Quem pode ser a surpresa nos mundiais da Flandres?

Diogo PiscoSetembro 21, 20215min0

Quem pode ser a surpresa nos mundiais da Flandres?

Diogo PiscoSetembro 21, 20215min0
Um dia único, com adeptos únicos, numa região única, que declara um autêntico hino ao ciclismo! É a Flandres e há nomes inesperados que podem surpreender!

Vencer os mundiais de ciclismo de estrada é algo icónico! Um sonho capaz de agradar a todos os campeões das diversas modalidades do ciclismo! Vencer uns mundiais de ciclismo de estrada na região da Flandres é algo para o qual as palavras se tornam escassas para construir uma descrição digna desse feito!

A dimensão do ciclismo na Bélgica é tão grande que neste momento é impensável para os Belgas não ser um dos seus ciclistas a vencer. A probabilidade é gigante  tal é a qualidade da seleção Belga. A espectativa é mairo ainda, principalmente após a medalha de bronze e de prata conquistadas por Remco Evenepoel e Wout Van Aert, respetivamente, na prova de contrarrelógio individual, do passado domingo.

Após a prata e o bronze na modalidade de contrarrelógio, os belgas querem o ouro na prova de fundo! Fonte: Swiss Cycles

No encalce dos belgas estão os holandeses com o espetacular Mathieu Van der Poel. Os eslovenos depositam as sua fé em Primoz Roglic e Tadej Pogacar, enquanto os franceses esperam que Julien Alaphilippe possa finalmente provar que consegue vencer na Flandres, da mesma forma que os italianos sonham que Sony Colbrelli mantenha a forma que tem apresentado nas ultimas corridas e consiga repetir a vitória dos mundiais. Em Portugal acreditamos que João Almeida vai embalado com as vitórias no Luxemburgo e na Polónia, sabendo que os eslovacos anseiam o renascimento de Peter Sagan para conquistar o seu 4º título de campeão mundial. A fé dos ingleses é depositada no polivalente Campeão Olímpico de MTB Thomas Pidcock e os Dinamarqueses fazem figas para que Mads Pedersen possa voltar a fazer uma surpresa nos mundiais, tendo ainda Kasper Asgreen como vencedor da Volta a Flandres deste ano.

Mas é no exemplo de Mads Padersen que o Fair Play se foca. Após apresentar os nomes mais fortes, daquelas que, à partida, parecem ser as seleções favoritas à conquista da vitória nos mundiais de ciclismo de estrada de 2021, é necessário lembrar que são os mundiais e surpresas acontecem. Mais que isso! É a Flandres, as surpresas são quase tão garantidas como o espetáculo.

O Fair Play arrisca assim três nomes que podem surpreender os adeptos do ciclismo.

Em 2019, quando Mads Pedersen venceu uns dos mundiais mais duros da última década devido à junção do frio, da chuva e de um percurso nada fácil, a surpresa foi grande. Apesar de não ser nenhum desconhecido, Pedersen não tinha resultados de maior destaque e não parecia provável que conseguisse bater ao sprint um super em forma Matteo Trentin. Não foi um choque mas foi uma surpresa. Do mesmo modo o será se virmos o jovem americano Quinn Simmons vencer, por exemplo o Colbrelli,  do mesmo modo. É importante reter este nome.

Até porque Simmons também foi campeão mundial em 2019, nessa época como júnior. Este jovem de apenas 20 anos parece ter o potencial necessário para vencer neste tipo de terrenos e alcançar a vitória de um campeonato mundial na Flandres seria algo realmente incrível e inesperado até para o próprio. O americano já conseguiu andar com os melhores em provas de 1 dia apesar de ainda não ter conseguido apresentar os mesmos resultados que conquistou em júnior. É uma aposta surpreendente mas não descabida.

O segundo nome que pode surpreender, e talvez o mais forte, é o do inglês Ethan Hayter! Um ciclista da pista que começou por ser a surpresa da Volta ao Algarve de 2021, quando venceu no alto da Foia. O jovem britânico parece ter apurado o cheiro para vencer em Portugal e durante a resta época alcançou várias e diversas vitórias. Chegadas em alto frente a trepadores puros, chegadas em sprints reduzidos, sprints numerosos, com inclinações ou em linha reta, Hayter parece capaz de vencer em qualquer terreno. Tem se batido com os melhores e chega aos mundiais após uma brava luta pela vitória no Tour of Britain, com dois dos maiores favoritos ao título mundial, Alaphilippe e Van Aert. Um choque não será certamente, mas será uma grande e boa surpresa ver Hayter com a camisola do arco-íris.

Para surpresa final, o Fair Play identifica não um ciclista, mas um seleção. Será uma surpresa ver uma seleção como a espanhola conseguir conquistar os mundiais da Flandres. Apesar de eternamente ligados à história e mística do ciclismo, este nunca foi o terreno dos espanhóis que sempre se deram melhor com os ares das Ardenas. A juntar a esse facto temos uma seleção desprovida de nomes de grande impacto ou com um grande curriculo para apresentar. Os nomes mais fortes para este tipo de terreno serão os de Iván García Cortina e de Alex Aranburu que apesar de muito prometerem parece que ficam sempre na segunda linha no que toca à discussão de vitórias. Sem Alejandro Valverde, Joaquim Rojas, Luis León Sánchez, entre outros, esperamos que os espanhóis possam fazer uma participação digna neste mundiais e quem sabe chocar o mundo do ciclismo!

O Inglês vai aos mundiais após bater o pé a Alaphilippe e Van Aert na Grâ Bretanha e afirma que gostava de correr o Paris-Roubaix! Quem sabe se não será a grande surpresa dos mundiais de 2021. Fonte: Veloveritas

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter