Pesos Leves no UFC: Quando McGregor já nem é top 5

Gonçalo MeloJaneiro 31, 20216min0

Pesos Leves no UFC: Quando McGregor já nem é top 5

Gonçalo MeloJaneiro 31, 20216min0
Artigo com a análise da categoria dos pesos leves do UFC, provavelmente a divisão com mais talento e competitividade do mundo do MMA.

O UFC 257 veio confirmar o que alguns fãs mais atentos de mma já defendiam há algum tempo, ou seja, que Conor McGregor já não era tão dominante como no passado. O irlandês foi brutalmente knockouteado por Dustin Poirier, combate que veio reformular o topo de uma das categorias de peso mais apetrechadas do UFC, os pesos leves (peso até 70 kg).

Com um leque de lutadores de topo, todos eles com legítimas aspirações de chegar ao título (que por agora ainda está nas mãos de Khabib, embora o russo tenha anunciado a sua reforma), a categoria de pesos leves nem sequer tem Conor McGregor no seu top 5.

Como está então o ranking atual nos “lightweights“?

1- Dustin Poirier

O “diamante” de Louisiana volta ao topo da divisão depois da vitória sobre McGregor, ele que em 2019 já tinha sido campeão interino. Dotado de um striking poderosíssimo e de um jiu-jitsu muito subestimado, Dustin Poirier foi ao longo dos anos ganhando calma e frieza que lhe faltavam no início da carreira (queria sempre acabar os combates muito rápido).

No combate do passado fim de semana, Poirier voltou a demonstrar a sua frieza e a sua capacidade de absorver socos do adversário, ao mesmo tempo que ia destruindo a perna direita de McGregor com potentes leg kicks. Para muitos o campeão não coroado dos pesos leves, o diamante Poirier terá no futuro um de dois cenários. Ou é coroado campeão quando Khabib vagar o título, ou terá um combate pelo mesmo, contra Khabib ou contra outro qualquer adversário.

Poirier foi o primeiro a ganhar a McGregor por KO

2- Justin Gaethje

A última vítima de Khabib Nurmagomedov, o norte-americano de 32 anos é um dos elementos de topo da divisão, tendo um record de 22 vitórias e apenas 3 derrotas. À espera de um adversário, Gaethje quererá certamente um nome de peso para voltar a aproximar-se do título.

No ano passado, apesar da derrota ao segundo round contra Khabib em Outubro, Gaethje teve o seu momento alto da carreira até agora, quando em Abril venceu de forma clara e brutal Tony Ferguson pelo título interino de pesos leves.

3- Charles Oliveira

Talvez pouco conhecido até há poucos meses, Charles “do Bronx” Oliveira fez questão de provar que está aqui para chegar ao título, quando em Dezembro dominou por completo o seu combate contra Tony Ferguson, vencendo por decisão unânime e somando a 8ª vitória seguida no UFC.

Dotado de um striking interessante, é sobretudo no chão que Charles se destaca, onde, com o seu Jiu-Jitsu se torna uma ameaça séria. Dotado de um leque de submissões quase inigualável, o brasileiro consegue aplicar chaves de braço, triângulos, guilhotinas ou qualquer tipo de submissão (que o diga Tony Ferguson, que quase ficou sem braço). Será que do Bronx irá lutar pelo título no seu próximo combate?

O “armbar” brutal de Charles a Tony Ferguson

4- Michael Chandler

Um recém estreante no UFC, o antigo campeão do Bellator dificilmente poderia ter melhor começo, uma vez que na sua estreia no UFC 257 knockouteou de forma brutal Dan Hooker no primeiro round. Já fez questão de lançar o desafio a Dustin Poirier, desejando certamente lutar com o número 1 pelo título que poderá ficar vago.

No entanto, após apenas um combate no UFC será algo injusto se Chandler tiver uma oportunidade pelo título, devendo a seguir defrontar Gaethje ou Oliveira, ele que no discurso pós vitória disse ser capaz de impor a primeira derrota a Khabib.

5- Tony Ferguson

Antigo campeão interino de pesos leves, Tony Ferguson é provavelmente o lutador com menos sorte do UFC. Até abril do ano passado, “El Cucuy” vinha de uma impressionante sequência de 12 vitórias seguidas, num intervalo de tempo onde deveria, naturalmente, ter lutado pelo título contra Khabib, mas por lesão, doença, ou problemas logísticos relacionados com a covid 19, o combate foi cancelado em 4 ocasiões.

Agora, o experiente lutador de 36 anos vem de duas penosas derrotas contra Justin Gaethje e Charles Oliveira, onde se viu dominado tanto na luta em pé como no chão, algo que nunca tínhamos visto. Com a idade a avançar, para muitos, Tony Ferguson já deixou passar o comboio do título, mas nunca devemos pôr de parte um lutador tão pouco ortodoxo e tão abnegado e resistente como o californiano.

Tony Ferguson foi, durante muito tempo, o grande candidato a destronar Khabib e o nº1 do ranking de pesos leves

6- Conor McGregor

Finalmente fora do top 5 (esteve durante vários meses em 4º quando não competia nos pesos leves desde 2018), o “Notorious” irlandês regressou ao octógono com o claro objetivo de voltar a vencer Poirier, para assim sonhar com o rematch contra Khabib pelo título. No entanto, o desfecho foi outro, com Conor a ver-se pela primeira vez finalizado por ko.

O irlandês já disse que quer ser mais ativo este ano, pelo que há muita curiosidade sobre qual o próximo adversário de McGregor. O seu treinador já “lançou” a hipótese de uma trilogia com Poirier pelo título vago de pesos leves, algo que neste momento não faria qualquer sentido, pois Conor vem de duas derrotas seguidas nesta categoria de lightweight.

O que se segue na carreira do “Notorious”?

7- Rafael dos Anjos

Provavelmente o nome que mais gente descarta na corrida pelo topo da divisão de pesos leves, Rafael dos Anjos não deve nunca ser posto de parte, devido à sua completa gama de recursos. Antigo campeão da categoria de pesos leves, dos Anjos passou os últimos 3 anos na categoria de meio-médio, onde somou grandes vitórias contra nomes como Neil Magny ou Robbie Lawler.

Nos últimos combates antes de voltar aos pesos leves acabou derrotado, por Usman, Edwards e Chiesa, sem nunca ser finalizado. No seu regresso aos 70 kg, venceu de forma unânime o combate contra Paul Felder, num main event que deveria ter sido contra Islam Makhachev.

Uma divisão repleta de talento, que conta ainda nos rankings com Dan Hooker (8º), Diego Ferreira (10º), Beneil Dariush (12º), Kevin Lee (11º) ou o promissor russo já mencionado Makhachev (14º), não esquecendo a forte possibilidade de vermos o regresso aos pesos leves de um dos mais mediáticos lutadores da última década, Nate Diaz.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter