World Beach Games com Mundial no horizonte

André CoroadoOutubro 11, 20196min0

World Beach Games com Mundial no horizonte

André CoroadoOutubro 11, 20196min0
Em vésperas de Mundial, 10 equipas que estarão presentes no grande torneio FIFA e 6 que não se apuraram viajam para o Qatar, onde terão a oportunidade de lutar pelas medalhas nos Jogos Mundiais de Praia 2019, os primeiros de sempre! No dia de estreia da prova, o Fair Play lança um olhar a cada um dos grupos, antevendo as expectativas e as dificuldades que cada selecção irá encontrar nas Arábias!

Têm início hoje os primeiros Jogos Mundiais de Praia, realizados no Qatar, sendo o futebol de praia uma das modalidades integrantes do panorama competitivo. Por um lado, o evento feminino constitui o primeiro torneio de selecções femininas à escala global, marcando a estreia de equipas de vários continentes, incluindo a tão aguardada selecção brasileira. Já o evento masculino, além de constituir um marco histórico para o desporto, tem ainda o aliciante de funcionar como antecâmara do Mundial FIFA que se realiza dentro de pouco mais de um mês, em Assunção, no Paraguai, proporcionando às equipas participantes em ambas as provas uma oportunidade soberana para preparar o Mundial de forma competitiva. Para as equipas que não se apuraram para a grande prova da FIFA, os World Beach Games são uma oportunidade para demonstrar que continuam a fazer parte da elite global. Por seu turno, para as equipas que, como Portugal, estarão presentes no mundial mas não viajaram ao Qatar, esta prova permitirá ver alguns dos futuros adversãrios em acção.

A competição masculina de futebol de praia inicia-se hoje e será disputada ao longo dos próximos 6 dias, com as 4 melhores equipas a realizarem 6 jogos consecutivos. O formato será exactamente igual ao de um mundial, com 4 grupos de 4 equipas cada e uma fase de eliminatórias começando nos quartos de final. Entretanto, a competição feminina também arranca hoje e contará com a presença de 8 selecções distribuídas em 2 grupos de 4, devendo as duas melhores equipas de cada agrupamento disputar as meias finais, jogo deatribuição do bronze e final.

Lançamos agora um olhar à competição masculina, analisando as selecções participantes grupo a grupo e perspectivando um pouco do que poderá vir a acontecer nas areias de Doha na primeira fase da prova. A competição feminina será objecto de uma análise futura.

Grupo A

Neste grupo, o Brasil emerge como o grande favorito à conquistada primeira posição, na primeira aparição da selecção Canarinha em provas fora do continente sul-americano. Os comandados de GIlberto Costa ainda não perderam qualquer jogo em 2019 e pretendem seguramente fazer História ao conquistar a primeira edição de sempre dos Jogos Mundiais, semanas antes do Mundial onde poderão sagrar-se bicampeões. Para já, o Brasil contará com a oposição de uma Suíça que, não tendo o fulgor de outros anos, é sempre um adversário complicado, contando com alguns dos melhores executantes a nível europeu e mundial. Teoricamente, perspetivar-se-ia que o segundo lugar do grupo fosse discutido entre os helvéticos e os Emirados Árabes Unidos, uma potência asiática consolidada cuja organização defensiva promete oferecer autênticos quebra-cabeças à concorrência. Por fim, lembramos a capacidade de surpreender da selecção de Marrocos, que nos últimos Jogos Mediterrâneos de Praia foi derrotada por Portugal apenas nas grandes penalidades. Os marroquinos não se qualificaram para o Mundial, pelo que este evento constitui uma forma alternativa de provarem o seu valor a um nível global, estando a passagem aos quartos ao seu alcance no nosso entender.

Grupo B

Situação bem distinta pode ser encontrada no grupo B, onde duas equipas europeias tradicionalmente fortes se configuram como as grandes favoritas à passagem aos quartos: Itália e Espanha. Os transalpinos atravessam um bom momento de forma, tendo alcançado a medalha de ouro nos Jogos Mediterrâneos de Praia e o 2º lugar no apuramento para o Mundial, à custa de grande consistência defensiva e um plantel renovado com um larguíssimo leque de opções. Por seu turno, os ibéricos protagonizaram uma temporada de altos e baixos, que apesar de incluir algumas conquistas e presenças em pódios fica manchada pela ausência no Mundial FIFA – razão pela qual os pupilos de Joaquín Alonso tudo farão para tentar vencer este novo torneio. O caminho de ambos terá de passar pelo México, campeáo da CONCACAF que continua em busca de uma dimensão mundial à muito perdida, e Ilhas Salomão, que tal como a Espanha não estão apuradas para o Mundial, mas ofereceram uma oposição de valor ao Tahiti no campeonato de futebol de praia da Oceania.

Grupo C

Este grupo parece uma reedição do grupo C do Mundial Tatiti 2013, mas substituindo o Brasil pelo Paraguai. Os guaranis preparam o campeonato mundial que se jogará em sua casa, integrados num grupo muito complicado do qual também fazem parte o Irão, campeão intercontinental em título, o Senegal, campeão africano, e a Ucrânia, que eliminou Portugal e Bielo-Rússia nos play-offs de acesso aos Jogos Mundiais. Trata-se sem dúvida do agrupamento mais equilibrado à partida, onde qualquer uam das equipas acalenta reais chances de atingir os quartos e seria arriscado atribuir favoritismos. Recordamos que tanto iranianos como ucranianos não estarão presentes no mundial, ao contrário do Senegal, que este ano já venceu a Espanha e o Japão no Mundialito. A expectativa é grande para ver o que os comandados de Marco Octávio poderão fazer no Qatar, tendo em conta que os mais recentes resultados levaram à queda dos persas, outrora segundos classificados do ranking mundial.

Grupo D

Em mais um agrupamento muito curioso, a selecção de El Salvador destaca-se como a única equipa que não está apurada para o mundial. Os Cuscatlecos procuram assim resgatar o seu estatuto de potência da CONCACAF apõs três mundiais falhados de seguida. Mas os salvadorenhos terão pela frente a Rússia, vice-campeã europeia que volta a apresentar-se em excelente forma esta temporada, constituindo’se como a principal alternativa ao Brasil no leque de favoritos â conquista do troféu inédito. Além disso, também o Japão estará presente, agora com o estatuto de vice-campeão asiático, acalentando legítimas aspirações no que ao apuramento diz respeito. O Uruguai, equipa também apurada para o Mundial FIFA, fecha o grupo, trazendo o desejo de alcançar os quartos de final. Os Charrúas vềm da conquista da Goalfun Beach Soccer Championship, onde bateram entre outras a equipa de El Salvador, e continuam a preparação para o Mundial com ambições renovadas.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter