Jogos Paralímpicos Tóquio 2020: 50 novos recordes foram estabelecidos até agora

Fair PlaySetembro 6, 20215min0

Jogos Paralímpicos Tóquio 2020: 50 novos recordes foram estabelecidos até agora

Fair PlaySetembro 6, 20215min0

Vários recordes estão a ser batidos todos os dias nos Jogos Paralímpicos Tóquio 2020.

As sessões de eliminatórias e finais de natação do terceiro dia dos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020 foram um sucesso. No total, 9 recordes mundiais e 11 paralímpicos caíram já nos 3 primeiros dias.

Embora os recordes mundiais também instituam um respectivo recorde continental do país do nadador, outros 8 recordes continentais caíram.

Novos recordes na natação feminina nos Jogos Paralímpicos Tóquio 2020

Os 50 m livres femininos da categoria S11 foram os primeiros a serem nadados sob a barreira de 30 segundos, cortesia dos líderes cipriotas Karolina Pelendritou (29,92) e Li Guizhi da China (29,95). Antes desta sessão, Pelendritou anteriormente detinha o recorde mundial datado de maio de 2021. Guizhi também detinha originalmente o recorde paralímpico estabelecido no Rio 2016.

Durante as eliminatórias femininas de 50m mariposa da categoria S5, a chinesa Lu Dong levou a melhor. Com um tempo de 40,74, quebrou o recorde asiático. Além dela, Marta Fernandez Infante, de Espanha estabeleceu um novo recorde mundial S4 e Paralímpico. Com 41,27, quebrou a sua própria marca mundial de 43,22 e o recorde Paralímpico de 2016 de 53,67.

A sexta nadadora a obter um novo recorde nas Américas foi Joana da Silva Neves Euzebio, a bater na parede com 46,32. Outra nadadora da categoria S4, Brenda Anellia Larry, da Malásia, estabeleceu um novo recorde asiático nas eliminatórias com 1:00.62.

Mallory Weggemann dos EUA tirou 0,17s ao recorde paralímpico de 2012. O recorde que antes era de 2:54,42 nos 200m estilos femininos na categoria SM7 passou para 2:54,25.

No evento final da sessão, os 400 m livres femininos S13, a australiana Katja Dedekind (4:35,87) estabeleceu um novo recorde da Oceania para garantir a medalha de bronze.

A final dos 50 metros livres das mulheres S11 acabou com um protesto. Assim, os resultados tornaram-se não oficiais e foram removidos. Apesar disso, a chinesa Ma Jia assinou o melhor tempo da história com 29,46. A cipriota Karolina Pelendritou também quebrou novamente o recorde europeu com 29,80.

Recordes na natação masculina Parolimpíadas Tóquio 2020

Quem conquistou o primeiro recorde mundial masculino do torneio paralímpico foi o americano Robert Griswold. Ele melhorou a medalha de bronze no Rio 2016 para o ouro em 2020 em Tóquio. O seu novo recorde pessoal passou a ser de 1:02.55, tirando 0,35s à marca mundial e paralímpica de 2016 de 1:02,90.

Reece Dunn da Grã-Bretanha também melhorou o seu próprio recorde mundial de 2019 nos 200m livres masculinos na categoria S14, bem como o recorde paralímpico de 2016 de 1:56,32. Facilmente abaixo das marcas Mundial / Paralímpico, mas ficando com a prata foi o brasileiro Gabriel Bandeira. O seu tempo de vice-campeão de 1:52,74 estabeleceu novos recordes continentais das Américas e da América do Sul.

Zheng Tao liderou a vitória chinesa por 1-2-3 na final masculina do S5 com um novo recorde mundial de 30,62, a derrubar seu próprio recorde de 30,88.

A barreira dos 2:30 foi eliminada pela primeira vez nos 200m estilos masculinos da categoria SM7. O israelita Mark Malyar conquistou o título paralímpico com 2:29.01, a derrubar o recorde mundial / paralímpico de 2016 de 2:30,72.

Andrii Trusov, vice-campeão da Ucrânia, foi o segundo a quebrar a barreira dos 2:30 com 2:29,99. Na mesma final, o sul-africano Christian Sadie ficou em sexto lugar, com um novo recorde para seu continente com 2:35,94.

Luka Ekler quebrou o recorde na categoria de salto em comprimento T38 duas vezes no mesmo dia

Luca Ekler tornou-se a primeira mulher da Hungria a ganhar uma medalha de ouro no atletismo nos Jogos Paralímpicos, depois de quebrar o seu próprio recorde mundial duas vezes no salto em comprimento T38 no dia 7 em Tóquio 2020.

Desde o salto inicial, a tricampeã mundial e tricampeã europeia deixou claras as suas intenções com um salto recorde de 5,60m. Na sua terceira tentativa, aumentou para 5,63m.

A sua rival mais próxima foi a campeã paralímpica de Londres 2012 e seis vezes campeã mundial, Margarita Goncharova, do Comitê Paralímpico da Rússia. O melhor salto da atleta de 30 anos foi de 5,29m para reivindicar a prata. A bicampeã mundial da Grã-Bretanha, Olivia Breen, conquistou o bronze em 4,91m.

Ekler, que ficou em quarto lugar nos 100m T38, voltou ao Estádio Olímpico na sexta-feira, 3 de setembro, para competir nos 400m T38.

Daniel Dias retira-se como nadador paraolímpico de maior sucesso

Dias, que nasceu com deficiências nos membros superiores e inferiores, aprendeu a nadar aos 16 anos inspirando-se ao ver o seu compatriota Clodoaldo Silva ganhar três medalhas de prata e um bronze nos Jogos Paralímpicos de Sydney 2000.

Entretanto, ele fez a sua carreira e ganhou 27 medalhas paralímpicas. De entre elas, estão 14 medalhas de ouro.

Ele, que é o nadador paralímpico de maior sucesso de todos os tempos, retirou-se depois de terminar em quarto nos 50m livres masculinos S5 no Dia 8 dos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020.

A sua sexta e última prova dos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020 foi no dia 8. Porém, Dias perdeu por pouco a quarta medalha de bronze após terminar em 32:12.

Logo antes ficou o chinês Wang Lichao, com o terceiro lugar pela marca de 31:35. Os compatriotas de Wang, Zheng Tao e Yuan Weiyi conquistaram o ouro em 30:31, com novo recorde paralímpico, e a prata com 31:11, respetivamente.

As paraolimpíadas de Tóquio 2020 são um marco para a história

Esta foi, sem dúvida, uma das edições com maiores exemplos de superação de recordes. No total, mais de 50 recordes foram quebrados pelos atletas ao longo de toda a competição. No sétimo dia de competição, 18 recordes foram quebrados.

Entretanto, as Paralimpíadas não são um passo final para os atletas, mas sim o recomeço do ciclo. Portanto, se quiseres continuar a acompanha-los nas suas competições, procura boas casas de apostas com bónus de registo. Elas irão permitir-te apostar enquanto oferecem também a transmissão ao vivo dos eventos.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter