Os destaques coletivos no hóquei em patins português em 2021/22

José NevesJaneiro 26, 20225min0

Os destaques coletivos no hóquei em patins português em 2021/22

José NevesJaneiro 26, 20225min0
Com o virar do ano, analisamos as equipas do hóquei em patins português que se têm destacado, pela positiva e pela negativa.

A época 2021/22 tem visto vários destaques, quer sejam pela positiva ou pela negativa. Neste artigo, fazemos uma breve análise a alguns desses destaques das 1ª e 2ª Divisões de hóquei em patins português, numa altura em que é já possível, olhando para as tabelas classificativas, determinar quem luta pelo quê na segunda metade da temporada.

Destaques positivos

OC Barcelos

Atualmente na segunda posição do campeonato nacional da 1ª Divisão, o OC Barcelos faz já parte do lote de candidatos ao título de campeão nacional, e se alguém ainda tinha dúvidas, a primeira metade da época dos minhotos certamente as dissiparam.

É que para além do 2º lugar no campeonato a apenas 1 ponto do líder FC Porto, o Barcelos venceu aquela que é, face à não realização da Supertaça António Livramento e da Taça 1947, a única competição oficial já disputada. No início da época a equipa de Rui Neto levou de vencido o anfitrião da prova SC Tomar, a UD Oliveirense, e o FC Porto, para levar para Barcelos a edição de 2021 da Elite Cup.

Num campeonato novamente decidido em formato de playoff, veremos se o OC Barcelos fecha a temporada da mesma forma que iniciou, batendo os rivais diretos, e levando para casa um título que não ganha há 21 anos.

CDC Juventude Pacense

Na 2ª Divisão – Zona Norte o atual líder é uma das formações que já se esperava estar na luta pelo regresso ao escalão principal, o Riba d’Ave, mas o seu mais direto perseguidor é uma das surpresas da época.

A Juventude Pacense encontra-se a 4 pontos do líder, e em posição de playoff de promoção, surgindo na frente de equipas que, no início da época, seriam mais fortes candidatos à subida que a formação pacense.

Com apenas 1 derrota em 12 partidas (precisamente no terreno do líder), a equipa de Paços de Ferreira terá já neste fim de semana um teste de fogo á sua candidatura aos lugares de subida, com a receção ao Riba d’Ave, podendo aproximar-se perigosamente do líder, ou perder o seu 2º posto.

AD Oeiras

Também na Zona Sul da 2ª Divisão, entre o trio de equipas que lutam nesta fase pela promoção, surge uma equipa que surpreende, o Oeiras.

A equipa orientada por José Carlos Califórnia encontra-se na 3ª posição da tabela a 2 pontos do 2º classificado Murches, mas com menos uma partida realizada, e a 3 pontos do líder Candelária, com dois jogos a menos que os picarotos.

Se no caso de Murches e Candelária a aposta na subida era forte, o Oeiras surgia no início da época como uma das equipas num lote secundário de candidatos à promoção, juntamente com formações como Alenquer ou Física.

Depois de na época transata o Oeiras ter terminado na 9ª posição do campeonato com apenas 30 pontos, o atual registo de 28 pontos conquistados em 11 partidas significa uma enorme melhoria que deixa a equipa do Oeiras na luta pelo regresso à elite, de onde caiu na temporada 2018/19.

Destaques negativos

AD Sanjoanense

Depois de uma época em que a equipa de São João da Madeira lutou até à última partida por uma vaga nos playoff, 2021/22 não tem sido uma temporada fácil para a Sanjoanense.

A Sanjoanense segura a lanterna vermelha do campeonato desde a jornada inaugural da prova, sendo que foi apenas à 12ª jornada que a equipa de Vítor Pereira averbou os primeiros pontos, com uma vitória caseira frente ao Parede.

Para além desse triunfo, a Sanjoanense conquistou apenas mais 1 ponto, com um surpreendente empate frente ao SL Benfica, mas com 11 partidas por disputar, sendo 7 delas na condição de visitante, os 4 pontos averbados poderão ser já curtos para uma recuperação.

HC Turquel

Quem está também numa situação semelhante é o HC Turquel, que depois de ter assegurado a manutenção na temporada passada no último segundo da época, agora parece incapaz de fugir à despromoção.

Tal como a equipa da Sanjoanense, também os turquelenses somam apenas 4 pontos, pontos esses conquistados nas primeiras 4 jornadas do campeonato com um empate em Tomar na jornada inaugural, e uma vitória perante a Sanjoanense.

Mas se o arranque do campeonato parecia prometedor, as 10 derrotas consecutivas que se seguiram deixam o Turquel numa posição frágil. Com 12 jogos por disputar, 6 deles na Aldeia do Hóquei, o recém-contratado Guillem Perez terá uma missão complicada para manter o Turquel na elite pela 11ª época consecutiva.

HC Turquel é uma das equipas em perigo de despromoção (Foto: Catarina Maria / FPP)

AA Espinho

A Académica de Espinho esteve muito próxima de, na temporada passada, ter regressado à 1ª Divisão Nacional, perdendo no playoff de promoção frente ao Paço de Arcos por 2-3.

Esta temporada parece ser já segura afirmar que o Espinho não vai repetir a classificação da temporada passada. Atualmente no 8º lugar da zona norte da 2ª divisão, o Espinho está já a 11 pontos da Juventude Pacense, atual 2ª classificada, tendo os pacenses ainda um jogo em atraso.

A formação de Espinho está até mais próxima dos lugares de despromoção à 3ª Divisão que dos lugares de acesso à 1ª, com 8 pontos de vantagem para o 12º classificado.

Estando à já várias épocas a tentar regressar à 1ª Divisão Nacional, ainda não será em 2021/22 que o Espinho vai voltar aos grandes palcos do hóquei nacional.

 

(Foto de Capa: Catarina Maria / FPP)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter