A janela internacional de Outono: mudanças, novidades

Francisco IsaacJulho 31, 20207min0

A janela internacional de Outono: mudanças, novidades

Francisco IsaacJulho 31, 20207min0
A World Rugby já divulgou o calendário oficial dos jogos de selecções para o Outono de 2020 e vamos ter quase 2 meses de uma intensidade física e técnica de elevado nível! Mas quais são as novidades em específico?

Seis Nações, Rugby Championship, cruzamento entre nações de ambos os hemisférios e possibilidade dos adeptos estarem presentes nos estádios, estes foram alguns dos temas avançados pela World Rugby em relação ao regresso dos jogos internacionais de rugby, depois de todos os tours de Verão terem sido cancelados devido à inacessibilidade entre países e, especialmente, entre continentes, e ao estancamento da propagação da pandemia.

Mas vamos de ponto em ponto para explicar o que a World Rugby, em acordo com algumas federações, conseguiu agendar para este ano em termos de competições internacionais!

CALENDÁRIO MUDA OU NÃO?

Começando uma semana mais cedo do que o costume, o calendário de selecções terá início no dia 24 de Outubro e vai se extender, excepcionalmente, até 5 de Dezembro, perfazendo 7 fins-de-semana para se desenrrolarem vários jogos de diferentes competições. Este ajustamento do calendário internacional no geral não força quaisquer mexidas na final da English Premiership, que é a única competição a terminar precisamente nessa data – PRO14 fecha a época de 2019/2020 a 14 de Setembro e a Heyneken Champions Cup a 17 do mês seguinte -, permitindo que tudo decorra naturalmente e sem que nenhuma selecção perca jogadores na primeira ronda de Test Matches.

As competições nacionais vão decorrer ao mesmo tempo que os jogos de selecções, com o Top14 a interromper só durante dois fins-de-semana de Novembro, sendo que ainda não se sabe quando é que a época 2020/2021 começa para a Premiership e Pro14, com os rumores a apontarem para Dezembro o início de ambas as ligas (no caso da liga inglesa, precisam de 24 fins-de-semana para ir da 1ª jornada até à final, ou seja, jogarem de Dezembro a Maio, sem paragens), isto após do fecho da época de selecções.

Rapidamente, os jogos internacionais vão de 24 de Outubro até 5 de Dezembro e isto permitirá fechar as Seis Nações deste ano e dar seguimento ao Rugby Championship 2020.

SEIS NAÇÕES PARA ABRIR O APETITE

O torneio mais antigo do rugby mundial viu uma jornada e um jogo serem adiados, resultante do fecho de fronteiras e paragem total de todas as actividades desportivas, ficando na altura prometido que tudo seria decidido em uma data posterior. Depois de meses de dúvidas, com a Inglaterra, Irlanda e França na contenda pelo título, a World Rugby apresentou a solução – solução essa que tinha sido já cogitada pela empresa dirige a competição – para realizar os últimos quatro jogos, com o fim-de-semana de 24/25 de Outubro ficar destinado para o Irlanda-Itália e, a seguir, o de 30/31 do mesmo mês para a 5ª ronda, que apurará o campeão de forma até dramática, pois a França recebe em Paris a Irlanda com a Inglaterra a olhar por fora. Este cenário também se aplica às Seis Nações feminina, que também tem o mesmo número de encontros em atraso.

Completando-se as Seis Nações 2020, as selecções europeias vão manter a actividade ao dar o salto para uma “liga” jogada junto das Ilhas Fiji e Japão, que ficarão sediadas na Europa durante os quatro fins-de-semana de Novembro e o extra de Dezembro, significando isto cinco jogos internacionais para cada uma das participantes. No entanto, para a Inglaterra será uma janela internacional exaustiva e desafiante, uma vez que Eddie Jones só vai poder contar com todos os jogadores 5/6 dias antes do Itália-Inglaterra, sendo possível os atletas das equipas finalistas da Premiership fiquem de fora do primeiro jogo da Rosa, introduzindo-os nos trabalhos a 100% na semana seguinte.

Mas a competição que terá envolvimento de pelo menos duas selecções fora do espaço europeu ainda não foi oficializada nem confirmada, existindo a possibilidade de termos “tours” do Japão, Fiji e Samoa pela Europa como plano “B”. Lembrar que isto não é um novo Seis Nações, pois a competição não é promovida pela empresa que detém os direitos e dita as regras, mas sim pela World Rugby, que já tinha prometido a realização de uma pequena liga do género para a actual época e afirmar que isto é abertura para um revamp dos Six Nations não só é errado como está a incorrer numa mentira sem qualquer base de fundo. E porque não vamos ver Nova Zelândia, Austrália, África do Sul e Argentina a alinhar contra as suas congéneres do Hemisfério Norte?

O RUGBY CHAMPIONSHIP 2020

O título explica tudo, pois há que realizar o maior torneio de selecções do Hemisfério Sul ainda neste ano. Não se realizando entre Agosto e Setembro, como de costume, a única solução foi empurrar a sua realização para Novembro, entre os dias 7 de Novembro e 12 de Dezembro (uma semana após o término dos jogos na Europa), não sendo esta a única grande novidade para a competição que pela primeira vez será realizada toda no mesmo espaço. Isto é, um dos quatro países envolvidos ficará responsável por albergar as equipas e oferecer-lhes um espaço “seu”, evitando-se assim as viagens e as restantes questões logísticas, numa quase espécie de Mundial de Rugby mas aplicado ao Rugby Championship.

Será interessante perceber se as receitas de estádio e televisão vão ser divididas pelas quatro nações igualmente, já que as três nações que tiverem de viajar não vão poder recolher os fundos advindos da bilheteira, marketing, circulação de adeptos e arrendamento de espaços pelas equipas adversárias. Num momento económico delicado para qualquer sector, seria fundamental que o rugby desse uma resposta forte no que toca à igualdade e partilha, criando-se assim um princípio de fraternidade entre outros os participantes.

Outra questão sensível vai para o facto dos adeptos poderem viajar ou não em direcção ao país que vai ficar responsável pela organização do Rugby Championship, sendo que isto está directamente ligado aos travel bans aplicados – para quem ache que a Nova Zelândia ou Austrália vão continuar a viver sem turismo, desengane-se já que são indústrias fulcrais para a sua sobrevivência.

No fim, vamos ter direito a um The Rugby Championship 2020, um pouco mais atrasado e sem a espectacularidade do efeito das viagens e de jogar em estádios diferentes, mas pelo menos as quatro super nações do Hemisfério Sul vão ter direito a não só jogar como lucrar, uma palavra tão necessária nos dias de hoje para a modalidade.

E OS OUTROS?

A grande pergunta vai para o que acontecerá com selecções como Geórgia, Uruguai, Brasil, Espanha, Portugal, Bélgica, Samoa, Tonga, entre outras. Vão jogar nesta janela internacional ou não terão condições para viajar ou receber equipas e realizar test matches essenciais para o seu crescimento e subida ou descida no ranking da World Rugby? Neste momento, não há qualquer notícia nesse sentido apesar da Geórgia e Uruguai terem feito alusão à necessidade de realizarem algum jogo entre Outubro e Dezembro, tanto pelo princípio competitivo, ranking e económico, mas tudo depende de quais as directivas impostas pelo país de cada uma das equipas envolvidas.

2020 é um ano caótico para todas as federações de rugby, com perdas avolutadas que podem colocar certos projectos num estado dormente ou até de cancelado (teme-se que o rugby feminino vá ser quem mais sofrerá nos próximos anos) e a possibilidade de se realizarem estes jogos internacionais ajudará a atenuar os danos sofridos durante uma boa parte do ano.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter