uma eficácia de 46% na baliza foi também muito importante na vitória de Portugal, tendo sido considerada a MVP do jogo.

VERSUS ÁUSTRIA

O segundo jogo opôs Portugal à Áustria e cedo o resultado se começou a desenhar. Portugal entrou com uma defesa muito forte, apresentando um 6:0 bastante agressivo, que deu frutos no elevado número de contra-ataques que a equipa nacional conseguiu efetuar ao longo do jogo.

Esta é sem dúvida uma arma que a equipa nacional deverá sempre privilegiar, tirando partido das atletas velozes e ágeis que tem. A marcha do marcador foi muito semelhante ao primeiro jogo, tendo a primeira parte terminado com a mesma vantagem de dois golos para a equipa de Luís Santos (13-11).

Foi na segunda parte que o resultado se distanciou, sendo que nos últimos dez minutos a vantagem foi sempre de 6/7 golos, ficando o resultado final 33-27 favorável a Portugal. O selecionador nacional cedo geriu a equipa, dando minutos às atletas normalmente menos utilizadas, tendo-as preparadas para outros momentos mais à frente na competição.

Constança Sequeira, que jogou menos de 20 minutos, foi a melhor marcadora da equipa, com 5 golos em 6 tentativas, a par de Naide Gonçalves que com uma eficácia de 50%, marcou também 5 golos, tendo liderado de forma bastante competente a equipa na segunda parte. Denise Fernandes, ponta direita da seleção nacional com 4 golos foi outro dos destaques, tendo inclusive sido considerada pela IHF a MVP da partida.

VERSUS DINAMARCA

A terceira partida do Mundial trouxe o adversário mais competente do grupo, uma Dinamarca muito habituada a estar presente nestas competições e que sempre luta pelos lugares cimeiros das tabelas. O peso do adversário foi notório nos primeiros dez minutos de jogo, onde a nossa eficácia ofensiva foi bastante reduzida e foram vistos erros que não tinham acontecido nos jogos anteriores. Luís Santos optou por mexer no 7 inicial, provavelmente como opção estratégica, mas foi apenas com a entrada de Matilde Rosa, normalmente a GR titular, e Luciana Rebelo, Lateral Direita, que a seleção nacional estabilizou e se aproximou da Dinamarca, tendo conseguido empatar o jogo a 5 minutos do final da primeira parte.

No entanto o resultado ao intervalo era favorável à Dinamarca que vencia a partida por 3 golos (16-13). Após o intervalo, a equipa dinamarquesa apresentou-se muito forte e acabou por cedo desequilibrar o jogo a seu favor, tendo Portugal tentado apresentar estratégias diferentes para dar a volta ao resultado, mas sem sucesso. A nível defensivo, a equipa nacional utilizou, para além do 6:0 habitual, uma defesa 3:3 bastante aberta e agressiva para tentar ganhar bolas e tirar partido da nossa menor envergadura e maior agilidade quando comparada com as atletas dinamarquesas.

Acabou também por fazer uma defesa mista, marcando individualmente uma atleta, com a restante defesa ficando mais atrás. Em termos ofensivos, e porque estavam a ter dificuldades em arranjar soluções para finalização, o selecionador nacional optou por utilizar a estratégia de jogar com 7 jogadores de campo, retirando o GR no ataque.

Com a necessidade de arriscar para tentar ir atrás do resultado, a Dinamarca acabou por tirar partido da ausência da Gr na baliza e marcou alguns golos fáceis. O resultado acabou por se avolumar, sido o resultado final de 33-25 favorável à Dinamarca.

O QUE SE SEGUE

A próxima fase do Mundial joga-se já a partir de amanhã, com Portugal a entrar em campo contra a seleção do Egipto pelas 18h30 e no dia 5 de Agosto joga contra a equipa da Croácia pelas 14h30, ambos os jogos transmitidos em direto no canal do Youtube da IHF-competitions. De referir que Portugal se encontra já entre as melhores 16 equipas do Mundo querendo agora uma vaga nas primeiras 8.

Para poder passar aos quartos de final do Mundial Portugal está obrigado a vencer ambos os jogos, já que transita para esta fase sem nenhum ponto conquistado. Esta será uma tarefa bastante difícil pois a equipa do Egipto, sendo uma das equipas mais competentes do continente africano, traz um jogo muito veloz e muito potente, enquanto a equipa da Croácia apresenta uma defesa muito forte, algo que identifica o estilo de jogo do andebol deste país.

Calendário jogos de Portugal no Main Round

03/08-18h30 Egipto-Portugal

05/08-14h30 Portugal-Croácia


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter