Quem foi/é o melhor lutador de MMA de sempre do Mundo?

Renan BrunacciSetembro 17, 20187min0

Quem foi/é o melhor lutador de MMA de sempre do Mundo?

Renan BrunacciSetembro 17, 20187min0
Quantas vezes uma discussão entre amigos passa por saber quem foi o melhor lutador de MMA de sempre? Terá sido do tempo do Pride ou é da época de Ouro da UFC?

Há dias venho pensando quem seria o ícone das Artes Marciais Mistas. Entre tantos nomes que me vieram à cabeça, tive dificuldades em focar em 1 único lutador.

Na história do MMA!

Tivemos alguns candidatos ao posto de melhor das épocas. Podemos rapidamente citar alguns nomes como o do Kazushi Sakuraba. O Japonês fez lutas memoráveis pelo Pride Fighting Championships e praticamente fundou o UFC. Sakuraba é conhecido pela sua maestria no Wrestling Japonês, Grappling e Submission, além de ser chamado como Gracie Hunter, por ser o lutador que mais derrotou integrantes da Família Gracie, desenvolvedores do jiu-jitsu brasileiro.

Fonte: Barstool Sports

Com Royce Gracie por exemplo, tem a incrível marca da luta mais longa do vale-tudo moderno, quando no ano de 2000, após seis rounds de quinze minutos, Sakuraba cansou o seu oponente e a equipe de Royce jogou a toalha.

Um pouco mais novo, mas com muita notoriedade no desporte, podemos citar o ainda lutador russo, Fedor Emelianenko, Fedor é considerado por alguns o melhor das Artes Mistas. Lutadores como Caín Velásquez, Georges St. Pierre e José Aldo já confirmaram em entrevistas que concordam com essa afirmação. Emelianenko começou sua história em meados dos anos 2000, fazendo do Pride seu parque de diversões. Ele ficou praticamente uma década invicto e tem o mestre do MMA brasileiro Rodrigo Minotauro como seu maior ”Freguês” no desporte.

Fonte: MMa Mania

Com certeza, eu poderia passar o dia escrevendo sobre esses dois lutadores, ícones do MMA em seus países e que carregam milhares de fãs pelo mundo, mas acabei focando em um lutador brasileiro. Em grande dúvida, já que o Brasil é um celeiro de bons lutadores, tanto da nova quanto da velha geração, atletas que fizeram parte do começo do Pride, outros que desenvolveram o jiu-jitsu, dos Pesos-leves aos Pesos-pesados, de Wanderlei Silva a Vitor Belfort

Conversa de bar tem resultado…

Conversando com um amigo, também brasileiro e lutador Conrado Gavião, chegamos a uma conclusão. Quem moveu mais fãs para o desporto?

Quem quebrou recordes e foi o sujeito a ser batido durante anos por essa nova geração?

Caros amigos, irei brevemente falar sobre uma lenda, que ainda não aposentou-se formalmente, mas acredito estar muito próximo.

Fonte: mmafighting

Anderson Silva, também conhecido com The Spider, nasceu em 1975 e é ex-Campeão Peso Médio do UFC. Lutador de voz fina, muitas vezes até engraçada, dentro do octógono Anderson não dava margens para sorrisos. Pelo contrário, irreverente, era ele quem dava risada dos adversários, uma de suas artimanhas para desestabilizar o rival ainda em combate.

Quando tudo começou!

A base da arte marcial de Anderson começou muito cedo, quando logo aos cinco anos deu inicio às aulas de Taekwondo. Já faixa preta, especializou-se no Muay Thai e no Jiu-jitsu, tornando-se faixa preta e mestre em tudo que aprendeu. O lutador, que nasceu em Curitiba (capital do Paraná), viajou para a maior cidade brasileira, São Paulo, para tentar uma vaga em um time. No entanto, não se tratava de um time de lutas, e sim um time de futebol! O treinador logo reparou que seu forte era outro e o colocou para treinar na equipe de Boxe do clube.

Com uma rápida ascensão e com o surgimento de patrocinadores, Silva logo resolveu seguir a carreira do MMA. De 2000 a 2006, colecionou vitórias em diversas organizações que lutou como, Pride, Cage Rage, Meca e Shooto.

Fonte: pinterest

Em 2006, ele apareceu para o mundo quando entrou para time do, até então em crescimento, UFC. No mesmo ano, ”The Spider” consagrou-se campeão e detentor do cinturão que iria defender por mais de 11 lutas e um pouco mais de 7 anos, sempre invicto e quase sempre derrubando seus adversários sem pena. O crescimento da organização durante esse período foi evidente, muitos lutadores passaram a querer fazer parte dos cards, os eventos eram transmitidos mundialmente, fãs de todos os lados pagando pelas transmissões do PPV.

Anderson era quase sempre o centro das atenções, até que o reinado veio ao fim. Em 2013, Spider realizou uma luta com o então inexpressivo Chris Weidman, com quem nem queria lutar. Em entrevistas, Silva chegou inclusive a menosprezar o americano. Naquela noite, Anderson foi finalizado com um soco, chegando a anunciar aposentadoria, mas duas semanas depois, a revanche era marcada para o fim do mesmo ano.

Fonte: Sportv

Dana White, que já declarou ter Anderson Silva como o maior de todos os tempos, anunciou a revanche como a luta da história do UFC.

O trem descarrilhado.

Nada mais parecia dar certo para Spider que, na revanche, incrivelmente quebrou a perna ao tentar um chute baixo muito comum do Muay Thai. Assim, o lutador ficou sem o cinturão e sem luz no fim do túnel, já que daí em diante, nada mais fez sentido em sua carreira. Seus retornos foram marcados por doping, derrotas e apenas uma única vitória.

Aguardando o fim da punição por conta do doping, Anderson dedica-se a carreira de ator e tenta ”casar” uma luta histórica no boxe com seu maior ídolo, Roy Jones Jr.

Hoje aos 43 anos, Anderson Silva é muito contestado pelos lutadores, principalmente pelos que já foram suas vitimas. Teria ele, chegado aonde chegou fazendo uso de esteroides anabolizantes? Infelizmente, Silva não é o primeiro e nem será o último desportista que espera chegar ao fundo do poço, para finalizar sua carreira. Provavelmente, se tivesse feito isso em seu auge ou após as derrotas contra o americano Chris Weidman, hoje teríamos uma lenda incontestável.

Fonte: Goiás News

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter