Fim de semana de decisão europeia no João Rocha

José NevesMaio 10, 20196min0

Fim de semana de decisão europeia no João Rocha

José NevesMaio 10, 20196min0
Neste próximo fim de semana decide-se o principal título europeu de clubes de hóquei em patins. A decisão é em Portugal, e um trio de equipas lusas pretende deixar o troféu no nosso país.

Chegou um dos fins de semana mais aguardados por todos os adeptos do hóquei em patins, nos próximos dois dias quatro das melhores formações do Mundo vão entrar em rinque para disputar o principal troféu de clubes da Europa, a Liga Europeia.

O palco escolhido foi o Pavilhão João Rocha, casa do actual campeão nacional Sporting, que irá tentar o troféu pela segunda vez no seu historial. Para além dos leões, também Benfica e Porto vão entrar na casa leonina de olhos postos no troféu, e para completar o elenco, não podia faltar o crónico candidato ao título de campeão da Europa, e actual detentor do mesmo, o poderoso Barcelona.

 

Reedição da última final

A primeira meia-final da prova coloca frente a frente dois velhos conhecidos destas andanças, o FC Porto e o FC Barcelona enfrentaram-se no dia 13 de Maio do ano passado, no Dragão Caixa, para a decisão da 53ª edição da prova rainha do Velho Continente. Agora, um ano volvido, as duas equipas com mais presenças em finais da competição voltam a defrontar-se para discutir nova presença na partida decisiva.

No lado do Barcelona está um currículo invejável, das 53 edições já realizadas os blaugrana conquistaram 22, tendo ainda por 4 ocasiões saído derrotado da final, sempre perante oposição espanhola. Nessas 22 conquistas registam-se 9 onde o finalista vencido foi português, com Porto, Benfica e Barcelos a caírem perante o gigante catalão no passado.

Já os dragões são a equipa com mais finais perdidas na história da prova, para além das épocas de 85-86 e 89-90, onde o FC Porto foi coroado campeão europeu, a formação azul e branca saiu derrotada do jogo decisivo por impressionantes 11 ocasiões, sendo que dessas 11 finais perdidas, 7 foram perante o adversário desta meia final, o Barcelona.

Um duelo com muita história na principal prova europeia de clubes entre duas formações que á mais de três décadas se encontram na elite do hóquei europeu e mundial. FC Porto e Barcelona são duas equipas que bem se conhecem tendo-se defrontado várias vezes nos últimos anos, para a Liga Europeia portistas e catalães defrontaram-se em todas as épocas desde 2015-16, com saldo positivo para os portugueses, foram três vitórias para o Porto, todas registadas na fase de grupos, e duas para o poderoso Barcelona.

No entanto o registo mais recente é claramente favorável à formação de João Rodrigues, para além da final ganha no Dragão Caixa na época passada, o Barcelona bateu o FC Porto por mais duas ocasiões no ano de 2018. A primeira na final da Taça Continental, numa partida apenas decidida nas grandes penalidades, o Barcelona voltaria a sair por cima na final da Taça Intercontinental, em jogo decidido no prolongamento.

Um jogo com muita história na competição que dará a “stickada inicial” nesta final four, uma partida entre duas das melhores equipas do Mundo que tão bons espectáculos nos proporcionaram recentemente, e este jogo não deverá fugir à regra. Resta saber se no final será o Barcelona a levar a melhor, voltando a ser o carrasco do Porto, ou se a equipa de Guillem Cabestany levará a melhor, confirmando a 3ª final da história 100% portuguesa.

Porto e Barcelona voltam a defrontar-se depois de três finais em 2018 (Foto: WS Europe/ Marzia Cattini)

Primeiro derby europeu

Na segunda meia final entram em pista os dois eternos rivais, que apesar da rivalidade, nunca se defrontaram no maior palco europeu. Sporting e Benfica vão medir forças pela primeira vez na Liga Europeia, num jogo de extrema importância para ambos os lados.

Na equipa da casa existe o desejo que já não é de agora, de repetir o feito de 1976-77, de uma das melhores equipas da história do hóquei em patins português composta por Ramalhete, Júlio Rendeiro, Sobrinho, Livramento e Chana. Esta equipa que ficaria para sempre lembrada como “a equipa maravilha” foi a base do sucesso da única conquista verde e branca na competição, e, à altura, o primeiro triunfo luso após 11 conquistas espanholas nas primeiras 11 edições da então denominada Taça dos Campeões Europeus.

E a turma de Alvalade terá aqui a melhor oportunidade de repetir o feito e juntar-se a Porto e Benfica como equipas mais tituladas da competição com 2 triunfos cada, para além de jogar em casa, a equipa trinada por Paulo Freitas vem de um jogo que foi um verdadeiro hino ao hóquei em patins frente ao FC Porto, em jogo a contar para a Taça de Portugal onde os leões levaram a melhor no prolongamento, e estarão certamente motivados para deixar este fim de semana na história do clube.

Do outro lado esta uma equipa que tem nesta Liga Europeia a salvação de uma época, até agora, bastante fraca. O Benfica ficou bem cedo arredado da luta pelo título tendo mesmo trocado de treinador a meio da temporada, apontando baterias para o ceptro europeu que conquistou por duas vezes, e as duas nesta década. É inegável que o clube da Luz é o emblema com maior sucesso na competição neste século, apesar do Porto já ter participado em 7 finais no mesmo período temporal, foi o Benfica a única equipa portuguesa a levantar o troféu desde o ano de 2000.

Curiosamente os dois triunfos encarnados, nas temporadas de 2012-13 e 2015-16, aconteceram ambas em território português. A primeira no Dragão Caixa diante do dragões, a segunda frente à Oliveirense no Pavilhão da Luz. Com esta edição a voltar a ser realizada no nosso país, e novamente com forte contingente português, será este um bom presságio para os encarnados, e voltará a ser Valter Neves o homem a levantar o troféu?

Sporting e Benfica vão defrontar-se pela primeira vez na Liga Europeia (Foto: Sapo Desporto)

(Foto de capa: WS Europe/ Marzia Cattini)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter