E já começou (em grande) o Campeonato Nacional 1 20/21!

João de MatosSetembro 16, 20203min0

E já começou (em grande) o Campeonato Nacional 1 20/21!

João de MatosSetembro 16, 20203min0
A principal divisão de andebol em Portugal já está em alto funcionamento e os três "grandes" conquistaram vitórias nos seus jogos! A análise à prestação do SL Benfica na recepção ao Águas Santas para o Campeonato Nacional 1

O Campeonato Nacional 1 de andebol está de regresso e, mesmo com os pavilhões sem público, houve jogos de grande intensidade e emoção, com os três principais candidatos – SL Benfica, Sporting CP e FC Porto – a conquistarem vitórias neste arranque da competição nacional. Neste artigo vamos nos focar em especifico no 3º classificado da época passada, o Sport Lisboa e Benfica. As águias derrotaram o Águas Santas, numa partida equilibrada e que houve sombra de reviravolta no segundo tempo.

Não foi nada fácil, apesar dos quatro golos à maior, a vitória do Benfica sobre o Águas Santas, no encontro que abriu o Campeonato Placard de 2020/21. Podemos dizer que foi um resultado muito enganador para o espectador que apenas tivesse acesso ao resultado final.

Apenas aos 47 minutos  de jogo é que os pupilos do espanhol Chema Rodriguez passaram para a frente no marcador, com um golo de Paulo Moreno, que fez o 17-16. Até então, foram os comandados de José António Silva, que mandaram, tendo tido, em várias ocasiões três golos à maior. No entanto, desde o golo do capitão que o Benfica não mais largou o comando e somou os primeiros três pontos na prova.

Moreno fez o golo da vantagem encarnada

Lazar Kukic, com seis golos e Moreno, com cinco, foram os melhores marcadores do Benfica. Pelo Águas Santas brilhou Pedro Seabra, com sete golos, que jogou no Benfica nas 3 épocas anteriores, curiosamente sem nunca ter completado as 3 épocas, devido a lesões e à recente pandemia, Seabra, escolhido por Carlos Resende fez cerca de 1 ano e meio de jogos com a camisola das águias.

Em relação à equipa do Benfica, os processos ofensivos ainda não estão totalmente sedimentados, com o Benfica a ter muitas falhas técnicas ofensivamente, tanto neste primeiro do campeonato como nas duas mãos do playoff de acesso à taça EHF.

O Benfica até agora apenas tem tirado rendimento de dois reforços, o central Kukic e o guarda redes Sergey Hernández que teve 53% de eficácia de remates defendidos. Kukic tem sido o verdadeiro guerreiro do Benfica, no jogo contra o Águas Santas foi Lazar que assumiu o papel e as hostilidades.

Das contrações do Benfica, Ole Ramel tem estado muito aquém das expectativas, ainda não mostrou ser o jogador do Khiel que certamente fez o Benfica avançar para a contratação dos seus serviços, uma nota importante é a clara aposta em Nyokas por parte de Chema em contraposição ao que Carlos Resende fazia que raramente dava minutos ao lateral francês campeão do mundo.

O Benfica tem apresentado números completamente absurdos de penalizações da linha de 7 metros, só este jogo já vão com quase 30 7 metros contra, algo defensivamente não está bem, para uma equipa que defende em 6-0, estes números não podem acontecer.

Já os rivais diretos de Benfica, o Sporting entrou com o pé direito no campeonato com uma vitória sobre o Boavista por 31-17 e o Porto ganhou a jovem e renovada equipa do ABC por uns esclarecedores 36-18. Victor Iturriza nos dragões foi o grande destaque, tanto pelos 7 tentos marcados como pela capacidade de fazer mossa no confronto físico nos atletas da formação bracarense, que foi completamente dominada durante a maior parte do encontro. Já no caso dos “leões”, o destaque vai para Tiago Rocha, com 5 golos, numa tarde serena para a formação lisboeta na visita ao reduto da equipa portuense, que tive em Carlos Ruesga um dos principais construtores do fluxo ofensivo do Sporting CP de Thierry Anti.

Fonte: fpa.pt

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter