OC Barcelos entra em 2020 na liderança do campeonato

José NevesDezembro 30, 201916min0

OC Barcelos entra em 2020 na liderança do campeonato

José NevesDezembro 30, 201916min0
O OC Barcelos, outsider na luta pelo título de campeão nacional, vira o ano na liderança da prova seguido de perto pelos quatro rivais. 2020 arranca com vários jogos entre os cinco primeiros da tabela.

A equipa do OC Barcelos tem sido um dos, se não mesmo o principal destaque deste início de temporada 2019/20. Depois de ter vencido o Sporting no Pavilhão João Rocha, num jogo onde se apresentou com três baixas importantes, e de ter batido de forma categórica o FC Porto, a formação minhota termina agora o ano civil de 2019 na liderança do campeonato nacional da primeira divisão. 

Um percurso cada vez menos surpreendente daquela que tem sido a equipa que melhor hóquei apresentou nas primeiras onze jornadas do campeonato, e que deixa os adeptos do Óquei a sonhar com a possibilidade de voltar a conquistar o título de campeão nacional, 19 anos depois de o ter feito pela terceira vez na sua história. 

Com uma caminhada imaculada no seu pavilhão, o Barcelos bateu todos os adversários que esta época entraram na “Catedral”, um deles o FC Porto, tendo perdido cinco pontos fora de portas, com uma derrota em Oliveira de Azeméis, e um empate a cinco bolas no terreno do lanterna vermelha Física, no que permanece como o único ponto conquistado pela equipa de Torres Vedras em toda a prova. 

Pelo caminho, e para além da já referida vitória em casa dos leões, os minhotos levaram os três pontos em Turquel e Viana, pavilhões tradicionalmente difíceis para os candidatos ao título. 

Tabela classificativa à 11ª jornada (Fonte: hoqueipatins.pt)

Os 63 golos apontados pelo Barcelos no campeonato constituem o segundo melhor ataque da prova, apenas atrás dos 66 do FC Porto, mas os 42 sofridos fazem da equipa a 5ª melhor defesa, com mais 23 golos consentidos que o Sporting, a defesa menos batida do campeonato. 

Nas duas jornadas que faltam ainda disputar até ao ponto intermédio do campeonato, a equipa barcelense terá mais um teste de fogo, frente ao único rival na luta pelo título que ainda não defrontou. Para a última jornada da primeira volta está marcada a recepção ao Benfica, um de três jogos grandes que as próximas duas rondas nos trazem. 

Outro dos jogos grandes surge já na próxima jornada, e os encarnados serão igualmente protagonistas. Num final de primeira volta de elevado grau de dificuldade para as águias, e em véspera de visitar Barcelos, o Benfica recebe no seu pavilhão o eterno rival Sporting. 

Um derby sempre emotivo e apaixonante entre dois rivais que partilham a liderança com os mesmos 28 pontos do OC Barcelos. Um jogo de enorme importância que, dado o equilíbrio espelhado no topo do campeonato, poderá ser a diferença entre manter-se no topo ou cair para o 5º posto. 

O Benfica tem nestas derradeiras duas jornadas da primeira volta dois testes de enorme grau de dificuldade, que podem deixar os encarnados isolados no topo ao final da primeira volta, ou fazê-los cair para a quinta posição, atrasando-se na luta pelo título, caso averbe duas derrotas nestas partidas.  

Nos dois jogos já realizadas diante de adversários directos, a equipa de Alejandro Dominguez foi derrotada pela margem mínima na visita ao Dragão Arena, um jogo realizado na pior fase da época para os encarnados, tanto ao nível dos resultados como a nível exibicional, um encontro que se seguiu a um empate em casa do HC Braga.  

Após estes dois jogos consecutivos sem ganhar, a equipa encarnada seguiu para uma série de quatro vitórias consecutivas, ainda que nem todas com grandes exibições, e mais recentemente goleou na Luz a Oliveirense, numa das melhores prestações colectivas da época dos encarnados. 

O derby irá opor aquelas que são as duas melhores defesas do campeonato, com alguma margem para as restantes. Os verde e brancos somam apenas 19 golos sofridos, numa média inferior a 2 golos sofridos por jogo, os rivais encarnados viram a bola entrar por 23 vezes na sua baliza. Um número ainda assim de relevo, tratando-se das únicas duas formações que ainda não ultrapassaram a marca dos 30 golos sofridos. 

Águias e Leões defrontam-se já no próximo fim de semana (Foto: Sporting CP)

No Sporting este é um número que não surpreende, no passado recente os leões têm feito da defesa a sua grande arma, com Ângelo Girão a ser preponderante nas conquistas recentes do clube. Mais uma vez esta época Girão é o guardião menos batido do campeonato, melhorando o registo so Sporting da temporada passada onde, à 11ª jornada, contava com 21 golos sofridos. 

Mas apesar da melhoria nos números defensivos, os números no ataque caíram consideravelmente. Se na época passada o Sporting registava, à 11ª jornada, 53 golos marcados, sendo então o 2º melhor ataque da prova, nesta época o número caiu para os 44, um número bem inferior aos restantes quatro adversários directos que já ultrapassaram todos a barreira da meia centena de golos. 

Esta ineficácia ofensiva acabou por contribuir para o empate do Sporting em casa da Sanjoanense, jogo que se seguiu à derrota caseira diante do Barcelos. O Sporting acabaria por registar o segundo jogo consecutivo sem vencer, com um empate a duas bolas alcançado com um golo de Pedro Gil já bem perto do final do encontro. 

Na quarta posição da tabela, a apenas um ponto do grupo de líderes, surge a Oliveirense, que recentemente com a derrota na Luz perdeu a liderança isolada. Das cinco equipas que ocupam o topo da tabela, a Oliveirense é a única a não ter perdido qualquer ponto diante de formações fora do top5, tendo as duas derrotas que averba acontecido nos pavilhões de Sporting e Benfica. 

Se por um lado a equipa de Oliveira de Azeméis não tem vacilado diante das restantes equipas que lutam por objectivos distintos, tendo já saído vitoriosa de recintos como o de Valongo e de São João da Madeira, por outro o registo negativo de duas derrotas em três jogos frente a rivais deixa a equipa em alerta para a partida da última jornada da primeira volta que opõe a Oliveirense ao FC Porto. 

Apesar da partida se realizar em Oliveira de Azeméis, ao passo que ambas as derrotas frente aos grandes de Lisboa tenham ocorrido fora de portas, na eventualidade de ambas as formações entrarem em pista separadas pelos mesmos dois pontos que as separam neste momento, uma vitória da equipa de Renato Garrido pode abrir um pequeno fosso para os dragões de cinco pontos no arranque da segunda volta do campeonato. 

Para sair de campo com os três pontos, a Oliveirense irá certamente precisar de um Marc Torra, e um Jordi Bargalló, ao mais alto nível. Ambos os jogadores espanhóis figuram na lista de melhores goleadores do campeonato. Torra é o segundo melhor artilheiro com 18 golos apontados, Bargalló é quarto na lista com 13, contabilizando entre eles 31 dos 52 golos da Oliveirense nesta edição do campeonato. 

Mas não será apenas a Oliveirense a apresentar goleadores nessa partida. O FC Porto é, e apesar do 5º lugar na tabela, o melhor ataque da prova com 66 golos apontados, e ainda que grande parte deles tenham sido marcados no Dragão Arena (43), o Porto é a segunda equipa que mais marca fora de casa, tem 23 golos em 5 partidas, ficando apenas atrás dos 26 em 6 encontros do Benfica. 

Desses 66 golos, um jogador destaca-se, sendo o único hoquista azul e branco a figurar no top10 dos goleadores do campeonato, Gonçalo Alves é líder dessa lista com uns impressionantes 25 golos marcados. 

Na temporada transacta, Gonçalo Alves foi o melhor marcador do campeonato com 40 golos apontados, uma média de 1,5 golos por jogo, para já o avançado do Porto leva uma impressionante média de 2,8 golos por jogo. Também nas bolas paradas os números do internacional português impressionam, Gonçalo Alves é o jogador com melhor percentagem de sucesso em grandes penalidades, com 80% de eficácia, 8 golos em 10 tentativas. De entre os jogadores com um número mínimo de 3 grandes penalidades tentadas não há ninguém acima do jogador portista. 

Os dragões não iniciaram o campeonato da melhor forma tendo perdido pontos logo na jornada inaugural após um empate frente à Juventude de Viana, nos dois jogos frente a adversários do top5 que o FC Porto realizou na condição de visitante a equipa de Guillem Cabestany averbou duas derrotas, 3-0 no terreno do Sporting, e 7-4 em Barcelos. Resultados que o FC Porto não pode repetir em Oliveira de Azeméis sob a ameaça de ficar cada vez mais distante da revalidação do título de campeão nacional. 

 

Gonçalo Alves leva 25 golos no campeonato, incluindo 2 na vitória por 4-3 frente ao Benfica (Foto: Catarina Maria / FPP)

Equilíbrio não se verifica só no topo 

Não é apenas nos primeiros cinco lugares da tabela que se verifica um enorme equilíbrio entre as equipas, também na luta pela manutenção as contas estão bastante baralhadas. Com excepção para a Física, que apenas soma um ponto, todas as restantes equipas estão bastante próximas, apenas 4 pontos separam o 6º classificado da zona de descida. 

Na 13ª posição encontra-se a Juventude de Viana, uma das principais decepções da época até ao momento. Com apenas 6 pontos conquistados, fruto de uma vitória e três empates, a equipa de André Azevedo terá nas duas últimas jornadas da primeira volta duas partidas fulcrais para dar um salto na classificação. A Juventude de Viana enfrenta as duas outras formações que com ela se encontram em zona de descida, recebendo no seu pavilhão a Física, e terminando a primeira volta em Almeirim. Dois jogos que podem dar um novo rumo à época da formação minhota, que passou as últimas sete jornadas na zona vermelha da tabela. 

Os Tigres olharão certamente para a recepção à Juventude de Viana para chegar aos 12 pontos no ponto intermédio do campeonato. Uma vez que a próxima jornada leva a equipa de André Luís ao pavilhão de um candidato ao título, essa partida frente aos vianenses é de enorme importância também para os ribatejanos que conquistaram seis dos seus nove pontos diante dos seus adeptos, e caso voltem a vencer podem iniciar a segunda volta fora dos lugares de despromoção. 

Outra equipa que averba apenas 9 pontos, o Paço de Arcos tem ainda três partidas por realizar na primeira volta, mas, e apesar de nenhuma delas ser diante de uma equipa do top5, duas delas serão fora de portas. A equipa da linha é a que menos golos marca na condição de visitante, tendo apenas 10 golos marcados fora do “Casablanca”, e enfrentando duas formações que fazem do seu pavilhão um verdadeiro forte (Turquel e Braga), o Paço de Arcos poderá chegar à 13ª jornada com os mesmos 9 pontos e abaixo da “linha de água”.  

Na eventualidade de isso acontecer, a partida diante do Riba d’Ave ganha uma preponderância ainda maior, até porque nas primeiras quatro jornadas da segunda volta, a formação de Luís Duarte defronta quatro equipas do top5. Podendo o Riba d’Ave chegar a Paço de Arcos com uma série de cinco derrotas consecutivas, a vitória nesse jogo é obrigatória para as ambições do histórico clube da linha. 

De um ex-campeão nacional para outro, e subindo na classificação, o Valongo volta mais uma vez a estar envolvido na luta pela manutenção, com apenas 10 pontos somados a equipa valonguense tem até ao fecho da primeira volta duas partidas onde pode muito bem amealhar seis pontos e dar um salto na classificação.  

O primeiro jogo de 2020 para o Valongo é a recepção à Sanjoanense, a equipa em melhor momento de forma de entre as formações abaixo do top5, depois a formação de Miguel Viterbo visita o campo do lanterna vermelha Física. Com o início da segunda volta a ditar mais duas partidas diante de duas equipas actualmente em zona de descida (Tigres e Juv.Viana), o início de 2020 pode levar o Valongo a respirar melhor na classificação. 

Voltando à região centro do país, o Turquel iniciou o campeonato da melhor forma com duas vitórias nas primeiras três rondas, mas apenas somou mais cinco pontos desde então. Ainda assim a equipa da “Aldeia do Hóquei” está a realizar uma melhor campanha comparativamente a 2018/19, onde terminou a primeira volta com apenas 9 pontos somados. Nas duas jornadas que restam esta temporada até ao dobrar do calendário, o Turquel pode realisticamente somar 14 pontos, caso leve de vencida a formação do Paço de Arcos. 

O final da primeira volta e o início da segunda levam a equipa de João Simões a uma dupla jornada fora de portas nos terrenos de Sporting e Barcelos, mas após estas partidas, o Turquel enfrenta as equipas que bateu no início da prova, podendo aí novamente somar pontos que a aproximem mais do miolo da tabela. 

O Braga é a outra equipa ainda com três jogos por realizar no campeonato, jogando dois deles em casa. Para além da recepção ao Paço de Arcos que foi adiada para o início de 2020, o HC Braga recebe num derby minhoto o líder Barcelos na próxima jornada, uma partida em que os bracarenses estarão certamente apostados em surpreender, tal como sucedeu aquando da recepção ao Benfica.  

Após o derby a equipa de Rui Neto desloca-se a São João da Madeira para enfrentar a formação que neste momento se encontra imediatamente acima na classificação, iniciando depois a segunda volta frente às três formações que neste momento se encontram em posição de descida. 

A Sanjoanense terminou 2019 da melhor forma com uma série vitoriosa de três jogos. Com o enorme contributo do reforço de inverno Hugo Santos, emprestado pelo FC Porto, que leva 5 golos em apenas duas partidas, a equipa de São João da Madeira deixou o penúltimo lugar da tabela, alojando-se agora na 7ª posição. Para dar continuidade à série vitoriosa, e ficar mais próxima do objectivo da manutenção, a Sanjoanense enfrenta duas equipas que se encontram atrás de si na classificação nas próximas duas jornadas. Primeiro uma visita ao sempre difícil pavilhão do Valongo, depois a recepção ao HC Braga. Dois jogos que poderão levar a Sanjoanense a iniciar 2020 da mesma forma como terminou 2019. 

Por fim, o Riba d’Ave conquistou todos os seus 13 pontos numa série de cinco jogo sem perder entre as jornadas 3 e 7, mas desde aí não mais pontuou, e apesar da posição na tabela, é a segunda pior defesa do campeonato com 53 golos sofridos, apenas batido pelos 55 dos Tigres de Almeirim. Ainda assim a equipa de Hugo Azevedo mantém-se como a primeira após os top5, podendo perder essa posição já na próxima jornada caso volte a perder na recepção à Oliveirense. A primeira volta fecha para o Riba d’Ave com a deslocação a Paço de Arcos, um jogo que pode ser importante para as contas dos minhotos mediante os resultados da próxima jornada. 

 

Valongo e Turquel podem aumentar vantagem para as equipas em zona de despromoção na próxima jornada (Foto: Catarina Maria / FPP)

O ano de 2020 inicia-se com as duas jornadas finais da primeira volta recheadas de confrontos directos, não só no topo da classificação como na batalha pela fuga à despromoção. É bastante provável que no final da 13ª jornada a classificação se apresente bem diferente daquela que temos neste momento, e muitas das partidas a realizar nestas duas rondas vão ajudar a definir muito daquilo que se verá ao longo da segunda volta. 

 

(Foto de Capa: Catarina Maria / FPP)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter